Indústria da construção: como está o cenário e quais os impactos da pandemia

Paula Lunardelli

Paula Lunardelli

Engenheira civil, especialista em gestão de negócios imobiliários e trabalha há 15 anos com planejamento e gestão de obras. Paula é CEO da Prevision, empresa especializada no desenvolvimento de tecnologias para gestão eficiente de obras. Tem o propósito claro de impactar o país através do desenvolvimento sustentável e, dessa forma, também dirige a Vertical Construtech, da ACATE.

31 de maio 2021

Compartilhe

A indústria da construção civil foi uma das mais afetadas pela pandemia. Os principais impactos foram com relação à paralisação das obras, redução das jornadas de trabalho, bloqueios na exportação e alta do dólar. 

Todos esses fatores têm impedido as empresas de darem andamento às obras, seja pela falta de mão de obra ou de insumos. Inicialmente, o cenário foi mais preocupante, principalmente para as empresas que não estavam preparadas para lidar com os impactos financeiros e com o isolamento social. 

Mais de um ano depois que a pandemia começou, no entanto, a indústria da construção civil conseguiu se recuperar e voltar a trabalhar.

a indústria da construção civil conseguiu se recuperar e voltar a trabalhar

Neste artigo, você vai entender melhor como está o cenário da indústria da construção, os impactos que a pandemia está causando no setor e que tipo de recursos têm contribuído para essa retomada.

Os impactos da pandemia na indústria da construção civil

O primeiro e maior impacto da pandemia na construção civil foi o isolamento social e as medidas que determinaram o funcionamento apenas de serviços essenciais, como supermercados, farmácias e padarias. Uma delas, a de distanciamento de pelo menos dois metros, impediu que as empresas mantivessem suas equipes trabalhando nos escritórios.

Inicialmente, muitas empresas tiveram que parar suas atividades até organizar o novo modelo de trabalho. As mais afetadas foram as construtoras e incorporadoras que não tinham processos digitalizados e ainda realizavam muitas atividades manuais, como controle por meio de Excel e documentação física, por exemplo.

As atividades no canteiro de obras também foram prejudicadas, pois sem a atuação do escritório, engenheiros e gestor de obras, não é possível conduzir o serviço. Dessa forma, diversas obras ficaram paralisadas por vários dias seguidos.

Em algumas regiões, que adotaram medidas mais rígidas ou apresentaram cenários de contaminação mais críticos, as obras chegaram a permanecer paradas por meses

Em algumas regiões, as obras chegaram a permanecer paradas por meses.

Esses problemas não ocorrem apenas devido às medidas de isolamento no país. O mundo inteiro sofreu com as consequências, principalmente o setor de exportações. A falta de insumos fez com que o preço de diversas matérias-primas, como vidro, alumínio, cobre etc. ficassem mais caras e os prazos de entrega mais lentos.

Além disso, a baixa produção e a alta demanda, somadas à desvalorização do real encareceu os materiais. 

Esse cenário de imprevisibilidade fez com que muitas empresas não conseguissem trabalhar de forma planejada. Assim, o replanejamento se tornou uma atividade mais recorrente do que o normal, mas a falta de ferramentas certas e tecnológicas também impediu as empresas de se organizarem corretamente.

Por que as empresas da indústria da construção estão fazendo mais replanejamento?

O cenário que estamos vivendo dificulta a realização de planejamentos a longo prazo pelas construtoras. Mesmo os projetos iniciados antes foram impactados e precisaram ser revisitados a cada novo anúncio de medidas e protocolos de saúde, por exemplo.

As empresas que conseguiram se organizar no início da pandemia, adotando novas tecnologias, estão garantindo que algumas atividades continuem sendo realizadas remotamente. No entanto, outros serviços ainda dependem de fatores externos, como os que citamos no tópico anterior: exportação, recebimento dos materiais etc.

É nesse ponto que as empresas estão tendo que se replanejar mais vezes do que o normal. Isso porque primeiro é preciso pensar nos insumos necessários para a obra no curto prazo, pois uma nova medida de isolamento pode impactar todo o trabalho.

As empresas precisam replanejar suas atividades de acordo com as entregas e, principalmente, de acordo com aquelas que não foram feitas. Conforme a obra vai avançando e os desafios aparecem, o engenheiro precisa ter a facilidade e a agilidade de replanejar as entregas e as novas tarefas.

Em situações como essa, ter uma ferramenta que permite replanejar a obra em pouco tempo é fundamental para não impactar ainda mais o processo.

Como a Prevision ajuda no replanejamento da sua obra?

A Prevision desenvolve um software para planejamento e gestão eficiente de obras que entrega isso e muito mais. Dentro da plataforma, você consegue planejar e criar o cronograma da obra com mais agilidade do que em outros processos que usam ferramentas como Excel e MS Project, por exemplo. Com a Prevision, você reduz o tempo de planejamento para, no máximo, uma hora.

Além disso, é possível usar a plataforma no controle da obra e no replanejamento. Nesse segundo caso, a atividade é realizada automaticamente pelo sistema, em poucos minutos, porque a Prevision utiliza a técnica da Linha de Balanço

A técnica, utilizada no planejamento e no controle de prazos, organiza e planeja os locais da obra no tempo, diferentemente daquelas que o fazem por serviço ou lugar. Com a definição do planejamento por tempo, a cada alteração ou impacto na entrega de um serviço, o sistema faz o replanejamento da entrega que dependia daquela primeira atividade.

Isso proporciona uma visualização mais simples, direta e eficiente dos impactos e atrasos que o projeto sofrerá, seja no dia, na semana, no mês ou em todo o período. Além disso, com a Linha de Balanço, o gestor consegue visualizar todas as falhas do cronograma e corrigi-las rapidamente, fazendo o balanceamento das linhas.

Prevision ajuda no replanejamento de obras da indústria da construção

Como o sistema da Prevision é integrado e recolhe informações de outras áreas, como o controle de obras, as atualizações sobre o projeto são geradas a cada minuto. O gestor sempre terá informações sobre o projeto e o replanejamento será feito continuamente a cada momento que uma nova interferência acontecer.

Vantagens

Mas isso não é tudo. A Prevision entrega outras vantagens para os clientes da indústria da construção, como: 

  • Ferramenta para medição de obras: que permite ao engenheiro medir e atualizar as informações da obra pelo celular ou tablet, fazendo o acompanhamento em tempo real;
  • Dashboard de informações: as informações das obras são consolidadas em gráficos, que mostram indicadores em tempo real e também podem ser acessados pelo app;
  • Integração com outros sistemas: as informações da plataforma podem ser conectadas por meio de API, mantendo o planejamento atualizado em todas as ferramentas.

Com esses benefícios, além de ter uma visão mais objetiva e clara da obra e do que foi planejado, a empresa consegue saber exatamente quando serão as entregas e até reduzir os prazos, mesmo em um cenário de pandemia.

A Joal Teitelbaum é um exemplo de como isso é possível.

Como reduzir o cronograma de obras durante a pandemia

No início da pandemia, um decreto municipal paralisou as atividades da indústria da construção em Porto Alegre por causa de um Decreto Municipal. Sem poder seguir com as obras, a Joal Teitelbaum aproveitou o tempo para melhorar seus processos internos. Uma dessas melhorias foi implementar a plataforma da Prevision em dois projetos que estavam em andamento.

De forma alinhada ao treinamento aplicado pela Prevision, a equipe da Joal engajou-se na criação de um novo fluxo de planejamento para os dois projetos. 

A equipe estabelecimento um fluxo nivelado, puxado e estabilizado, orientado conforme o processo construtivo dos empreendimentos. Definiu a capacidade do sistema, submetendo o planejamento aos gargalos que foram identificados previamente e estabeleceu quais seriam as medidas para contornar esses problemas. 

O resultado foi a redução de 18% no cronograma das obras, sendo seis meses e meio dentro dos 36 meses definidos inicialmente.

Dessa forma, a empresa conseguiu reduzir dois meses e meio totais do período de pausa da pandemia, recuperados com o replanejamento, e mais quatro meses.

Se você quer saber mais sobre o processo da Joal Teitelbaum, confira o case de sucesso completo.

Compartilhe