banner sienge

Saiba como calcular material de construção na prática

18 de outubro de 2017

Você deve saber tão bem quanto eu, em uma obra, comprar material de construção a mais é tão ruim quanto comprar em quantidade insuficiente. Além de ser imprescindível para o orçamento, é importante saber como calcular material de construção por dois motivos principais.

E tenho certeza de que você vai gostar dos benefícios que vou te apresentar:

Primeiro, para evitar desembolsos e, consequentemente, desperdícios, desnecessários. Depois, porque a falta de material pode deixar sua obra parada. Pior do que isso, você corre o risco de, em caso de falta, não encontrar mais do produto que precisa.

Isso é especialmente preocupante quando se tratam de materiais de acabamento. Afinal, no caso de revestimentos cerâmicos, por exemplo, a tonalidade pode variar de lote para lote. Já pensou ter um banheiro ou cozinha em que é nítida a diferença entre as cores? Você certamente enfrentaria problemas com o cliente da sua construtora.

É para evitar problemas como esse que você precisa saber como calcular material de construção corretamente.

E é justamente disso que vamos tratar nos próximos parágrafos!

Você vai aprender a calcular passo a passo as quantidades de diversos materiais comuns em canteiros de obras! Ao aplicar as dicas desse post você nunca mais vai ter problemas com quantidades de materiais!

Confira!

A importância do levantamento quantitativo

Como calcular materiais de construção é uma das etapas do levantamento quantitativo, podemos dizer que é uma tarefa determinante para o orçamento da obra. É que o ponto de partida do levantamento qualitativo é a análise detalhada de todos os projetos da obra. E nessa etapa é quando são observadas as especificações técnicas feitas pelos projetistas.

Isso inclui, é claro, os materiais a serem utilizados na construção.

É também o levantamento quantitativo que determina quais e quantos equipamentos, máquinas e operários serão demandados. Os custos indiretos da obra também fazem parte desta importante documentação.

O levantamento de quantitativos é ainda mais importante no caso de licitações e contratos da administração pública. Isso porque a lei 8.666, a chamada lei das licitações, estabelece que os quantitativos de uma obra, deverão ser fornecidos pelo contratante. O objetivo final é promover a absoluta igualdade de condições entre os participantes da concorrência em questão.

Sobre Obras e Serviços, veja o que diz a Lei de Licitações:

“É vedada, ainda, a inclusão, no objeto da licitação, de fornecimento de materiais e serviços sem previsão de quantidades ou cujos quantitativos não correspondam às previsões reais do projeto básico ou executivo.”

Com tudo isso, você deve estar imaginando que dá um trabalho enorme fazer o levantamento quantitativo de cada projeto?

A boa notícia é que o levantamento quantitativo de materiais de construção pode ser totalmente feito com uso de sistemas informatizados. Nesse caso, entram em cena tecnologias como o CAD e o BIM, por exemplo. A economia de tempo pode chegar a mais de 80% na maioria dos casos.

Além de economizar muito tempo, esse tipo de solução acaba por proporcionar informações muito mais precisas. O resultado? Economias que podem chegar a 20% para a sua construtora.

Confira como calcular material de construção na prática

De um modo geral, há estimativas que permitem saber aproximadamente qual será o consumo de cada material. São valores médios baseados no consumo de obras genéricas. Esses dados servem apenas como referência inicial e em hipótese alguma devem ser usados para gerar pedidos.

A premissa básica para acertar a mão em como calcular material de construção é seguir as orientações expressas por projetistas e arquitetos. São esses profissionais que informam, em seus projetos, as dimensões da edificação. Logo, é com base nesses documentos que você vai calcular todas as quantidades de materiais de construção a serem comprados.

Em geral, todos os materiais de construção são calculados partindo do princípio da área a ser construída. Ou seja, independente do material, é preciso calcular o tamanho de paredes a serem construídas, áreas a serem pintadas ou revestidas, elementos estruturais, dentre outros.

Na prática, isso significa que a quantidade de material é determinada pela relação entre as dimensões do produto e a área a ser construída. No caso de tintas, o fator determinante é a capacidade de cobrimento e a quantidade de demãos necessárias para o acabamento.

Outro ponto recorrente nas orientações sobre como calcular material de construção diz respeito ao desperdício. Ou seja, à quantidade de material adicional que precisa ser adquirida para compensar eventuais perdas. Isso porque uma parte do material acaba se estragando devido a problemas no transporte ou erros na execução. No caso de revestimentos cerâmicos, por exemplo, é preciso considerar os recortes para cantos.

Uma margem de segurança usualmente adotada é de 10% além do que seria efetivamente necessário. Esse índice é válido para itens como blocos de alvenaria, revestimentos e argamassas, por exemplo. O ideal, no entanto, é sempre verificar quais são as orientações de cada fabricante para determinar a margem de segurança adequada.

Confira alguns exemplos de como calcular material de construção:

Parede de alvenaria

Se você precisa saber como calcular material de construção para construir uma parede de alvenaria, precisa primeiro determinar a área. Nesse caso, multiplique o comprimento pela altura. Definida a área a ser construída, verifique as dimensões do bloco especificado pelo projetista e o tamanho das juntas horizontais e verticais.

Para esse cálculo, é recomendável considerar um acréscimo de entre 5 e 10% nas quantidades.

A quantidade de blocos por metro quadrado é determinada pela fórmula: Blocos (B) = 1 / (b1 + e) x (b2 + e). Considere que:

  • b1 = comprimento do bloco
  • b2 = altura do bloco
  • b3 = espessura do bloco
  • e = espessura das juntas entre os blocos

O volume de argamassa é determinado pela seguinte fórmula:

  • Volume de argamassa (V) = [1 – (B x (b1 x b2))] x b3

Atente para o fato que o cálculo resulta em valores em metros cúbicos. Como argamassas industrializadas são vendidas por peso, é preciso converter as unidades. Isso é feito por meio da multiplicação do volume de argamassa por 1 m³, que equivale a 1.000.000 cm³.

Depois, basta multiplicar o valor obtido pela massa específica da argamassa apresentado pelo fabricante.

Para simples referência, confira alguns consumos médios de cada tipo de tijolo:

  • Bloco de concreto: 9x19x39 cm / 14x19x39cm = 12,5 unidades por m²;
  • Bloco cerâmico em pé em parede com 10cm de largura = 23 unidades por m²;
  • Bloco cerâmico deitado em parede com 20cm de largura = 46 unidades por m²;
  • Tijolo comum em parede com 10cm de largura = 92 unidades por m²;
  • Tijolo comum em parede com 20cm de largura = 184 unidades por m².

Tinta

Mais uma vez, o passo inicial é determinar as dimensões da superfície a ser pintada. Para tanto, multiplique a altura pelo comprimento. Lembre-se, no entanto, de descontar a área ocupada por portas e janelas. Afinal, nesses espaços não será consumida tinta. O valor final obtido deve ser multiplicado pela quantidade de mãos recomendada pelo fabricante da tinta.

É também junto ao fabricante – em geral, na embalagem – que você vai encontrar informações sobre o rendimento da tinta. Em resumo, quantos metros quadrados cada litro de tinta é capaz de cobrir. Com essa informação, basta dividir um valor pelo outro para saber quanto de tinta será necessário para pintar cada ambiente.

É normal o rendimento do produto variar de acordo não apenas com a marca, mas também com o tipo de tinta.

Sabia que o rendimento é diferente para tintas látex, PVA, acrílicas etc.?

Pois é! Varia bastante! Além disso, a situação do substrato também influencia. Mais porosidade geralmente resulta em maior consumo. Para esse tipo de situação e para eventuais retoques, é recomendável considerar de 5 a 10% a mais de material.

Na maioria dos casos, especialmente quando se trata de materiais de boa qualidade, galões  de 3,6l são suficientes para 18m². Logicamente, latas de 18l cobrem 90m². Ao optar por tintas com cores especiais, com fórmula personalizada, a atenção deve ser redobrada. Dificilmente os fornecedores conseguem chegar exatamente ao mesmo tom em novas misturas.

Impermeabilização

O primeiro passo é, mais uma vez, medir a área total do elemento a ser impermeabilizado.

É importante considerar todas as superfícies.

Considerando o uso de argamassa polimérica para impermeabilização de fundações, por exemplo, veja quais são as orientações do fabricante. Esse é sempre o primeiro passo!

Daí, determine a espessura da camada de impermeabilização para obter o volume de argamassa a ser consumido por metro quadrado. São esses valores que permitem saber como calcular material de construção para impermeabilização.

O passo seguinte é multiplicar a área pela espessura do revestimento. Em seguida, converter o valor para litros. Por fim, multiplicar pela área total.

Sabendo o consumo final de argamassa pronta, é preciso decompor a conta para chegar ao consumo de cada componente. Ou seja, o consumo de areia, cimento e aditivo. Para isso, você precisa ter acesso ao traço da argamassa especificada pelo projetista e aplicar as proporções necessárias. Não esqueça de converter as unidades!

Cimento e areia

Por falar em cimento, o cálculo do consumo desse material depende da proporção dele no traço. Para simplificar o exemplo, vamos considerar uma relação de uma parte de cimento para três de areia. Considerando 20 l de areia, teremos 6,66 l de cimento por m². Numa obra em que serão construídos 40 m², o consumo final de cimento será de 266,4 l. Entretanto, o cimento é comercializado por kg e não por litro. Logo, é preciso converter.

Os fabricantes indicam qual o volume de cada saco. Considerando que seja de 40 l a cada 50 kg, basta dividir o valor total em litros por 40 para obter a quantidade de sacos de cimento a serem comprados.

Ou seja, 266,4 / 40 = 6,66. Para essa obra serão necessários 7 sacos de cimento.

No caso da areia, serão consumidos 20 l x 40 m² = 800 l. Convertendo para m³, que é a unidade de medida para venda da areia, serão 0,8 m³ de areia.

Pisos e revestimentos

Após determinar a área da superfície a ser revestida, consulte a embalagem ou o site do fabricante para saber o rendimento de cada caixa. Ao dividir um número pelo outro, você vai quanto vai precisar comprar.

Uma dica importante sobre como calcular material de construção para pisos e revestimentos diz respeito às dimensões das peças. Quanto maior, maior a perda com recortes para os cantos.

Então, como fazer?

A orientação geral diz que, para peças com medidas de até 15 cm, a margem de segurança é de 5%. Peças com 30 cm ou mais exigem acréscimo de 10%.

Ah, e não se esqueça, ainda, de considerar a área dos rejuntes. Quanto maior a área a ser revestida, maior a influência das juntas no consumo final.

Telhas de barro

O cálculo da área a ser coberta deve considerar os beirais e o fator de correção referente à inclinação. Além disso, uma margem de segurança de 5%.

tabela cálculo de materiais para obras

Tabela dos fatores de correção (FC) correspondente às inclinações da arquiteta Luciana Paixão

Ao multiplicar a área em planta pelo fator de correção você vai encontrar a área inclinada. O passo seguinte é multiplicar esse valor pelo consumo da telha a ser usada. É o momento de consultar o catálogo de produtos.

Caso o consumo seja, por exemplo, de 16 telhas por metro quadrado, é preciso multiplicar a área por 16. O resultado deve ser acrescido de 5%.

Caixa d’água

A capacidade do reservatório de água de uma edificação depende da quantidade de pessoas que a ocupam e da sua finalidade de uso. É o que determina a NBR 5626. Para residências unifamiliares, é usual adotar um volume de 150 l de água por pessoa por dia. Para apartamentos, devido à pressão, a referência são 200 l diários por pessoa.

O mínimo recomendável é que o reservatório supra as necessidades de um dia. Logo, se a obra é uma residência para cinco pessoas, o reservatório precisa ter, pelo menos, 750 litros de capacidade. Lembre-se que, quanto maior o volume, maior a carga sobre a laje. Por isso, em alguns casos pode ser interessante dividir o armazenamento em reservatórios menores.

Conclusão

Viu como calcular material de construção não é tão complicado!

O melhor de tudo é que, ao saber como calcular material de construção para sua obra você aumenta a precisão do seu planejamento. Com isso, reduz desperdícios que impactam não apenas seu lucro no momento da compra, mas também ao descartar o que não foi consumido. Além disso, controla a produtividade da sua equipe e contribui com a preservação do meio ambiente.

O que você achou desse conteúdo? Comente aqui caso ele tenha sido útil para você! Compartilhe com seus amigos!

Bruno Loturco

  • Jornalista
  • 15 anos de experiência em produção de conteúdo para o mercado imobiliário e o setor de construção civil
 

  • Existem alguns Softwares de arquitetura, principalmente o Revit, pelo nível de detalhamento, que ajudam bastante para evitar que haja desperdícios em obra. Excelente artigo.
    https://arqonlinecursos.com.br

  • Gleison Batista Alves

    Excelente publicação, o desperdício de materiais deve ser uma preocupação inerente do planejamento e execução de obras de construção civil.
    http://www.concregeo.com.br/

Saiba como o Sienge pode ajudar a sua empresa