Casa Verde e Amarela: O que você precisa saber sobre o programa [Atualizado]

Giseli Barbosa Anversa

Giseli Barbosa Anversa

Engenheira Civil, é Product Manager do Sienge, atuando no desenvolvimento de ações para impulsionar o desempenho de empresas da Indústria da Construção.

28 de agosto 2020

Você já ouviu falar no programa Casa Verde e Amarela? Se ainda não, saiba que é a novidade que o governo federal anunciou em julho de 2020 como nova medida para estimular a aquisição de moradia nas populações de renda mais baixa.

Todos sabemos que o sonho da casa própria está lado a lado com a ideia de ganhar na loteria na mente dos brasileiros. E toda medida do governo como estímulo a tornar isso realidade chama atenção da população.

Por isso, o novo programa deve fazer parte do dia a dia dos profissionais da construção daqui em diante. Assim, neste artigo eu vou explicar para você o que é o Casa Verde e Amarela, como ele funciona e o que esperar dele para os negócios.

O que é o programa Casa Verde e Amarela?

O Casa Verde e Amarela é o novo programa de habitação popular do governo federal. O programa vai substituir o atual arranjo, que já está em operação há 20 anos, o Minha Casa Minha Vida.

Casa Verde e Amarela vai substituir o Minha Casa Minha Vida

 

A ideia dos dois programas é, em essência, a mesma:

Ajudar a população de renda mais baixa a ter acesso a moradia de qualidade dentro das condições da lei. E essa substituição de programas é sinal de que o governo planeja fazer mudanças no modo como o acesso a moradia é abordado no Brasil. Por isso, a meta anunciada pelo governo é atender 1,6 milhão de famílias de baixa renda até 2024.

O que o programa Casa Verde e Amarela pretende mudar?

Segundo as informações iniciais que o governo deu, o objetivo do Casa Verde e Amarela é corrigir as imperfeições do programa atual de habitação, o Minha Casa Minha Vida. Ou seja, a gestão do presidente Jair Bolsonaro não está satisfeita com a forma com que o MCMV, que está no ar desde 2009, funciona.

Com isso, o governo indicou alguns problemas estruturais que deseja reformular com o novo programa. O grande foco é regularizar a moradia de famílias de baixa renda no país, e dois grandes problemas que impedem isso, segundo o governo, são:

Residências construídas em áreas sem estrutura

Segundo o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, parte do problema com o Minha Casa Minha Vida está na falta de estrutuda das residências do MCMV. De acordo com o ministro, pelo menos 500 mil unidades construídas pelo Minha Casa Minha Vida “viraram guetos, território de ninguém”.

Ele criticou também o fato de muitos conjuntos habitacionais do MCMV serem longe de centros urbanos, sem estrutura e sem adensamento de áreas.

Falta de escritura de imóvel

Uma das críticas ao Minha Casa Minha Vida é a quantidade de casas sem escritura de imóvel construídas pelo programa. Segundo o governo federal, o número de casas nessas condições, ou seja, em situação irregular, está entre 10 e 12 milhões.

Casa Verde e Amarela deve prezar por mais estrutura urbana

Tanto é que parte do funcionamento do Casa Verde e Amarela tem como objetivo atacar a irregularidade dos imóveis e garantir que mais famílias vivam em imóveis com escritura.

Como o programa Casa Verde e Amarela funciona?

Em termos gerais, ainda há muito a descobrir sobre como o programa vai funcionar na prática. Mas de acordo com as informações já divulgadas pelo governo, sabemos que a intenção é que o projeto funcione em três frentes: financiamento de imóveis, regularização fundiária e reforma de obras.

Veja o que representa cada uma e quem deverão ser as pessoas beneficiadas por elas:

Financiamento de imóveis

A primeira novidade no financiamento de imóveis é dividir a população em 3 possíveis grupos para decidir os benefícios e a taxa de juros. Além disso, a novidade é que as regiões Norte e Nordeste recebem foco especial, ou seja, condições melhores.

Mas quais são os 3 grupos de renda?

  • o primeiro tem renda mensal entre R$2 mil;
  • o grupo 2 tem renda mensal entre R$2 a R$4 mil;
  • já o grupo 3 tem renda mensal entre R$4 e R$7 mil.

Assim, o grupo 1 terá os seguintes benefícios:

  • financiamento de imóvel com a menor taxa de juros;
  • subsídio na compra de unidade habitacional;
  • regularização fundiária;
  • e reforma de imóvel.

Por outro lado, os grupos 2 e 3 terão acesso a financiamento de imóveis com taxas um pouco maiores que o grupo 1, além de regularização fundiária.

Regularização fundiária

A ideia do governo federal é mapear as famílias que estão em terrenos e casas irregulares, fora das exigências da lei. Em vez de expulsar essas famílias das casas, o objetivo é regularizar a situação delas.

Além disso, alguns dos imóveis receberão reformas ou serão reconstruídos do zero com o dinheiro público. Enquanto a regularização fundiária está disponível para os 3 grupos de renda, outros benefícios ficam reservados apenas para o grupo 1.

Reformas e retomada de obras

A terceira frente de funcionamento é com as reformas e a retomada de obras, assim como o Minha Casa Minha Vida já faz hoje, mas com algumas melhorias. Uma delas é usar uma parte maior do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para abater a dívida do que se pode usar hoje.

Além disso, o governo anunciou que uma redução dos juros de financiamento nas regiões Norte e Nordeste, além de fazer algumas mudanças nas faixas de renda familiar para ter acesso as condições de subsídio.

Taxa de juros menor

Aqui estão algumas informações sobre as taxas de juros do Casa Verde e Amarela:

  • o grupo 1, nas regiões Norte e Nordeste pagam a partir de 4,25% ao ano, e o resto do país paga taxas a partir de 4,5% ao ano;
  • já no grupo 2, no Norte e Nordeste as taxas começam em 4,75% ao ano e a partir de 5% ao ano para as demais regiões;
  • por fim, no grupo 3 os juros são a partir de 7,66% ao ano em todo o país.

O que a construção civil deve esperar do programa Casa Verde e Amarela?

Apesar de estar bem claro o que é o programa e quais são seus objetivos, ainda resta saber se ele vai funcionar como anunciado. Ou seja, é preciso ver como o governo vai colocar em prática todas as soluções planejadas, e em quanto tempo vai fazer isso.

Mas uma coisa é certa:

Mesmo agora, sem saber com certeza se o novo programa vai ter o sucesso esperado, a sua empresa já pode se beneficiar da novidade. Por outro lado, existe uma armadilha sutil, mas bem perigosa, a respeito da qual você precisa ficar atento.

Veja abaixo o que esperar do programa e como usar isso a seu favor:

Busca por informações relevantes

Uma das coisas que você pode esperar é o aumento na busca por informações relevantes sobre as condições do programa Casa Verde e Amarela. As pessoas ficam curiosas com novidades, e muitas vão querer saber se podem se beneficiar do novo programa.

Também vão querer saber tudo sobre como ele funciona e quais são as possibilidades que se apresentam a elas no novo cenário. O que isso significa, na prática, para o setor da construção civil?

Que os olhos vão se voltar para o setor, e quem conseguir fazer um bom trabalho de educar os interessados vai atrair mais potenciais clientes qualificados.

Novos clientes interessados

Quanto mais proximidade com os clientes e mais interesse geral em habitação e construções, melhor para as vendas. E conforme as atenções se voltarem para as novas condições de moradia, as pessoas vão se inclinar mais a todo tipo de produtos do setor imobiliário.

Casa Verde e Amarela é o novo programa de habitação popular brasileiro

Por isso, o segredo vai ser dominar as condições do novo programa em detalhes e ser bem transparente na hora de ajudar os clientes interessados nele. Afinal, até clientes que não se enquadrem no Casa Verde e Amarela podem ser atraídos e, com a ajuda certa, encontrar boas opções de produtos para suas condições financeiras.

Cuidado com possibilidade de distrato

Como nem tudo são flores, é preciso ficar bem atento as vendas por impulso sem nenhum critério real de qualificação dos compradores. E isso tem um motivo bem simples, que tem nome e sobrenome: distrato imobiliário.

Quanto mais vendas para clientes que não têm reais condições de pagar, mesmo com os subsídios e incentivos de juros baixos, é um tiro no pé. A pessoa mais cedo ou mais tarde vai ficar inadimplente ou desistir do contrato, o que causa perdas para todos os envolvidos.

Qual a solução para isso?

Manter o critério na hora de qualificar os clientes e vender para eles. Além disso, todas as outras orientações sobre evitar distrato imobiliário se aplicam nesse caso.

Se, por um lado, ainda está cedo para tirar qualquer conclusão sobre a eficácia do programa Casa Verde e Amarela, podemos ter certeza de que ele vai gerar muita atenção. Com isso, as construtoras e incorporadoras que souberem tirar proveito do holofote que o governo está apontando para o setor vão conseguir muitas vendas.

E por falar em vendas, um dos conceitos mais importantes para qualquer empresa é falar com as pessoas certas. Para isso existe o conceito de cliente ideal. Veja como ele se encaixa na venda de imóveis e aumente suas vendas!