Análise de viabilidade econômica: essencial para o sucesso da construção

Giseli Barbosa Anversa

Giseli Barbosa Anversa

Engenheira Civil, é Lead Product Manager do Sienge, atuando no desenvolvimento de ações para impulsionar o desempenho de empresas da Indústria da Construção.

4 de dezembro 2020

Compartilhe

Sabe aquele momento de decisão entre executar ou não uma obra? Então, esse momento ocorre após a realização da análise de viabilidade econômica do empreendimento. É uma etapa essencial, que ajuda a reduzir riscos, a ajustar o melhor preço de venda, a prever o resultado financeiro, entre outras coisas. 

Você pode ter certeza que todo empreendimento de sucesso contou com uma ótima análise de viabilidade econômica. Pois esse estudo determina, antes de você começar a obra, se a sua empresa tem condições financeiras para arcar com o projeto e, principalmente, se vai ganhar dinheiro ao final.

Então, considerando o cenário atual de intensa falta de previsibilidade devido à pandemia de Covid-19, essa etapa é ainda mais necessária. Por isso, neste artigo, vamos entender melhor o que é esse estudo, por que ele é importante e como fazê-lo. 

O que é análise de viabilidade econômica? 

Esse tipo de análise é responsável por considerar vários fatores a fim de concluir se um projeto é viável financeiramente e tecnicamente

A construtora estuda fatores como: localização, área do terreno, tipo de empreendimento, investimento, fluxo de caixa, lucro, tempo de obra, sistema construtivo utilizado, entre outros. 

De forma prática, um dos primeiros passos é avaliar as características específicas da empresa que pretende executar a obra. Assim, é preciso compreender quais as necessidades e desejos dela em relação ao projeto e confrontá-los com os desafios futuros.

A análise de viabilidade econômica ajuda a concluir se um projeto é viável ou não

Em geral, a análise de viabilidade econômica deve estudar dois aspectos fundamentais de forma separada:

  • Viabilidade financeira: avaliação de orçamento e fluxo de caixa, pois é preciso saber se a construtora possui caixa para tocar a construção. Se não tiver, o estudo vai indicar se é preciso buscar investidores ou outras formas de financiamento.
  • Viabilidade técnica: considera as especificidades da obra, sistema construtivo, necessidade de profissionais especializados, facilidade de acesso, disponibilidade de fornecedores e outros itens.

Analisar as duas coisas separadamente vai mostrar que não adianta ter o melhor orçamento possível se a parte técnica não for atendida corretamente – e vice-versa. Portanto, viabilidade financeira e técnica precisam andar juntas para obter sucesso no empreendimento.  

“Pré-projeto” para compor a análise de viabilidade econômica

A análise de viabilidade econômica vai além das viabilidades financeira e técnica. Para se ter mais êxito nesse estudo, é recomendável fazer uma espécie de “pré-projeto”, que serve para se ter uma ideia do que precisará ser feito e gasto ao longo de todo o ciclo do empreendimento. 

Não estou falando que seja necessário fazer um planejamento completo e detalhado, mas é recomendável que ele seja representativo e considere vários cenários, mensurando riscos e eventuais problemas. 

Por exemplo:

  • Quais as fases do empreendimento e quanto vai custar cada uma aproximadamente;
  • Qual a projeção de vendas;
  • Se há riscos relacionados à construção;
  • Questões jurídicas que possam atrasar o início das obra ou embarga-la futuramente;
  • Problemas para regularização do terreno;
  • Entre outras questões. 

Portanto, é preciso simular todos os pontos da obra, do começo ao fim, para se ter uma análise mais realista. 

Dicas para enriquecer a análise 

Se num primeiro momento a análise se mostrar positiva e mesmo assim a incorporadora ainda demonstrar dúvidas se avança ou não com o projeto, há algumas dicas para melhorar essa análise e ganhar mais confiança para decidir. 

Orçamento 

Por exemplo, você pode se dedicar um pouco mais à etapa de orçamento e cronograma da obra. Inclusive, um tipo de orçamento que pode ajudar nesta etapa é o orçamento paramétrico. Quanto mais certeza a empresa tiver sobre o fluxo de caixa, mais fácil será a decisão. 

O orçamento paramétrico é um tipo de orçamento simplificado para uma etapa específica do projeto: a de viabilidade econômica. Então, estamos falando de um orçamento que usa índices (como o Custo Unitário Básico – CUB), indicadores (incluindo históricos de obras já executadas) e estimativas para estudos de viabilidade.

Como o orçamento paramétrico utiliza a medida de custo por metro quadrado (R$/m²), ele é ideal para construtoras que ainda não possuem todos os projetos executivos mas querem ter uma ideia do custo da obra. Dessa forma, também é útil para os investidores analisarem a viabilidade do empreendimento.

Projeções e impactos 

Procure também elaborar projeções do cronograma físico-financeiro para ter uma ideia do fluxo de caixa da obra. Isso ajuda a definir a tomada de decisão em cenários que nem sempre são favoráveis ou equivalentes ao atual.

Vale lembrar novamente: estamos em um período de instabilidade, com preços e oferta de insumos extremamente impactados. Ou seja, pense nos impactos disso sobre o seu projeto. E não esqueça do “novo normal”, em que os hábitos do consumidor imobiliário também foram impactados.

É preciso entender como o empreendimento se enquadra nas diversas condições e mudanças do mercado, para se prevenir de alguma forma. Tenha todos os caminhos possíveis mapeados. 

Valor Geral de Vendas

O VGV (Valor Geral de Vendas) corresponde à soma das vendas potenciais das unidades do empreendimento. Então, para saber o VGV, basta multiplicar o número de unidades pelo valor médio de comercialização dos imóveis. Dessa forma, quanto maior o VGV, maiores devem ser os ganhos brutos da construtora. 

Mas não é simples assim. É preciso, claro, fazer uma análise relativa dos custos, que, em geral, podem chegar até 75% do VGV, dependendo do padrão do empreendimento. 

Portanto, é importante pegar o orçamento prévio e identificar a relação dele para o VGV. Uma relação de custo e VGV de 50% pode ser positiva, neutra ou negativa. Depende do seu projeto.

Ela é positiva se for em um imóvel popular, mas ruim se for de luxo. Num padrão regular/médio, 50% pode estar dentro da média. Então, esse cálculo ajuda a identificar, no final, a capacidade de retorno e lucratividade.

Software de gestão

Por fim, mas não menos importante, outra dica é usar um software de gestão para fazer análise de viabilidade econômica. Inclusive, o Sienge possui um módulo específico para isso

Por meio dele é possível inserir estimativas de custos para realizar o empreendimento e principalmente, ter uma visão ampla em relação às projeções de receitas. Tudo isso a partir de uma funcionalidade chamada Velocidade de Vendas.

Sienge possui um módulo específico para análise de viabilidade

Então, por meio dela, você consegue estimar o valor de venda de cada unidade, condições de pagamento e a quantidade de venda em cada período. Com essas informações em mãos você terá os indicadores econômicos com Valor Presente Líquido (VPL) e Payback. A partir disso, você pode decidir se dará início às obras ou não.

Com o Sienge você também consegue analisar o seu estudo através de gráficos de projeção de receitas e exposição máxima. Neste último, é possível consultar o limite para o projeto estar negativo. E com isso verificar em qual momento será necessário mais aporte por parte da empresa ou investidor, além do fluxo de caixa.

Conclusão 

A análise de viabilidade econômica é essencial, ainda mais neste momento, e serve para acabar com as decisões na base do “feeling”. Em empresas menores, que dependem de decisões cada vez mais acertadas, o “feeling” do empresário não pode ser a única “métrica”.

Planilha para análise de viabilidade econômica do Sienge

E para te ajudar nesta etapa tão importante, o Sienge disponibilizou uma planilha de viabilidade econômica com a qual você pode:

  • Verificar principais indicadores de viabilidade de projeto;
  • Ter fluxo de caixa anual sintético;
  • Planejar todos os investimentos, gastos e receitas;
  • Conhecer o payback previsto de retorno do investimento;
  • Comparar facilmente as receitas e gastos ao longo de um período.

Clique aqui e baixe agora a planilha para você garantir o sucesso da sua análise de viabilidade! 

Compartilhe