Produtividade: o que é e como medir

Bruno Loturco

Bruno Loturco

Apaixonado pela Indústria da Construção, atua no setor desde 2002. É especialista em comunicação e acredita que a adoção de tecnologia é o único caminho possível para a transformação da cadeia da construção. Atualmente, é Coordenador de Comunicação Estratégica do Sienge.

10 de janeiro 2022

Compartilhe

Poucos assuntos são tão universais no mundo de hoje quanto a produtividade. Todos querem fazer mais, ninguém aceita perder tempo, e as empresas vivem numa guerra contra o tempo em busca de aumento da produtividade.

Mas, o que é produtividade, exatamente? Ao se confrontar com essa pergunta básica, muitas pessoas vão parar para pensar. Então, algumas vão chegar à conclusão de que não sabem muito bem atrás do que elas correm todos os dias.

Entender o conceito de produtividade do ponto de vista correto é essencial para conquistar produtividade real. Além disso, é preciso saber medir o quanto a empresa está ganhando em produtividade.

Por isso, neste artigo eu vou te mostrar o que é produtividade, como medi-la na sua empresa e como tudo isso se encaixa ao setor da construção civil.

O que é produtividade

Existem vários conceitos sobre produtividade, muitos deles com uma visão distorcida. Por isso, é importante ter clareza do que esse conceito quer mesmo dizer, pois isso evita que você caia em várias armadilhas comuns.

Assim, vamos primeiro ver o que muitas pessoas pensam sobre produtividade, e depois entender o que ela é, de fato.

O que muitas pessoas pensam sobre produtividade

Um dos conceitos comuns sobre produtividade é de que ser produtivo é fazer o máximo possível de tarefas no menor tempo possível.

Outro conceito popular é de que produtividade se trata de fazer o máximo de trabalho possível com o mínimo de recursos necessários.

Nos dois casos, há um padrão:

Resultado máximo e recursos mínimos. Mas será que essa visão é equilibrada e sustentável? É preciso tomar cuidado com essas definições, pois muitos gestores vão ao extremo em nome da eficiência.

Isso inclui oferecer condições pouco favoráveis aos trabalhadores, como:

  • pagar pouco;
  • exigir muitas horas extras;
  • colocar pressão excessiva por resultados;
  • entre outros.

Afinal, de acordo com essas linhas de pensamento, tudo o que importa é atingir o máximo resultado com o mínimo gasto. Além disso, a própria ideia de fazer hora extra é um dos vários sinais de baixa produtividade.

O que realmente é produtividade

Uma definição mais saudável e equilibrada de produtividade é realizar o máximo possível, com qualidade e usando a quantidade ideal de recursos. O que isso quer dizer?

De forma simples, significa que ser produtivo é realizar o máximo que a empresa consegue, sem perder qualidade e sem gastar mais ou menos tempo e dinheiro do que deveria.

Produtividade é mais que ser ágil

Pense no seguinte:

Gastar demais é desperdício. Gastar menos que o necessário faz cair a qualidade do trabalho e torna impossível entregar o resultado prometido. O mesmo vale para o tempo: demorar demais é desperdício, e trabalhar rápido demais eleva as chances de erro e retrabalho.

Assim, ser produtivo é trabalhar no limite da velocidade e da qualidade. Quando um dos dois elementos sai da equação, a produtividade deixa de existir. Assim, para trabalhar com produtividade é vital dar boas condições de trabalho aos empregados, usar matéria prima de qualidade e ter uma boa gestão de processos.

E isso também revela algo importante:

A produtividade é diferente para cada mercado e até para cada setor da mesma empresa. Afinal, algumas atividades levam mais tempo, outras custam mais caro para dar o resultado esperado. E não se trata só de cortar custos ou reduzir tempo, mas de fazer isso sem perder qualidade.

Como medir a produtividade em qualquer empresa

Depois de entender o que é produtividade e eliminar os conceitos errados da mente, fica muito mais fácil encontrar uma forma eficiente de medir o quanto uma empresa é produtiva. E há muitas formas de fazer isso, só que nem todas têm o nível de precisão esperado.

E medir a produtividade da forma errada tem um grande risco:

Conquistar falsas melhorias que, na verdade, podem até machucar a operação da empresa, em especial no longo prazo.

Mas, para evitar isso, há duas formas eficazes de medir a produtividade em qualquer empresa: indicadores de desempenho e comparativos de eficiência.

Indicadores de desempenho

Se a produtividade é a união entre o tempo, o custo e a qualidade, basta usar indicadores que acompanhem o uso desses três recursos para medir o quanto a empresa é produtiva.

Assim, é possível definir o desempenho ideal, ou seja, quanto tempo, dinheiro e nível de qualidade é considerado ideal para cada atividade. Então, é possível acompanhar os indicadores de cada área e fazer um comparativo entre o que é esperado e o que está sendo alcançado.

Cada setor da empresa terá seus próprios indicadores de desempenho relacionados a custo, tempo e qualidade. Mas o ponto-chave é ficar de olho nos três e criar processos e metas para ajustar esses indicadores aos valores ideais.

Comparativos de eficiência

Outra boa forma de medir a produtividade é por fazer uma análise macro da empresa ou do departamento. Como assim?

Cada equipe pode medir os resultados da empresa por períodos de tempo específicos, como bimestres ou semestres. Daí, é possível aplicar melhorias de processos e comparar os resultados com o período anterior, para medir se a produtividade aumentou ou caiu.

O melhor é combinar as duas abordagens, usando os indicadores de desempenho para uma visão mais detalhada e os comparativos períodos de eficiência para uma visão ampla.

O papel da produtividade nas empresas modernas

Não é sem motivo que a grande maioria das empresas hoje em dia se preocupa de forma ativa com o aumento da produtividade. Afinal, reduzir o desperdício se tornou questão de sobrevivência, em especial na era pós-pandemia de Covid-19.

Assim, é natural que a produtividade tenha um efeito mais profundo em algumas áreas estratégicas das empresas, como estas:

  • tomada de decisões: empresas modernas são focadas em tomada de decisão ágil e precisa. Assim, ter informações em tempo real ajuda a reduzir custos e manter o trabalho em dia com qualidade;
  • ambiente saudável: empresas com bons processos e gestão eficaz conseguem manter o ambiente saudável para os colaboradores. Isso reduz a rotatividade e aumenta a retenção de talentos, que promove o trabalho cada vez mais produtivo;
  • lucratividade: por fim, ser produtivo aumenta os lucros, pois reduz o desperdício e promove ações que agregam valor ao produto ou serviço final da empresa.

Produtividade na construção civil: problema ou oportunidade?

Não é segredo algum que a produtividade é um problema antigo na construção civil. Mas, enquanto nós sempre olhamos isso como um grande problema, há também uma enorme oportunidade a explorar. Como assim?

Pense no seguinte:

Quais são os dois grandes vilões da construção civil? Estouro de orçamento e perda de prazo, ambos problemas que vêm da baixa produtividade do nosso mercado.

Mas, e se a sua empresa construir processos de trabalho que tornam possível garantir sempre a entrega das obras dentro do prazo e do orçamento? Isso se torna um diferencial competitivo enorme no mercado.

Ou seja, ao mesmo tempo em que a baixa produtividade é uma doença crônica do mercado em geral, há soluções que tornam possível acabar com o problema. E todas as construtoras e incorporadoras que aproveitarem isso primeiro vão se destacar muito em seus nichos de atuação.

Uma das melhores formas de aumentar a produtividade na construção civil é com uma gestão integrada, capaz de unir áreas e automatizar tarefas importantes.

Assim, a produtividade é um conceito de extrema importância para o sucesso das empresas de construção civil, assim como de qualquer outro setor. Mas o conceito não tem a ver com pressa ou corte de custos, e sim com eficiência e bom uso dos recursos.

Quer saber como é possível aumentar a produtividade na sua empresa com uma gestão de obras mais eficiente? Veja agora como fazer isso!

Compartilhe