Valor do metro quadrado na construção civil em 2024: dados e tendências

Gabriela Torres

Escrito por Gabriela Torres

6 de março 2023| 8 min. de leitura

Compartilhe
Valor do metro quadrado na construção civil em 2024: dados e tendências

*Conteúdo atualizado em 14/02/2024*

O valor do metro quadrado na construção civil em 2024 é um indicador indispensável para as construtoras. A inflação dos materiais e processos construtivos interfere na eficiência dessas empresas, na viabilidade econômica de novos projetos e no preço final dos empreendimentos.

O orçamento, afinal de contas, é parte fundamental no equilíbrio econômico-financeiro dos projetos. 

Se, por um lado, os clientes finais dos empreendimentos imobiliários estão preocupados com o valor que estão pagando pelo metro quadrado, as construtoras precisam estar atentas aos custos associados a cada metro quadrado no processo de construção.

Para te ajudar com essa avaliação, preparamos um especial sobre o valor do metro quadrado na construção civil em 2024. Veja a seguir os itens que estão influenciando os custos e as tendências para a inflação no setor. 

Custo do metro quadrado de construção

O custo do metro quadrado na construção civil é calculado pelo Sistema Nacional de Pesquisa e Índices da Construção Civil (SINAPI), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em parceria com a Caixa Econômica Federal.

Assim, os dados levantados têm abrangência nacional e podem ser filtrados por região.

O IBGE também leva em conta fatores como qual o padrão da construção (alto, normal, baixo e mínimo), além do tipo de projeto (casa residencial normal, casa popular, prédio residencial ou prédio comercial, por exemplo). 

Qual o valor do metro quadrado na construção civil em 2024

O dado mais recente do Sinapi é referente ao mês de janeiro de 2024. Segundo o levantamento, o valor do metro quadrado na construção civil é de R$ 1.725,52.

O ano de 2023 se encerrou com esse valor em R$ 1.722,19. Isso significa que, no acumulado de 2024, o custo médio do metro quadrado aumentou em R$ 3,33, ou aproximadamente 0,19%.

A nível de comparação, o teto da meta do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) – que mede a inflação geral da economia brasileira – para 2024 é de 4,50%. Esse valor é definido anualmente pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Isso quer dizer que o aumento do custo de construção do metro quadrado em 2024 ainda está abaixo da meta de inflação (o centro da meta é 3%).

Comparação com 2022

Em janeiro de 2023, o valor do metro quadrado na construção civil era de R$ 1.684,45, na média nacional. Ou seja, de lá pra cá, este custo subiu R$ 41,07.

Levando em conta o acumulado de 12 meses nos aumentos de custos, a inflação do metro quadrado na construção civil foi de cerca de 2,43%. A título de referência, o IPCA registrou 4,51% de inflação no mesmo período.

Custos regionais do metro quadrado

Como explicamos, o custo do metro quadrado para a construção varia conforme o recorte geográfico. Este valor será mais alto ou mais baixo a depender dos custos locais. 

Essas são as médias para as regiões brasileiras, conforme os dados mais recentes, por ordem decrescente:

  • Sul: R$ 1.843,86
  • Norte: R$ 1.782,91
  • Sudeste: R$ 1.763,58
  • Centro-Oeste: R$ 1.755,14
  • Nordeste: R$ 1.606,98

O estado com o metro quadrado mais caro é Santa Catarina (R$ 1.985,70). Por outro lado, o metro quadrado com menor custo está no estado de Sergipe (R$ 1.542,08). 

A tabela completa, com os dados de todos os estados, está disponível no site do Sinapi.

Componentes do custo de metro quadrado de construção

O custo do metro quadrado é dividido em dois fatores: mão de obra e materiais. No levantamento mais recente, os valores estão distribuídos da seguinte forma:

  • Materiais: R$ 1003,26
  • Mão de obra: R$ 722,26

Maiores aumentos

O Índice Nacional do Custo da Construção (INCC), produzido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), esmiúça quais são os principais culpados pelo aumento no valor do metro quadrado na construção civil em 2024.

Segundo a FGV, os itens do orçamento que mais contribuíram positivamente para a variação do índice no último mês foram:

  • Condutores elétricos (+3,42%)
  • Armador ou ferreiro (+0,69%)
  • Encarregado (+0,73%)
  • Pedreiro (+0,21%)
  • Bombeiro (+0,51%)

Já os itens que ajudaram a segurar o aumento do índice no último mês foram:

  • Vergalhões e arames de aço ao carbono (-2,89%)
  • Tubos e conexões de PVC (-0,23%)
  • Placas cerâmicas para revestimento (-0,33%)
  • Esquadrias de ferro (-0,21%)
  • Concreto betuminoso usinado a quente (CBUQ) (-0,23%)

Tendências para o valor do metro quadrado na construção civil

Segundo Augusto Oliveira, gerente do Sinapi, a variação de 0,19% no custo da construção em janeiro é histórica. “É a menor variação para janeiro para a série histórica que considera a desoneração da folha de pagamento do segmento da construção civil, iniciada em julho de 2013”, destaca.

A variação mensal de preços correspondente ao custo dos materiais ficou em 0,14% em janeiro; já o custo da mão de obra variou 0,27%. “[A variação foi] impulsionada pelo reajuste do salário-mínimo nacional para 2024, que impacta diretamente nos salários das categorias de profissionais que possuem pisos salariais inferiores ao novo valor vigente”, analisa Oliveira.

A reoneração da folha de pagamentos, que afetaria a estrutura de custos do setor da construção civil e atualmente está em debate entre os Poderes Legislativo e Executivo, continua sendo um dos pontos de preocupação do setor em 2024. Em nota pública divulgada no início de janeiro, a CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção) e outros representantes do setor produtivo argumentam que a medida “aumenta o custo de empregar no Brasil e prejudica ainda mais a competitividade da indústria e do comércio”.

Visão regional

A região Norte apresentou a maior variação regional em janeiro: 0,60%. O resultado foi influenciado pela alta no índice de Tocantins (0,65%).

Conclusão

O valor do metro quadrado na construção civil em 2024 está sob controle. No acumulado de 12 meses encerrados em janeiro, a variação do INCC/Sinapi (2,43%) ficou 2,08 pontos percentuais abaixo do índice de inflação oficial do país (4,51%). Ou seja, construir está ficando mais barato, se levarmos em conta a desvalorização da moeda.

Contudo, é preciso observar ao longo dos próximos meses se o processo continuará consistente, mantendo sob controle o valor do metro quadrado na construção civil em 2024.

Veja também: qual a importância e participação da construção civil na economia brasileira.