Automação de processos na construção civil: o caminho das pedras

Gledson Silveira Neves

Gledson Silveira Neves

Experiência de 30 anos em gestão de pessoas, liderando processos de direção de unidade de negócios, gerenciando projetos e gerindo atividades de vendas de serviços complexas. Atualmente, é CEO da 2G Soluções em TI.

29 de setembro 2021

Compartilhe

Como será o amanhã da automação de processos na construção civil? Ou será que já estamos lá?

O mercado de construção civil está cada vez mais profissional e competitivo. As empresas envolvidas têm o desafio de atender a várias novas mudanças em função de novas legislações, regulamentos e normas e principalmente das necessidades dos clientes.

O setor das empresas de incorporação e construção têm o grande desafio pela frente que é a concepção, execução e entrega de um ou mais empreendimento.

Esse desafio se divide em várias subatividades muito complexas e distintas que são a incorporação, o projeto, a comercialização e venda, a construção e o financiamento total ou parcial dos empreendimentos.

Qual o receio dos investidores e incorporadores?

Como se não bastasse todo esse desafio, os investidores e incorporadores sentem o receio de delegar às construtoras a responsabilidade de definir, especificar, detalhar e executar o empreendimento.

Isso porque, os objetivos e a responsabilidade de incorporação, execução do projeto e a comercialização se diferenciam dos objetivos e responsabilidade dos construtores. Que por sua vez, necessitam garantir a margem de seu próprio negócio e a qualidade de seus serviços e produtos.

Como disse um meu cliente certa vez: “Marcelo, fazer e entregar um empreendimento é como levantarmos e pousarmos um AIRBUS A380” (ver figura 1).

O que nos conforta é a existência de conceitos, métodos, ferramentas, softwares de gestão e principalmente muita tecnologia da informação que nos ajudam a toda hora nesse desafio de levantar e pousar o AIRBUS.

automação de processos na construção civil
figura 1

 

Quais das dores sentidas pelas empresas envolvidas no processo de construção?

Em meio aos receios e conflitos, temos várias dores sentidas por todos os envolvidos:

  • Necessidade de recursos financeiros
  • Aumentar as vendas
  • Gerar caixa positivo
  • Reduzir custos
  • Necessidade de crescimento
  • Reduzir os riscos
  • Estruturar ou reestruturar a gestão, controle e governança
  • Usar a tecnologia da informação.

E para complicar mais ainda essas dores, existe a concorrência que não para de buscar os melhores clientes. E para essa busca dos melhores clientes, a concorrência não para de melhorar suas estratégias, produtos e serviços e a famosa margem de lucro. Por isso ressalto algumas perguntas:

  1. A quantas andas nossa capacidade de governança e gestão?
  2. Como usar adequadamente todos os recursos que se tem de forma a não tornar mais difícil o desafio?
  3. Como mitigamos os riscos que corremos nesse caminho?
  4. Qual o momento a se fazer esse movimento de transformação e melhoria?

Em minha opinião é a toda hora e de preferência quando o céu está de brigadeiro, sem tormentas à vista. É sobre isso que falo nesse texto.

Na implantação e uso da tecnologia de gestão são necessários o uso de diversos recursos, como:

  • Conceitos
  • Métodos
  • Ferramentas
  • Softwares

Qual seria então o caminho das pedras para uma boa implantação dessa tecnologia, ferramentas e softwares de gestão para empreendimentos imobiliários?

A minha sugestão é a de que precisamos fatiar essa questão.

Preparei a figura 2 que mostra essas fatias, baseadas nos processos e gestão, pessoas e tecnologias de informatização e automação dos processos, que comento a seguir:

automação de processos na construção civil
figura 2

 

O primeiro passo a se dar será conhecer as estratégias, objetivos e metas empresariais. Para isso, o melhor é termos ajuda de consultores e assessores internos ou externos.

A liderança e equipe da empresa deve parar por um momento e refletir sobre a empresa e mercado em que está inserida.

Assim definindo estratégias, objetivos e metas e não se esquecendo de entender a fundo como os receios e conflitos citados anteriormente influenciam a dinâmica da gestão de uma empresa de incorporação e construção de empreendimentos.

  • As dimensões do processo

É entendendo cada uma das dimensões (incorporação, concepção, projeto, comercialização, venda e o financiamento dos empreendimentos) e o quanto elas se complementam e se divergem.

Quando falo em complementos até que são bem-vindos, o problema é com as divergências, elas são discretas e desagregadoras e influenciam em toda o processo, desde a concepção até a entrega final do empreendimento.

Ainda no núcleo do empreendimento, temos a função de liderança que será fundamental em todo o processo. Não adianta levantarmos um conjunto de estratégias, objetivos e metas e não fazer cumprir a todas.

Entra em campo então, o que precisamos em todas as formas de empresas e organizações que é a liderança. O líder será o farol para o cumprimento das estratégias, objetivos e metas para com a empresa e seus empreendimentos.

  • O segundo passo

Analisado o núcleo do problema pela estratégia e liderança, agora o segundo passo, processos e gestão, está baseado na necessidade de cumprirmos o que foi contratado. Não se implanta o processo de planejamento, orçamento e controle de empreendimentos sem o conhecimento de quais os processos necessários e de como eles funcionam.

No mundo dos empreendimentos, não há forma diferente de cumprir o contratado sem fazermos um planejamento do que vai ser feito e acompanharmos a realização até a entrega do empreendimento.

Começamos então pela análise, desenho ou mapeamento dos processos e seus fluxos existentes e respectiva gestão da empresa. Essa análise tem duas etapas que denominamos: a primeira, a de “entendimento”, ou seja, entendermos o que está rolando a que chamamos de “as is” (como é feito) e a segunda será o “to be” ou “como deve ser feito”.

Com os fluxos de “as is” e “to be” em mãos, poderemos precisar mais as necessidades de melhorias para todos os processos e iniciarmos a descrição dos processos definitivos para a empresa.

Após a descrição do mapa da mina, definiremos os objetivos e indicadores para as áreas/processos, tais como: margem, custo, tempo incorrido, qualidade, sobre SSO – Segurança e Saúde Ocupacional, sobre MA – Meio Ambiente, e sobre os diversos stakeholders.

A gestão das áreas/processos de incorporação, concepção, projeto, comercialização, venda, construção e o financiamento ficam então bastante facilitadas com as estratégias, objetivos, metas e o como deve ser feito. Possibilitando o acompanhamento e controle eficaz dos resultados contratados e planejados.

  • O terceiro passo

O terceiro passo para a implantação da tecnologia para automação dos processos na construção civil, são as pessoas.

Como temos que integrar diferentes métodos, negócios, ferramentas em diversos processos e contexto, as pessoas passam a ser mais um ponto de atenção e dependência de sucesso nesse desafio.

Elas devem ser escolhidas com muita atenção pois precisam de possuir características principais como:

  • O alinhamento à cultura
  • Entender do negócio
  • Dominar a tecnologia da informação
  • Conhecer os métodos e ferramentas de planejamento, orçamento e controle

A informatização ou automação do processo

É por último a identificação e escolha da tecnologia para a automação (informatização) dos processos.

Nessa etapa, temos que fazer algumas considerações pois o setor de construção civil não apresenta simpatias com a implantação de tecnologias e de softwares (ver figura 3)

automação de processos na construção civil
figura 3

 

Como vemos por essa pesquisa da MCKinsey, o setor de construção é o mais refratário às tecnologias das mais diversas formas. Temos as mais diversas ofertas em softwares e equipamentos digitais ultramodernos tecnologicamente e capazes de acrescentar em muito na produtividade e qualidade para a construção civil.

Como fazer?

Temos que ter paciência e estudarmos caso a caso cada solução. Os softwares para a construção civil são vários! Por exemplo:

  • Prefira os softwares ERPs e verticais;
  • Os módulos de planejamento, acompanhamento e controle devem ser integrados ao ERPs;
  • Temos vários aplicativos que nos auxiliam no CQ – Controle de Qualidade e que são facilmente implantados e operados;
  • A tecnologia de elaboração de checklist deverá ser integrada com o CQ – Controle de Qualidade;
  • Os softwares de execução de projetos já estão trabalhando com os conceitos de BIM;

Finalizando este conteúdo, preciso apresentar mais alguns conselhos para com a implementação e acompanhamento e por que não sucesso do projeto de melhoria:

  • Tomada de consciência inicial da necessidade de melhoria;
  • Deve haver consenso na diretoria sobre a necessidade do projeto;
  • A contratação de consultores experientes é fundamental;
  • Deve haver um líder para conduzir o projeto;
  • O planejamento e acompanhamento e auditorias devem ser constantes;
  • A mudança deve ser implantada em sintonia com a realidade.

Seguindo esses passos a chance de sucesso é certa!

 

Coautor: 

   Marcelo Ribeiro de Godoi – Consultor, Mentor, Conselheiro e Palestrante. CEO da MGODOI Serviços Ltda.

Leia mais!
Automação de processos: como otimizar sua gestão empresarial?
Tudo o que você precisa saber sobre automação de processos
5 ações que vão te colocar na rota da automação de processos

Compartilhe