banner sienge

Saiba como calcular a Curva ABC

Blog > construcao, gestao, software
14 de julho de 2017

Já falamos aqui sobre a importância do gerenciamento de custos e materiais em uma obra. Os benefícios e vantagens que esse tipo de organização pode oferecer para sua construtora são inúmeros.

 

E, para começar a fazer esse controle, você precisa destacar os itens mais relevantes em seu orçamento. São orientações que valem para qualquer tipo de obra, independente do porte da obra ou da empresa.

 

Ao utilizar a Curva ABC, conhecida também como 80-20, você vai conseguir fazer isso com facilidade e agilidade. Isso porque a Curva ABC permite a você classificar estatisticamente a importância dos materiais e insumos utilizados em todas as suas obras. E essa ferramenta faz isso por meio das quantidades e valores de cada material.

 

Para entender é preciso saber que a Curva ABC divide os materiais em três grupos básicos:

 

  • Classe A: são os itens que possuem o valor de demanda ou consumo mais alto em relação aos demais;
  • Classe B: são os itens que possuem um valor de demanda ou consumo intermediário;
  • Classe C: são aqueles itens que possuem um valor de demanda ou consumo relativamente baixo em relação aos demais.

 

É interessante atentar para o fato de que esses grupos se dividem em duas categorias:

 

  • Valor da demanda: quando são produtos acabados
  • Valor de consumo: quando os produtos fazem parte do processo produtivo. Ou seja, quando se tratam de matérias primas ou insumos.

 

Saiba que tanto o valor de consumo quanto o de demanda são determinados da mesma maneira. Ou seja, a partir da soma do preço ou custo unitário de cada item pelo seu consumo ou sua demanda.

 

Descubra o que pertence a cada faixa: A, B e C

É simples saber em quais grupos da análise ABC os materiais ou insumos da sua obra pertencem. Basta que você os organize em ordem decrescente de custo.

 

Assim, para fazer isso, primeiro some todo o custo multiplicando o valor unitário pela quantidade a ser adquirida. Depois, fica fácil calcular o percentual de cada produto em relação ao custo total.

 

A partir da próxima etapa é que a Curva ABC começa a se formar. É nesse momento em que você vai somar as primeiras linhas da tabela até alcançar 80% dos custos. É esperado que o montante represente cerca de 20% do total de materiais ou insumos. Eis a faixa A da sua Curva ABC.

 

O mesmo cálculo deve ser aplicado às próximas linhas para obter a faixa B. Dessa vez, aplique a soma até obter 15% dos custos totais. É esperado que 15% dos custos representem aproximadamente 30% dos materiais ou insumos.

 

A seguir, para determinar a faixa C da Curva ABC, prossiga com a soma das últimas linhas. Você irá encontrar os 5% dos custos restantes. O corriqueiro é que estes correspondam a 50% em quantidade do total de materiais ou insumos.

 

Desta maneira, é possível chegar a algumas conclusões:

 

  • 20% dos itens são considerados A. Estes correspondem a 80% do valor da demanda ou consumo;
  • 30% dos itens são considerados B. Eles correspondem a 15% do valor da demanda ou consumo;
  • 50% dos itens são considerados C. Logo, correspondem a 5% do valor de demanda ou consumo.

 

A análise da Curva ABC deve refletir a dificuldade de controle de um item ou o seu impacto sobre os custos e rentabilidade. Por isso, esses resultados variam de empresa para empresa. Além disso, é preciso lembrar que a Curva ABC é usualmente ilustrada por meio do valor de consumo anual.

 

A Curva ABC é muito útil para o controle e diagnóstico de custos de uma construtora. Entretanto, este é apenas um dos critérios que podem afetar a classificação de qualquer um dos itens que constam em uma planilha.

 

Monte sua planilha de custos

Após classificar seus gastos por meio da análise ABC você pode organizá-los com a ajuda de uma planilha. Para tanto, há algumas ferramentas que auxiliam nesse processo. Você pode optar por um controle simplificado e usar o Excel, por exemplo. Outra opção é investir em um software de gestão para desenvolver mecanismos mais sofisticados de controle.

 

Qualquer que seja a ferramenta escolhida para elaboração da planilha de custos, ela deve ser formatada com base nas seguintes informações fundamentais:

 

  • Descrição: refere-se ao insumo ou material utilizado na obra. Este item precisa ser muito bem detalhado para que o resultado final seja positivo;
  • Unidade: é a coluna onde é indicada a unidade de medida utilizada;
  • Quantidade: indica quantos materiais serão utilizados. Este item deve ser expressado por meio de numerais;
  • Preço (unitário e total): os valores dos materiais ou insumos devem ser organizados em ordem decrescente. Ou seja, do mais caro para o mais barato;
  • Participação (%): é importante estabelecer o grau de importância do material ou insumo também em ordem decrescente. Por meio deste item é possível identificar a porcentagem de representação do custo no orçamento geral da obra;
  • Participação acumulada: refere-se à soma das porcentagens de participação até a linha indicada.

 

Para melhor entendimento, vamos imaginar que sua construtora está fazendo a reforma de uma cozinha. Então, sua planilha deve ser criada com base nesse modelo abaixo:

tabela exemplo curva abc

Em seguida, a cada linha acrescente a lista de materiais ou insumos previstos para a obra em questão. É importante prever a possibilidade de organizar os itens em ordem decrescente de custos. Ao preencher, não deixe de incluir as informações referentes a todas as colunas da planilha. Veja no nosso exemplo como deve ficar:

tabela curva abc

Conforme as cores destacadas:

 

  • A cor vermelha representa a Classe A. Isso significa que são os itens mais caros da obra. No total, como é possível ver na planilha, representam 50% dos custos;
  • A Classe B é representada pela cor amarela. Isso significa que são os itens com custos intermediários da obra. Essa categoria representa uma participação de aproximadamente 30% dos custos totais discriminados na planilha;
  • Por fim, a Classe C é representada pela cor verde. Isso significa que são os itens mais baratos da obra, que pesam menos nos custos totais. Representam aproximadamente 20% do total.

 

Curva ABC para Construção Civil

 

A partir desta separação e organização, é possível destacar os custos que precisam de mais atenção. A Classe A, por exemplo, representa metade dos custos da obra. Logo, é com os fornecedores dos itens que a compõem que é possível negociar melhor os valores. Consequentemente, é onde existem mais possibilidade de reduzir custos.

Conclusão

Há diversas vantagens que decorrem da aplicação da Curva ABC na sua construtora. A principal delas é permitir manter um gerenciamento de custos de maneira mais consciente e consistente. Isso influencia diretamente na compra e manuseio de materiais e insumos.

 

Como resultado final, a Curva ABC auxilia a sua construtora a evitar desperdícios de tempo e materiais. Ou seja, é um instrumento que permite aumentar a produtividade da construtora. Outra consequência da maior capacidade de controle é a possibilidade de aplicar os valores economizados em outras áreas da empresa ou até mesmo em investimentos.

 

Se você quer que sua construtora tenha mais produtividade e lucratividade em suas atividades, comece pela utilização da Curva ABC no planejamento de obras! Você vai sentir resultados bastante significativos muito rapidamente!

 

Caso este post tenha esclarecido suas dúvidas e ajudado na implantação da Curva ABC na sua empresa, não deixe de curtir e comentar o post!

Brenda Bressan Thomé

  • Editora do blog Sienge
  • Especialista em comunicação em mídias digitais
  • Jornalista formada pela UFSC
  • Filha de Engenheiro Civil e apaixonada por Construção
 

Deixe um Comentário

Receba Novidades do Blog
Coloque o seu email acima para receber gratuitamente as atualizações do blog!
Saiba como o Sienge pode ajudar a sua empresa