Alta na Construção Civil: segmento prevê crescer 4% em 2021

Bruno Loturco

Bruno Loturco

Apaixonado pela Indústria da Construção, atua no setor desde 2002. É especialista em comunicação e acredita que a adoção de tecnologia é o único caminho possível para a transformação da cadeia da construção. Atualmente, é Coordenador de Comunicação Estratégica do Sienge.

2 de agosto 2021

Compartilhe

“Uma Ferrari com o freio de mão puxado”. Foi dessa maneira que o presidente da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), José Carlos Martins, se referiu ao desempenho do setor da construção em 2021.

A afirmação tem base na revisão positiva do crescimento e alta da construção civil para 2021, que havia sido revisado para baixo em março e, em julho, foi novamente revisado para cima. Com isso, a expectativa da entidade é de que o crescimento seja de 4% ao final do ano, o maior desde 2013, quando a alta foi de 4,5%.

Outro indicador que apresentou alta expressiva foi o ICST (Índice de Confiança da Construção), do FGV Ibre. Foram 3,3 pontos de alta em julho, chegando a 95,7 pontos, maior nível desde março de 2014. O resultado é animador especialmente porque em junho a alta sobre o mês anterior já havia sido relevante, de 5,2 pontos. Se considerarmos os números do ano anterior, então, o resultado é ainda mais expressivo.

Evolução sobre mês

Os motivos para o otimismo residem nos resultados do primeiro semestre. Em junho, por exemplo, o setor registrou o melhor desempenho no nível de atividade desde setembro do ano passado. Foram 51 pontos em junho contra 51,2 em setembro, mas não é só isso. O resultado foi o melhor junho desde 2011 e superior à média histórica, de 45,6 pontos. Os números são da Sondagem da Indústria da Construção, elaborada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), com apoio da CBIC.

índice de cofiança da construção

“A sondagem de julho aponta o crescimento da atividade e uma percepção bastante favorável em relação à evolução da demanda nos próximos meses. Ou seja, volta a prevalecer um cenário levemente otimista. Se no segundo semestre de 2020, a alta dos custos contribuiu para derrubar a confiança, em 2021, esse efeito foi atenuado. Não porque tenha ocorrido queda ou redução no ritmo dos aumentos – o quesito custo da matéria-prima assumiu pelo segundo mês a primeira posição entre os fatores limitativos à melhoria dos negócios. Ocorre que o percentual de assinalações que apontam o aumento dos preços praticados pelas empresas também alcançou um recorde histórico, sugerindo que, apesar dos desarranjos que os aumentos dos custos têm causado, as empresas esperam que esses aumentos sejam absorvidos em grande parte pela demanda final”, avaliou Ana Castelo, Coordenadora de Projetos da Construção do FGV IBRE.

Freio de mão

Tanto quanto a alta dos preços dos insumos, a falta de previsibilidade sobre a disponibilidade de materiais é o que mais preocupa o empresariado da construção, acredita Ieda Vasconcelos, economista da CBIC. “Hoje, o principal fator que está impedindo o avanço das atividades do setor é o alto custo e a falta da matéria-prima. As empresas não sabem quando e por quanto terão os materiais”, explica.

Nesse sentido, a CBIC entende que é urgente conseguir a isenção das tarifas de importação de aço. “Se tivermos zerada a tarifa de importação, o preço será mais atrativo e, além disso, melhoramos a questão do prazo de entrega para que não seja de 90 a 100 dias, como é agora, mas de 10 dias, como era anteriormente”, analisa. De acordo com a economista da CBIC, o setor precisa de um choque de oferta. “Nosso pedido é para atender à demanda porque a oferta não está suficiente. Com o choque podemos ter pelo menos uma estabilização dos preços, pois há 13 meses o setor sofre com reajustes expressivos e aumentos dos prazos de entrega”, explica.

Outra reinvindicação da CBIC diz respeito ao aumento do teto dos valores do Programa CVA (Casa Verde e Amarela). Ieda explicou que, com os limites atuais, a faixa que atende a famílias com renda mais baixa, de até 3 salários-mínimos, não proporciona margem suficiente para as construtoras. “Precisamos que isso seja equacionado para que o setor consiga voltar a produzir para essas faixas de valores e atender essa população”, explica.

Horizonte otimista com alta da construção civil

Apesar das ressalvas relacionadas principalmente aos materiais, a construção tem muitos motivos para manter o otimismo. Dentre os indícios de que o segundo semestre de 2021 tende a ser ainda mais frutífero do que a primeira metade do ano está a análise de atividade do ICST.

De acordo com o estudo, em julho 26,7% das empresas de construção relataram aumento da atividade, o maior percentual desde outubro de 2012. No mesmo período, 19,5% das empresas indicou redução do nível de atividade, denotando saldo positivo, especialmente para um setor em específico. “A percepção positiva das empresas de Preparação de Terrenos, um segmento antecedente do ciclo de obras, volta a reforçar o maior otimismo com a retomada”, analisa Ana Castelo.

evolução recente de atividade

Nem mesmo a elevação esperada para a taxa básica de juros, a Selic, preocupa os especialistas do setor. Mesmo que a Selic chegue aos 7% esperados pelos economistas, a demanda por imóveis não deve cair, conforme pontua Ieda Vasconcelos. “O atual aumento de juros é estrutural em virtude da inflação e não de outros problemas econômicos”, diz. A alta não seria suficiente para impactar negativamente a demanda por financiamentos, explica ela.

Além disso, ela lembra que os depósitos na poupança estão em patamar recorde, tendo crescido cerca de 160% entre o primeiro semestre de 2020 e o primeiro semestre de 2021.

Esse é um indicativo da saúde dos financiamentos e da capacidade que os bancos têm de absorver parte da alta dos juros.

O primeiro semestre foi muito positivo nesse sentido, com 160,7 mil unidades financiadas pelo SBPE, o melhor resultado desde 2015. Com isso, o volume de empréstimos no primeiro semestre de 2021 cresceu 28,6% na comparação com o mesmo período do ano passado e chegou a R$ 43,35 bilhões.

Esse é um indicativo da saúde dos financiamentos e da capacidade que os bancos têm de absorver parte da alta dos juros.

O primeiro semestre foi muito positivo nesse sentido, com 160,7 mil unidades financiadas pelo SBPE, o melhor resultado desde 2015. Com isso, o volume de empréstimos no primeiro semestre de 2021 cresceu 28,6% na comparação com o mesmo período do ano passado e chegou a R$ 43,35 bilhões.

Emprego em alta na construção civil

O nível de emprego na construção continua a crescer. Em junho, enquanto o brasil fechou 10.984 vagas com carteira assinada, a construção criou 17.270 empregos. Foram, no total, 113.162 admissões e 95.892 demissões no mês de junho, o melhor resultado desde fevereiro último, quando 25.837 novas vagas foram criadas.

“Os números do Caged se somam a uma série de outros indicadores que têm mostrado a recuperação e a força do setor para gerar empregos e puxar a retomada econômica do país. Simplesmente nos deram condições e prazo para pagar, mantiveram nossos contratos, e nós respondemos de forma positiva”, disse José Carlos Martins, da CBIC.

Podemos ver que, assim que as amarras forem liberadas, o setor da construção tem pista livre para crescer e puxar a plena recuperação da economia brasileira.

Leia mais:
Índices da construção civil mostram sinais positivos do setor
Construtechs impulsionam a produtividade das construtoras

Compartilhe