Porcelanato – A diversidade do queridinho das construções

Marília Gaspar

Marília Gaspar

Arquiteta e urbanista com especialização em gestão de projetos e arquitetura e cidade. Professora e mestranda.

13 de abril

Temos, hoje, grande variedade de materiais de revestimento, como você pode conferir no nosso guia dos materiais de acabamento de obra ou no texto sobre os diferentes tipos de piso. Mas você já deve ter reparado que frequentemente os memoriais descritivos têm o porcelanato como material de acabamento para pisos e paredes.

Nesse artigo vamos entender a razão do porcelanato ter se tornado o queridinho do mercado da construção. Vamos conhecer a origem desse material e porque ele é considerado sinônimo de qualidade. Apresentaremos também a grande diversidade de produtos existentes no mercado para que você possa escolher o melhor tipo para a sua obra.

Breve histórico

O uso de revestimentos cerâmicos no Brasil tem origem com os colonizadores portugueses que os utilizavam largamente e trouxeram essa tradição. Posteriormente, seu uso se mostrou adequado ao nosso clima o que intensificou o emprego e fez com que se tornasse parte da história da nossa arquitetura.

Um exemplo são os “azulejos portugueses” que formam belos painéis nas edificações, conforme podemos ver na imagem abaixo.

Novos padrões de fachada podem ser simulados com uso de porcelanato
Figura 1: Museu de artes visuais de São Luís

Porcelanato – fama é sinônimo de qualidade

A NBR 13816 define placas cerâmicas para revestimento como: Material composto de argila e outras matérias-primas inorgânicas aplicadas no revestimento de pisos e paredes. Dentro dessa definição temos uma grande variedade de tipos, classificações e qualidades, entre elas o porcelanato.

O porcelanato possui uma formulação mais complexa, pois passa por uma queima diferenciada, com temperaturas superiores a 1,2 mil graus Celsius. Segundo definição da NBR 15463, é um tipo de placa cerâmica com baixa porosidade e alto desempenho técnico.

Essas características fazem com que o porcelanato seja a cerâmica com melhor performance. A boa fama pode ajudar a agregar valor à sua obra e aumentar o valor de venda do imóvel. Para isso, é importante conhecer as vantagens técnicas e as variedades.

Importância de uma boa especificação do porcelanato 

Se você é construtor deve estar se perguntando: Por que eu tenho que conhecer todas as variedades de porcelanato? Todos sabemos a importância de um orçamento preciso, e no caso do porcelanato, isso exige conhecer suas possíveis variações.

Como o custo de um porcelanato pode variar muito, de R$30,00 a R$200,00 o m², é importante conhecer os produtos disponíveis no mercado ao fazer o pré orçamento. Mesmo que não se tenha o modelo escolhido, somente dessa forma é possível estimar o custo real, de acordo com o previsto no projeto.

Além disso, é fundamental ficar de olho no cálculo da quantidade de material. Ninguém quer que o porcelanato acabe no meio da obra ou desperdiçar comprando a mais, não é mesmo? Além disso é importante observar as dicas para comprar materiais com preço menor.

Características técnicas do porcelanato 

Quanto à sua composição fundamental, os porcelanatos são divididos em esmaltados e técnicos. A placa esmaltada possui duas camadas distintas, o biscoito e o esmalte (superfície). Enquanto os revestimentos técnicos, ou massa única, se constituem de um corpo único.

Vamos entender um pouco sobre as duas principais características técnicas do porcelanato:

Taxa de absorção de água

O Manual setorial de desempenho da ANFACER classifica a cerâmica de acordo com a sua taxa absorção de água. A classificação é feita em seis categorias que vão da menor que 0,1% até a maior que 10%.

Por definição, o porcelanato esmaltado tem que ter uma absorção menor que 0,5% e o técnico menor que 0,1%. Percebemos, portanto, que o porcelanato possui as menores taxas de absorção de água dentre as cerâmicas.

Resistência à abrasão

Por possuírem estrutura homogênea e baixíssima porosidade os porcelanatos técnicos são as opções de maior resistência disponíveis no mercado. Podem suportar o tráfego intenso de indústrias, shopping centers ou estacionamentos.

Para saber a resistência ao desgaste superficial do esmalte provocado pelo atrito com objetos e o trânsito de pessoas são utilizadas escalas. A mais utilizada é a PEI (Porcelain Enamel Institute) que varia de 0 – não adequado para pisos –  a 5 – equivalente ao porcelanato técnico.

Algumas marcas não empregam a escala PEI por considerarem que seu uso é associado a cerâmicas convencionais. Elas apresentam um grupo de utilização ou classe de uso próprias. Ao comprar é importante observar as especificações da marca para o uso requerido.

Devido à baixa porosidade do porcelanato é necessário utilizar uma argamassa mais aderente, como a AC-III. É importante analisar também o local e o tamanho das peças a serem assentadas, dentre outros pontos que devem ser observados. 

Diversidade de porcelanato – características estéticas

Além da diferença quanto à composição entre porcelanato esmaltado e técnico, existem outras características que os diferenciam. São elas:

  • Acabamento da borda
  • Acabamento superficial 
  • Estampa 

Vamos entender um pouco essas classificações. 

Acabamento da borda

O acabamento da borda é um fator importante ao escolher porcelanato, pois faz toda a diferença no resultado final do seu acabamento. Ele pode ser retificado (borda reta) ou bold (borda plana). E quais seriam as vantagens e desvantagens deles? 

Retificado

O porcelanato retificado possui um corte mais preciso e permite um alinhamento maior entre os pisos e, com isso, usa uma junta de dilatação menor, de aproximadamente 1,5 mm. O efeito visual proporcionado por juntas menos marcadas, traz mais leveza, amplitude e elegância ao ambiente, o que só é atingido com esse material.

A tecnologia empregada no corte, com discos de diamante, faz com que o porcelanato retificado seja mais caro. Além disso, é necessária uma mão de obra qualificada para alinhar os pisos com precisão, o que é feito com a ajuda de espaçadores niveladores. Caso contrário não se atingirá o efeito visual desejado e poderá deixar uma quina viva.

Bold

É o acabamento mais comum, o mesmo das peças cerâmicas tradicionais, com um arredondamento da borda. Sua junta é de aproximadamente 3 mm, que pode variar de acordo com a especificação do fabricante. As suas vantagens são o preço de compra e a facilidade de instalação.

Importante ressaltar que o porcelanato técnico, normalmente, é retificado, portanto o acabamento bold é mais associado a porcelanatos esmaltados.

Acabamento superficial

Alguns porcelanatos técnicos apresentam como forma de acabamento o polimento mecânico que faz com que a superfície fique lisa e com brilho. Apesar de ser muito popular, o uso do porcelanato polido requer alguns cuidados, vamos a eles:

  1. Não é indicado para áreas externas, por possuir uma superfície muito lisa. Em contato com a chuva ele escorrega bastante. Outro fator é que por ter brilho, quando instalado em áreas sem cobertura, reflete a luz do sol e pode provocar ofuscamento.
  2. Deve ser aplicado com cautela em áreas molhadas como cozinhas e banheiros, devido a seu contato constante com a água. Ele não é indicado para dentro do box, mas caso se deseje um banheiro com acabamento polido uma opção é colocar um material da mesma cor e tamanho mas com acabamento normal dentro do box.
  3. É mais sensível a riscos provocados por calçados sujos e pelo arrastar de cadeiras. O material requer mais cuidado para manter a sua beleza e pode se desgastar precocemente, o que faz com que ele não seja indicado para apartamentos de aluguel, por exemplo.

Os porcelanatos que não recebem polimento possuem acabamento “normal” e são caracterizados pelo visual fosco e por uma superfície um pouco mais áspera.

Estampas

Enquanto os porcelanatos técnicos têm uma limitação de cores e estampas por serem feitos de uma massa única, o esmaltado possui grande variedade. Vamos ver um pouco sobre elas:

Amadeirado

Sem dúvida, o porcelanato que imita madeira é um dos preferidos no Brasil. Eles são muito bem feitos, Quem nunca se perguntou se aquele acabamento era madeira de verdade ou porcelanato? Comente com a gente qual o material do piso da imagem abaixo.

O porcelanato apresenta acabamentos variados, como o amadeirado
Figura 2: Madeira natural ou porcelanato?

Sua aceitação no mercado se deve a vários fatores como a facilidade de limpeza e manutenção. Assim como os outros porcelanatos, ele pode ser lavado e não precisa ser encerado ou resinado. Por ser um piso frio, diferentemente da madeira, ele se adapta melhor ao nosso clima tropical. Outras vantagens são: é mais ecológico e barato.

Ladrilho hidráulico 

Ladrilho hidráulico é um revestimento feito a base de cimento e produzido artesanalmente. Eles ficaram conhecidos por suas cores e formação de mosaicos que podem ser únicos. Observe a imagem abaixo. 

O porcelanato pode simular o ladrilho hidráulico
Figura 3: Piso da Igreja do Rosário e São Benedito em Cuiabá

A desvantagem do ladrilho hidráulico é que a sua superfície é muito porosa, o que torna sua manutenção difícil. Com o uso ele costuma encardir. O porcelanato, que resgata a estética deste ladrilho, além de solucionar esse problema trouxe de volta a moda dos hidráulicos, principalmente para acabamento mais rústicos.

Papel de parede

O porcelanato que parece com papel de parede com diferentes estampas também caiu no gosto das pessoas. Sua vantagem é que pode ser aplicado em todos os lugares. Quem diria que poderíamos ter um box com estampas florais, por exemplo?

3D

O porcelanato 3D é a o mais recente. Como o próprio nome já diz, possui pequenos volumes que saem da peça, formando desenhos geométricos. Ele é muito utilizado para detalhes de fachadas e paredes de escritórios, cozinhas e banheiros.  Conferem um charme todo especial ao ambiente.

Conclusão

O uso de porcelanato pode agregar valor à sua obra, pois proporcionam sofisticação e seu alto desempenho pode diminuir o custo de manutenção e prolongar a durabilidade.

Como todo material, é importante assegurar a qualidade do porcelanato que vai ser empregado na obra. O Brasil foi o primeiro país do mundo a desenvolver uma norma para porcelanato, a ABNT NBR 15463 que estabelece os critérios do produto, como os de absorção e resistência à abrasão apresentados acima.

A Anfacer (Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Eevestimentos, louças sanitárias e congêneres) disponibiliza ensaios técnicos para o porcelanato. Ela também criou o Selo da Qualidade para Porcelanato que certifica os produtos que atendem aos requisitos da norma, o que facilita a vida do consumidor.

Já que optamos pelo uso do porcelanato por sua qualidade, é sempre bom assegurá-la procurando produtos certificados, não é mesmo?

Você já conhecia toda essa diversidade de opções de tipos de porcelanato? Arquitetos costumam especificar muito esse material por causa de sua versatilidade. Conte pra gente sua experiência com ele depois de curtir o post.