banner sienge

Tudo o que você precisa saber sobre Design Thinking

10 de maio de 2018

Imagine uma abordagem que permita olhar para o resultado positivo antes mesmo de inovar. Ela existe e tem nome: Design Thinking.

Este conceito de trabalho foi desenvolvido para revolucionar a maneira de encontrar soluções inovadoras para os problemas, com alternativas criativas focadas nas necessidades reais do mercado e do cliente. E não em pressuposições estatísticas.

É difícil de acreditar?

Mas é algo real e tem mostrado resultados muito positivos em alguns casos.

Pensando em ajudar você a alcançar esses pontos também, hoje vamos explicar o que é Design Thinking e como essa metodologia pode ajudar sua construtora.

Vamos começar explicando…

O que é Design Thinking

Design Thinking

 

 

 

 

 

 

A primeira coisa que precisa ficar bem esclarecida para você compreender o conceito de Design Thinking é que não se trata de uma metodologia, mas sim de uma abordagem. Isso porque quando pensamos em método, criamos a expectativa de ter em mãos uma fórmula, quase que matemática, que pode ser aplicada em qualquer situação.

E este não é o caso!

Design Thinking é a abordagem que busca a solução de problemas de forma coletiva e colaborativa, em uma perspectiva de empatia máxima.

O processo consiste em tentar mapear e mesclar a experiência cultural, a visão de mundo e os processos inseridos na vida dos indivíduos, com o intuito de obter uma visão mais completa na solução dos problemas, identificando barreiras e gerando alternativas viáveis para transpô-las.

Esta abordagem parte do levantamento das reais necessidades de seu consumidor, preponderadamente “humana” e que pode ser usada em qualquer área de negócio, inclusive na construção civil.

O objetivo do Design Thinking é a satisfação do cliente, interno ou externo. E isso só pode ser alcançada quando conhecemos com profundidade suas necessidades, desejos e percepções de mundo.

Princípios mais relevantes de Design Thinking

  • Empatia: foco nas experiências dos consumidores, principalmente nas emocionais. Grandes experiências devem inspirar todas as funções voltadas ao cliente.

“As brechas de contato são delineadas em torno do que os usuários precisam e não de acordo com a eficiência operacional interna” (Jon Kolko)

Olof Schybergson, o fundador da Fjord, encara a postura empática do design thinking fundamental para o sucesso dos negócios.

“Abordar diretamente o consumidor é uma estratégia disruptiva. Há novas oportunidades para reunir dados e insights sobre o comportamento do consumidor, aquilo que gosta ou não… Aqueles que possuem essas informações e têm sede de inovação contam com mais chances de prevalecer.” (Olof Schybergson);

  • Aplicabilidade: uma proposta de valor tradicional é uma promessa de utilidade;
  • Modelagem: modelos para analisar problemas complexos. O mapa da jornada do cliente e outros modelos de design são ferramentas que favorecem a compreensão;
  • Disciplina de prototipagem: protótipos para explorar soluções potenciais. Empresas centradas no design não devem se intimidar em ajustar seus produtos em um fórum público, mas transformá-los rapidamente em modelos. “A prototipagem é provavelmente o comportamento mais pragmático que uma empresa inovadora pode ter”;
  • Tolerância: tolere as falhas.

Para saber mais sobre Design Thinking, não deixe de assistir a este vídeo:

Design Thinking na construção civil

Sempre que falamos em inovação ou em diferencial competitivo é preciso ter a mente aberta e pensar “fora da caixinha”. É essa é exatamente a proposta do Design Thinking.

Introduzido na década de 1990 em todo o mundo pela consultoria IDEO, que gerenciava o desenvolvimento das empresas do Vale do Silício, o Design Thinking conduz a estratégia empresarial através de desenhos e de uma forma mais comunicativa.

Na construção civil, essa abordagem tem como principal objetivo a otimização e comunicação de processos, integrando a gestão com a operação, sem desencontros de informação.

Há anos, a gestão de projetos estabelece regras, ancoradas na organização, prazos e custos. De certa forma, podemos afirmar que o Design Thinking desarma tudo isso ao criar soluções mais centradas no cliente.

Isso significa dar mais atenção ao que o cliente precisa, perguntando, por exemplo, o que é melhor para ele, quais são suas expectativas em relação ao projeto e o que deseja. Essa aproximação deve acontecer na etapa da concepção.

Na construção civil, o Design Thinking representa inovação, pois permite que o setor reavalie as formas de pensar e agir, deixando de fazer mais do mesmo.

Essa abordagem também vêm sendo aplicada dentro das construtoras, no canteiro de obras, área onde a comunicação sempre apresentou problemas. Por incentivar a integração das equipes, incluindo pedreiro, mestres de obras, engenheiro, arquiteto, projetista, os problemas são resolvidos com mais facilidade e as reuniões se tornam cocriativas.

Mas afinal, como aplicar isso no dia a dia?

Passo a passo para implementar Design Thinking na sua construtora

design thinking

1-  Identifique onde encontrar oportunidades de inovação

“Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece, mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas”.

Este é um trecho de “A Arte da Guerra”, do filósofo chinês Sun Tzu, e que diz muito sobre o ponto que estamos abordando.

Conseguir encontrar caminhos para inovar envolve conhecer a si mesmo e ao ambiente onde está ou onde vai trabalhar. Para isso é preciso ter conhecimento dos pontos, as fragilidades da concorrência, as condições macroeconômicas, etc.

Análise SWOT, benchmarking, pesquisas de mercado e reuniões multidisciplinares conduzirão você a respostas para esse ponto;

2- Descobrir a Oportunidade de Inovação

Faça pesquisas qualitativas e trabalho com soluções de Big Social Data que podem indicar, muito além do setor, qual é, de fato, a oportunidade que o mercado desenha para sua construtora;

3- Desenvolver

Aqui, desenvolva o produto ou serviço partindo, não de pressuposições ou análises estatísticas frias, mas a partir das necessidades e percepção de valor do cliente. Nesta etapa, poderemos lançar mão do Processo Heurístico para descobrir o diagnóstico e o Processo Criativo para gerar as possibilidades;

4- Teste as ideias

Nesta etapa vamos te dar uma dica importante! Você pode utilizar um MVP – Minimum Viable Product. Para quem não sabe, MVP (muito usado em startups) é a versão mais simples de um produto, que pode ser lançada em período de testes, para verificar, sem grandes gastos, se sua ideia realmente atinge as necessidades do seu consumidor final;

5- Implementar

Feitos os testes com respostas positivas acerca de seu produto/e ou serviços, ele já está pronto para ser lançado. É importante que você compreenda que o processo de desenvolvimento é contínuo e incremental. Ou seja, sua ideia irá ser melhorada permanente através um processo de coparticipação.

Talvez, neste ponto, você esteja se perguntando…

Quais as vantagens do Design Thinking?

Resumidamente, por meio dessa abordagem você poderá descobrir se o seu projeto, produto ou serviço atenderá as exigências e necessidades do seu cliente. E, além de garantir a qualidade do seu trabalho, o Design Thinking…

… tem um ótimo custo-benefício!

Comparado ao benefício que gera dentro da empresa, a ferramenta e seus conceitos têm um valor muito baixo. Trata-se de uma filosofia muito simples, que não exigirá altos investimentos.

O maior custo, talvez, seja o de modificar a cultura organizacional para aderir às práticas do design thinking, pois só assim algum resultado será alcançado. As possibilidades de sucesso são gigantes, mas é necessário um esforço diário;

oferece respostas!

O design thinking estimula diferentes estados mentais, o que pode ajudar a resolver a raiz dos problemas. O desenvolvimento de pensamentos divergentes é essencial para quem deseja chegar a pensamentos convergentes. Utilizando critérios práticos, é possível comparar alternativas e testar cada uma delas;

incentiva a criatividade!

O design thinking gera soluções. A criatividade não é um dom que se aplica a certo tipo ou grupo de pessoas. Ela está em todos nós e deve ser constantemente alimentada. A criatividade pode ser a chave para uma solução inusitada, inesperada e totalmente eficaz;

estimula a empatia!

Empatia é a aptidão para se identificar com o outro, sentindo o que ele sente, desejando o que ele deseja e aprendendo da maneira como ele aprende. O design thinking busca por práticas que incentivem a solução de problemas sob uma ótica mais empática. Essa pode ser uma das maiores contribuições para a sua construtora;

se baseia na pluralidade!

Pensar diferente é um dos principais caminhos para a inovação, e o design thinking incentiva um novo olhar sobre coisas e situações.

Além dessas vantagens, vale destacar que ao aplicar o Design Thinking na sua construtora, seus clientes estarão mais satisfeitos, afinal suas necessidades poderão ser compreendidas com mais assertividade.

Com isso você pode gerar um efeito cascata positivo: cliente satisfeito + bons negócios + aumento na produtividade + aumento na lucratividade = SUCESSO!

Para concluir…

Viu só como o Design Thinking pode ser uma solução interessante para você e sua construtora?

Aplicando essa abordagem no dia a dia, você poderá notar todas as mudanças que pontuamos no post e ainda terá um diferencial competitivo frente ao mercado. O que pode fazer toda a diferença na hora de conquistar novos clientes.

Caso este post tenha esclarecido suas dúvidas sobre Design Thinking, não deixe de curtir e compartilhar nas suas redes sociais! E também, não deixe de dividir conosco sua opinião sobre o tema.

Tomás Lima

  • Gestor de Conteúdo
  • Graduado em Administração pela UFMG
  • Apaixonado por Construção Civil
 

Receba Novidades do Blog
Coloque o seu email acima para receber gratuitamente as atualizações do blog!
Saiba como o Sienge pode ajudar a sua empresa