Tabela SINAPI: como transformá-la em uma ferramenta de apoio à gestão

Gustavo Prata

Escrito por Gustavo Prata

12 de maio 2022| 18 min. de leitura

Compartilhe
temas para dds uso de maquinários

Quantas vezes ao ano você atualiza seu banco de preços e composições? Se você e sua empresa não adotam esta prática, aqui vai um alerta: seu negócio está exposto a um sério perigo.

Mas também te trago uma boa notícia: a tabela SINAPI é atualizada mensalmente e, ao adotá-la como referência para seus orçamentos, você ganha assertividade e produtividade.

Este post explica em detalhes como a SINAPI é uma das mais consolidadas tabelas de referências para composições e preços de serviços e atividades de obras públicas e privadas no Brasil.

Até o final deste artigo, você vai entender como tirar o máximo proveito dos dados disponíveis na SINAPI para gerenciar melhor a sua obra.

A base de tudo é o Ciclo PDCA

Você deve conhecer o Ciclo PDCA, que traduzido para o português do nosso significa: Planejar, Executar, Checar e Agir.

O que muitos não conhecem é a importância de trazer as informações do canteiro de obras de volta para o escritório. Assim, é fechado este importante ciclo que é a base para um orçamento e planejamento de obras confiável.

Aqui, não estamos falando de atualização monetária, mas de retratar os índices de produtividade reais e as melhores metodologias construtivas de nossos projetos.

Quer um exemplo? Há alguns anos, quando falávamos em lajes de concreto, era senso comum executar uma laje maciça. Após alguns anos, vimos as lajes pré-moldadas tornarem-se comuns, seguidas pelas lajes com cubetas e lajes protendidas.

Com certeza os insumos e índices de produtividade de cada tipo de laje são diferentes. As Composições de Preços Unitários da Tabela SINAPI são elaboradas com base em uma metodologia padrão, definida pela Caixa Econômica Federal com o apoio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Assim, mensalmente, a Caixa e o IBGE vão a campo e fazem a tarefa de checar a confiabilidade das composições elaboradas, conferindo as informações com construtoras e incorporadoras.

No mês seguinte, é hora de agir: os preços de insumos são atualizados e os índices de produtividade, conferidos no canteiro, retroalimentam o sistema de composições.

É uma bela ajuda, não é mesmo?

Mantenha dados atualizados da Tabela SINAPI

Muitas obras não ficam prontas em apenas um mês, certo? Por isso, fique atento para não usar índices de preços desatualizados durante a execução do projeto. O orçamento realizado antes da construção pode (e muito provavelmente vai!) sofrer alterações até os acabamentos finais.

Tendências de mercado, inflação, encargos trabalhistas e até mesmo eventos de impacto global (como uma pandemia) podem trazer impactos imediatos ao orçamento.

Mas não se preocupe: mensalmente a tabela SINAPI traz novos insumos e serviços adotados nas obras pesquisadas. Cabe à Caixa Econômica Federal e ao IBGE rever o banco de dados de Composições, incluindo novos itens e excluindo aqueles que estão em desuso.

Se você tiver curiosidade, baixe aqui a tabela de referência do seu Estado. Você irá reparar que são apresentadas várias informações sobre o método de pesquisa para os Preços de Insumos e ainda são informados os insumos que estão em processo de desativação.

tabela sinapi estoque de material de construção na obra

Mas o que significa “Em processo de desativação”?

Os insumos que apresentam a indicação “!Em processo de desativação!” estão em processo de descontinuidade no Banco Nacional de Insumos.

Já o Banco Nacional de Insumos é uma base nacional de preços, que referencia as contratações e processos de compras em órgãos públicos.

Este é mais um dos benefícios que você tem quando adota a Tabela SINAPI como referência para seus orçamentos: a certeza de estar trabalhando com insumos atuais e com preços de mercado.

Quer ter ainda mais proveito com a Tabela SINAPI?

Isto é possível quando compreendemos como são definidos os códigos de Insumos e Serviços.

As composições da SINAPI possuem dois códigos para sua identificação. O primeiro se refere a uma classificação criada para separar e identificar composições de mesmo grupo ou natureza similar, que identifica cada referência de maneira estruturada.

O segundo é o código sequencial, gerado automaticamente quando do cadastramento da composição no Sistema. É o código SIPCI – Sistema de Preços, Custos e Índices da Construção Civil.

Fique tranquilo que vamos lhe dar a senha para entender esta codificação!

O código de classificação é estruturado em:

Nº LOTE (XX).CLASSE.GRUPO.NUM(XXX)/SEQUENCIAL(XX)

A primeira parte do código refere-se ao número do lote, que é formado por dois algarismos relacionados à três grandes grupos:

  • Lote I (01) – Habitação, Fundações e Estruturas;
  • Lote II (02) – Instalações Hidráulicas e Elétricas Prediais e Redes de Distribuição de Energia Elétrica e;
  • Lote III (03) – Saneamento e Infraestrutura Urbana

Na sequência, é aplicada uma ordenação de acordo com a Classe, ou Etapa da obra em que o Serviço é usualmente realizado.

Esta informação pode auxiliar bastante na hora de configurar os Grupos de Serviços de seu orçamento!

A codificação da Tabela SINAPI sugere 29 etapas:

  • ASTU – ASSENTAMENTO DE TUBOS E PEÇAS
  • CANT – CANTEIRO DE OBRAS
  • COBE – COBERTURA
  • CHOR – CUSTOS HORÁRIOS DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
  • DROP – DRENAGEM/OBRAS DE CONTENÇÃO/POÇOS DE VISITA E CAIXAS
  • ESCO – ESCORAMENTO
  • ESQV – ESQUADRIAS/FERRAGENS/VIDROS
  • FOMA – FORNECIMENTO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS
  • FUES – FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS
  • IMPE – IMPERMEABILIZAÇÕES E PROTEÇÕES DIVERSAS
  • INEL – INSTALAÇÃO ELÉTRICA/ELETRIFICAÇÃO E ILUMINAÇÃO EXTERNA
  • INPR – INSTALAÇÕES DE PRODUÇÃO
  • INES – INSTALAÇÕES ESPECIAIS
  • INHI – INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS
  • LIPR – LIGAÇÕES PREDIAIS ÁGUA/ESGOTO/ENERGIA/TELEFONE
  • MOVT – MOVIMENTO DE TERRA
  • PARE – PAREDES/PAINEIS
  • PAVI – PAVIMENTAÇÃO
  • PINT – PINTURAS
  • PISO – PISOS
  • REVE – REVESTIMENTO E TRATAMENTO DE SUPERFÍCIES
  • SEDI – SERVIÇOS DIVERSOS
  • SEEM – SERVIÇOS EMPREITADOS
  • SEES – SERVIÇOS ESPECIAIS
  • SEOP – SERVIÇOS OPERACIONAIS
  • SERP – SERVIÇOS PRELIMINARES
  • SERT – SERVIÇOS TÉCNICOS
  • TRAN – TRANSPORTES, CARGAS E DESCARGAS
  • URBA – URBANIZAÇÃO

Como acontece nas nossas obras, a Tabela SINAPI também separa cada Classe em Grupos, para melhor caracterizar o serviço analisado. Este grupo é representado por uma sigla de quatro letras, relacionada à descrição principal do Serviço.

Para deixar este conceito bem claro, aí vai um exemplo:

O serviço de execução de Pavimento Intertravado pertence ao grupo de sigla INTE, que significa Intertravado. Ficou bem mais fácil, não é mesmo?

Após o Grupo, a codificação traz o campo NUM, que é composto por três algarismos, correspondentes ao número da composição em relação ao grupo ao qual ela pertence.

Finalmente, os dois últimos dígitos referem-se a algarismos sequenciais, a partir de 01, que correspondem a combinações entre a composição original e auxiliares. Um bom exemplo para esta combinação são os serviços de chapisco, que apresentam diferentes formas de execução da argamassa.

É assim que uma Composição de Preços Unitários ficará catalogada na Tabela SINAPI:

amostra tabela sinapi

Dica: Master Class de Imersão na SINAPI

Entendeu tudo? Se você achou muito complicado, aqui vai uma dica: a Master Class de Imersão na SINAPI promovida pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) traz várias explicações em vídeo.

As aulas abordam a estruturação de um orçamento, os grupos de serviços existentes na tabela, a aferição das composições e uma série de outros tópicos detalhados em exercícios práticos. A sequência  é ministrada pela especialista no Sistema de Referência da SINAPI, Luciana Andrade.

No site da Caixa Econômica Federal também é possível baixar um livro que traz todos os detalhes sobre as Metodologias e Conceitos adotados para elaboração das composições. Recomendamos a leitura!

Use uma planilha de orçamento integrada ao SINAPI

Já está claro que a organização dos dados em tabelas funcionais é fundamental para controlar gastos e quantidades na sua obra. Então, saiba que você tem acesso gratuito a uma planilha que gera relatórios e gráficos automaticamente. Trata-se da Planilha de Orçamento de Obra 3.0 do Sienge.

Detalhe: a planilha utiliza insumos retirados diretamente da Tabela SINAPI! Como as informações da SINAPI já estão cadastradas, basta colocar o código correspondente da tabela que a planilha puxa todas as informações do insumo. 

O formato adotado na Planilha de Orçamento de Obra 3.0 é o “.xlsx”. Isso permite que você utilize o Excel ou outra ferramenta de planilhas como o Google Sheets para fazer seu planejamento de custos da obra.

Neste vídeo você aprende o passo a passo para começar a usar planilha agora!

Otimize a gestão com dados da SINAPI cadastrados no Sienge Go!

Quer mais integração com os dados da SINAPI? Comece a usar agora o Sienge Go! Com essa ferramenta, você não precisa ser um especialista em gestão para organizar suas finanças, orçamentos, gastos emergenciais e prazos.

O melhor de tudo é que o Sistema Engenharia do software integra a SINAPI com a Tabela Padrão de Insumos e Composições. Em apenas três clique é possível medir a obra e obter um comparativo orçado x realizado em alguns segundos.

Recapitulando tudo o que conversamos até agora

Vimos que o ciclo PDCA significa Planejar, Executar, Checar e Agir e é a base para as atualizações da Tabela SINAPI pois:

  • Construtoras e Incorporadoras Planejam e Executam suas obras considerando as informações da Tabela SINAPI;
  • Mensalmente, a Caixa Econômica Federal e o IBGE atualizam os preços de insumos e as Composições de Preços Unitários da tabela de referência e disponibilizam as informações neste site;
  • As composições tem um código próprio, que separa os serviços em 3 grandes lotes de tipos de obra em em 29 classes, relacionadas à etapa construtiva.

planta de prédio com trenas, lápis e mini tijolos

Neste ponto, você pode estar se perguntando:

Eu posso aplicar esta metodologia de Atualização ao meu banco de composições? A resposta é SIM!

E agora, vou te contar como…

Passo a passo para manter um banco de composições atualizado

tabela sinapi reunião de engenheiros

Passo 1: Escolha uma boa tabela de referência

Já conversamos sobre a importância de escolher uma tabela com Custos e Composições Confiáveis, não é mesmo?

Se você perdeu o primeiro artigo sobre a Tabela SINAPI, faça uma pausa na leitura e entenda por que você deveria adotá-la como base para seus Orçamentos.

Ter uma tabela de referência permitirá a você e sua equipe trabalhar com Insumos e Composições confiáveis para elaborar seu orçamento. Este é o primeiro passo do ciclo PDCA… Planejar!

tabela sinapi engenheiros

Passo 2: Tenha uma rotina de acompanhamento de obra

O nome já diz tudo: tabela de referência. Ela é um apoio ao seu projeto, e durante a etapa de Execução (lembre-se do ciclo PDCA!), você deverá acompanhar os índices de produtividade.

Neste artigo te explicamos tudo o que você precisa saber sobre um bom acompanhamento de obras. Através desta ação, você poderá verificar se os índices de produtividade apontados pela tabela SINAPI se adequam à sua obra ou se ações de melhoria devem ser realizadas.

Mas não são apenas os índices de produtividade que devem estar no radar do gestor de obras.

Saber comprar com eficiência também faz parte de um bom acompanhamento. E neste quesito, a Curva ABC lhe dará um mapa dos insumos que consumirão a maior parte do seu orçamento.

Se você quiser se aprofundar mais na Curva ABC, eu tenho duas recomendações para você:

Download E-book Curva ABC
E-book gratuito: Curva ABC – Como utilizá-la para melhorar seu orçamento de obras. Clique na imagem para baixar.
Download Planilha Curva ABC
Planilha gratuita: Curva ABC para Construção Civil. Clique na imagem para baixar.

Passo 3: Decida com base em dados

Foi-se o tempo em que a decisão de um projeto era baseada pelo “feeling” do engenheiro. Hoje em dia, várias ferramentas auxiliam os profissionais da Construção Civil a decidir quais ações executar, com base em dados de diversas origens.

Estas ferramentas se utilizam de Business Intelligence e permitem modelar informações e extrair tendências e indicadores de resultado. E como você pode cruzar as informações de BI com os dados referenciais da Tabela SINAPI?

Um exemplo bastante interessante é a análise do Custo Médio de Aquisição de Insumos com o Preço Referencial da tabela SINAPI. Esta comparação lhe mostrará os desvios entre Realizado e Orçado, permitindo adotar ações de negociação para as próximas compras.

Passo 4: Atualize seu banco de composições

tabela sinapi prédio em construção

É fundamental que seu orçamento executivo seja sempre elaborado com base nas informações mais atuais. Porém, nós sabemos que para participar de Licitações, por exemplo, muitas vezes temos que trabalhar com uma base de preços anterior.

E aí uma dúvida surge: afinal, aquela obra é vantajosa ou não? Para responder esta pergunta, um bom caminho pode ser atualizar os insumos, da database do Edital de Licitações, para a data atual, e comparar com os custos reais.

Isto lhe dará bons indícios sobre o possível resultado que sua construtora terá com aquele projeto e se você deve levar a licitação adiante.

Outra aplicação para a atualização do Banco de Composições é a possibilidade de trabalhar com composições já calibradas, de acordo com os passos 1, 2 e 3, porém com preços corrigidos.

Passo 5: Conte com as ferramentas tecnológicas certas

A tabela SINAPI é um compêndio com muitos dados. Cada linha serve de apoio na elaboração da sua obra. Mas é importante lembrar que a execução de um empreendimento não é um exercício de matemática baseado apenas em números.

Mesmo que os itens da SINAPI estejam atualizados, é preciso considerar as particularidades do projeto e outras despesas que não constam na tabela, como transporte, gastos com licenças, seguros, instalações provisórias. Também devem ser observados fatores como as condições do terreno, o padrão de qualidade da construtora, a especialização necessária em determinados procedimentos.

Trabalhar em planilhas eletrônicas, com um volume tão grande de informações, invariavelmente levará sua empresa a não aproveitar todo o potencial desta tabela. Mas se você contar com um ERP confiável, realizar a atualização de Insumos e Grupos de Insumos será uma atividade relativamente fácil. É possível integrar as informações de Orçamento e Suprimentos, por exemplo, e adotar como novo Preço Orçado o menor Preço Realizado.

Conclusão

A Tabela SINAPI é uma poderosa ferramenta de apoio à gestão, mas seus dados não bastam para colocar uma obra em prática com o melhor custo-benefício possível. É preciso estar atento às especificidades do projeto e contar com outros serviços de apoio para gerenciar de forma mais assertiva as informações que a tabela oferece.

Com o Guia da Tabela Sinapi você entenderá melhor como utilizar a tabela e terá ferramentas de apoio disponíveis. É um material completo, indicado para gestores de obras, orçamentistas e engenheiros. Baixe agora!