Construções em taipa de mão: conheça as possibilidades para a sua obra

Marina Nascimento Silva

Marina Nascimento Silva

Formada em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atualmente trabalha no escritório Marina Silva Engenharia.

7 de julho 2020

 

Você já ouviu falar de construções em taipa de mão? Atualmente, nas construções convencionais, tijolos cerâmicos têm sido largamente empregados como elemento de vedação. Outros produtos como blocos de concreto e gesso acartonado também são comumente usados. Tanto que você certamente já deve ter observado o emprego de algum deles nos ambientes em que frequenta.

Mas esses materiais têm um considerável custo associado, exigem extração de diferentes matérias primas esgotáveis e envolvem processos de produção com elevado consumo de energia.

Residência contemporânea construída em pau-a-pique
Residência contemporânea em pau-a-pique (Fonte: Ecoarq Arquitetura)

Contribuem ainda com a poluição ambiental, tanto pelos resíduos gerados em seu uso quanto pelo seu próprio processo de produção.

Além disso, muitas vezes, resultam em edificações que destoam dos ambientes em que se inserem. Nesse contexto, a bioconstrução vem ganhando cada vez mais destaque como alternativa melhor, sem esses problemas.

Neste artigo vou te mostrar como a bioconstrução e, mais especificamente, as construções em taipa de mão, é útil e merece atenção, tanto como elemento de decoração quanto na forma de modelo construtivo.

O que é bioconstrução?

Esse conceito consiste, resumidamente, no uso de materiais e técnicas construtivas que, sobretudo, minimizem os impactos ambientais associados a uma construção.

A bioconstrução engloba técnicas como:

E as construções em taipa de mão, também conhecida como pau-a-pique, fazem parte desse conceito. Esse processo construtivo até pouco tempo atrás não era mais usado, mas agora vem sendo resgatado e otimizado para emprego nos mais variados tipos de obra, não só como vedação, mas também como decoração de ambientes.

Construções em taipa de mão como elemento decorativo
Pau-a-pique como elemento de decoração (Fonte: Roberto Migotto Arquitetura/ Mostra Casa Cor 2015)

Esqueça as imagens de construções precárias associadas a essa técnica e se surpreenda com as suas possibilidades.

O que é taipa de mão?

Uma edificação é formada por diversos componentes: fundações, estruturas, vedação, cobertura, acabamentos, etc.

A vedação é a parte responsável pelo fechamento interno/externo e divisão dos ambientes.

Com ou sem acabamento superficial associado, a vedação pode ser feita em diversos materiais, conforme já mencionado. Alguns deles são:

A escolha do material, diante das diversas possibilidades disponíveis no mercado, é função do orçamento disponível, resultado estético final desejado e desempenho pretendido, entre outros fatores.

A taipa de mão, ou pau-a-pique, é um dos sistemas de vedação à disposição. Tem como princípio básico o uso de terra crua associada a uma estrutura em madeira para a formar as paredes de uma edificação.

Qual a mistura necessária para fazer a taipa de mão

Terra crua nada mais é do que o solo sem queima, sem beneficiamentos ou alterações de suas características mineralógicas, diferentemente do que ocorre com os tijolos cerâmicos tradicionais.

A terra não é utilizada sozinha, mas sim numa mistura usualmente feita com água e palha.

Essa mistura, inclusive, era feita a pés descalços em edificações antigas.

Massa para construções de pau-a-pique
Mistura de terra, água e palha (Fonte: arquivo pessoal)

As proporções da mistura podem variar conforme as propriedades da terra disponível a ser empregada, e é preciso fazer testes de desempenho para diferentes dosagens de cada matéria prima. Assim, é possível determinar um traço ótimo de cada parte dessa mistura.

Teste de dosagem para massa de taipa de mão
Teste de dosagem (Fonte: arquivo pessoal)

Sistema construtivo

O sistema construtivo é composto por uma parte estruturante, geralmente em bambu ou madeira entrelaçada, que é posteriormente complementada com uma mistura terra, água e fibra vegetal (palha, por exemplo). ⠀

Nessa mistura, a água é responsável por conferir uma consistência adequada à aplicação, enquanto a fibra minimiza as trincas resultantes da retração da terra após a secagem. ⠀

Estrutura básica⠀⠀⠀⠀⠀

Quanto a sua forma, a parte estruturante pode ser composta por:⠀⠀⠀⠀

  • um painel central perfurado, sobre o qual é adicionada a terra em ambas as faces até obter a espessura desejada;
  • uma “gaiola” formada por duas malhas, cada uma delimitando uma das faces externas da parede e determinando sua espessura final. Então a mistura de terra, água e fibra preenche o volume interno formado;
Estrutura tipo "gaiola" para construção em taipa de mão
Estrutura tipo “gaiola” (Fonte: arquivo pessoal)

Materiais

Quanto ao seu material, a parte estruturante pode ser formada por:

  • bambu atado nos encontros dos elementos horizontais com os verticais;
Estrutura em bambu para obra em pau-a-pique
Estrutura em bambu
  • madeira (pinus, por exemplo) pregada na junção dos elementos horizontais com os verticais;
Estrutura em pinus para obra de pau-a-pique
Estrutura em pinus (Fonte: arquivo pessoal)

Acabamento

Quanto ao acabamento do conjunto, ele pode ser:

  • alisado ou rústico;
  • cru ou pintado;

A mistura de terra deve ser projetada com certa força contra as tramas de madeira formadas para que todos os espaços sejam preenchidos e os vazios inexistentes.

Entenda as diferenças entre construções em taipa de mão e outros modelos construtivos

Ao contrário das construções convencionais, a cobertura/telhado deve ser executada antes das paredes e com projeção considerável de beiral para proteger as vedações em terra da chuva.

Instalações elétricas e hidrossanitárias, entre outras, devem ser executadas após a montagem da parte estruturante e antes do fechamento em terra.

Atenção especial a revestimentos

No que se refere ao acabamento, quando cru a coloração superficial pode variar bastante conforme as propriedades dos componentes de cada tipo de argila.

Quanto ao revestimento, o material empregado deve ser compatível com a superfície sobre a qual é aplicado. Tintas convencionais, por exemplo, não são adequadas. Usam-se tintas naturais a base de cal.

Cabe destacar que antes da execução de qualquer revestimento sobre a parede em terra, esta deve estar completamente seca. O tempo de secagem varia conforme as condições de cada localidade, como a umidade reativa do ar.

Cuidado extra com impermeabilização e estrutura

O pau-a-pique não tem um bom comportamento quando submetido a água. Por esse motivo, em áreas molhadas como banheiros, deve-se empregar algum outro material com melhor desempenho ou então executar revestimento impermeável sobre sua superfície.

Assim como grande parte dos sistemas de vedação, o pau-a-pique não tem função estrutural. Sendo assim, exige o emprego de outros materiais para suportar os esforços associados a construção, como a carga de cobertura, por exemplo.

Pilares e vigas em madeira ou mesmo concreto podem ser usados como estrutura.

estrutura rústica de construção em taipa de mão
Estrutura em madeira, acabamento rústico e beirais do telhado (Fonte: arquivo pessoal)

Quanto as fundações, essenciais para evitar o contato da madeira da parede com o solo e os consequentes danos em decorrência da umidade, pode-se usar pedra ou mesmo concreto.

Resgatando a história das construções em taipa

As construções em taipa de mão foram muito utilizadas no período do Brasil colonial para os mais diversos tipos de obra, dentre as quais destacam-se casas e igrejas.

Algumas sobrevivem até os dias atuais, como o Museu de Arte Sacra de São Paulo, uma construção datada do século XVIII.

Museu de arte Sacra de São Paulo construído com taipa de mão
Museu de arte Sacra de São Paulo (Fonte: CHECK IN São Paulo)
Paredes de museu construídas em taipa de mão (pau-a-pique)
Paredes internas do Museu de Arte Sacra de São Paulo (Fonte: CHECK IN São Paulo)

Alguns fatos dessa época, como existência do barbeiro dentro das paredes e a doença de chagas por esse inseto transmitida, ainda são associados as construções em pau-a-pique. Isso causa estranheza e preconceito em relação ao seu resgate.

Entretendo, isso só ocorre quando sua execução é mal realizada, permitindo fendas na parede que se tornam abrigo para os mais variados insetos e outros pequenos animais.

Ainda hoje obras em taipa podem ser observadas nas regiões norte, nordeste e no interior, de modo geral.

Vantagens e Desvantagens

Veja agora algumas vantagens e desvantagens de usar a taipa de mão na sua obra:

Vantagens

Alguns dos maiores benefícios em usar o pau-a-pique são:

  • custo reduzido, sobretudo se os materiais estiverem disponíveis no local;
  • bom desempenho térmico tanto em períodos frios quanto nos quentes;
  • bom desempenho acústico;
  • risco de incêndio reduzido;
  • redução do nível necessário de qualificação da mão de obra;
  • inexistência de consumo de energia e poluição ambiental em sua produção.

Desvantagens

Por sua vez, também existem algumas desvantagens em usar a taipa de mão, que são:

  • grande sensibilidade a água e umidade;
  • inexistência de um material padronizado, exigindo testes e adequações de mistura para cada situação.

Conclusão

Contribuir com a redução e regressão da poluição ambiental é uma necessidade urgente. Vários setores, incluindo o da construção civil, devem mobilizar-se para isso e a bioconstrução tem contribuído muito nesse sentido.

O pau-a-pique, especificamente, tem mostrado um bom desempenho estético, de durabilidade e funcionalidade, além das contribuições ambientais.

A evoluções recentes tem provado que os problemas anteriormente observados nesse tipo de construção já foram superados e o quanto seu emprego traz benefícios diversos.

Você gostou dessa técnica? Já conhecia?

Nós amamos!

Comenta aqui qual o tipo de vedação utilizado na sua residência, trabalho, ambiente escolar, etc. e se você considera o emprego do pau-a-pique em possíveis construções futuras, seja na vedação ou mesmo decoração!