banner sienge

Tecnologia para BIM: conheça as principais ferramentas

Blog > bim, construcao, industria-da-construcao, sienge, tendencias
15 de abril de 2016

Conheça as principais ferramentas para usar BIM com sucesso nos seus projetos!

Ainda que a metodologia de Building Information Modeling (BIM) seja fortemente lembrada pela consolidação de todas as informações do ciclo construtivo em um local só, os dados do empreendimento não são acrescentados ao modelo por meio de um único software: ferramentas específicas de Modelagem da Informação da Construção são utilizadas para inserir os detalhes relacionados a cada etapa do projeto, e neste post você vai conhecer as principais ferramentas para aplicar BIM.

A representação do projeto, seu planejamento e a orçamentação são consideradas etapas cruciais para que a obra comece e termine bem, por isso, as três devem ser muito bem delineadas já no início, de forma a servirem de base para o empreendimento evoluir de maneira sustentável e produtiva, gerando e até superando os resultados esperados. Confira abaixo como funciona a aplicação de tecnologia para BIM em cada um desses estágios:

Passo 1: Modelagem

Um dos softwares que operam dentro da metodologia BIM mais conhecidos hoje no mercado é o Revit®, utilizado na fase inicial de elaboração do projeto da construção. Isso quer dizer que ele e CAD 3D fazem a mesma coisa? Fernando Silva Ramos, consultor para implementação de BIM da Softplan, esclarece que o segundo é utilizado apenas para fazer a representação do desenho do empreendimento: “Programas como o CAD 3D atualmente não operam em BIM porque não têm estrutura para armazenar informações de forma sistêmica e coordenada, permitindo o aproveitamento delas em outras etapas e processos”. Com o Revit®, segundo o especialista, é diferente, porque além de modelar todos os componentes do projeto o programa permite ainda a inclusão de dados relacionados a eles, bastando clicar sobre o elemento para abrir um painel de controle e visualizar todos os detalhes registrados. No caso de uma parede de alvenaria, por exemplo, é possível especificar valores para camadas e espessuras, além dos materiais utilizados para sua construção. O software também possui a funcionalidade de importar o desenho de outras ferramentas, como o CAD 3D.

revit bim

Tela do Revit com detalhes de projeto modelado

Passo 2: Planejamento

Com o modelo estruturado e as especificações de cada componente devidamente inseridas, as três dimensões espaciais da edificação podem ser combinadas à variável tempo, ou seja, às informações que compõem o cronograma de obra do empreendimento, o que envolve prazos e sequência de execução de atividades, por exemplo: é o chamado BIM 4D. Ferramentas como o Synchro podem promover essa integração, a qual ajuda a visualizar a evolução da obra e a comparação entre o previsto e o realizado de forma mais realista, ou seja, ela transforma números e barras em uma representação mais amigável, como você pode ver na imagem abaixo:

Além disso, fica mais fácil de prever e evitar conflitos entre atividades a partir da melhor compreensão da relação entre os serviços. Outro ponto importante é que a maior confiabilidade dos dados disponibilizados no modelo ajuda na definição de prazos de execução mais assertivos e condizentes com a realidade, sem contar que a possibilidade que a tecnologia para BIM oferece de simular diversas formas de se executar a mesma etapa permite que a construtora opte pela que mais ofereça custo-benefício e otimize o tempo no cronograma.

superbanner do podcast sobre o que é bim e como aplicar na sua empresa

 

Passo 3: Orçamento

Adicionando a variável “custo” ao conceito BIM 4D, o que é possível obter? Isso mesmo, o BIM 5D e a possibilidade de gerar instrumentos de gestão extremamente importantes como o cronograma físico-financeiro! Mas não é só isso: analisar todas as plantas e projetos para extrair quantitativos e gerar planilhas – ou, melhor ainda, importá-los para dentro de uma solução tecnológica especializada que faça o gerenciamento integrado do projeto – pode ser um tanto trabalhoso e tomar um tempo que poderia ser empregado em ações bem mais rentáveis. É por isso que tecnologias para BIM como o Navisworks® e o Vico Software proporcionam o levantamento de quantitativos para a geração de orçamentos e a atribuição do valor total a cada componente do modelo de forma prática. A consolidação da quantidade total de materiais, mão de obra e equipamentos extraídos da tecnologia para BIM torna o processo de orçamentação muito mais preciso, porque tem como referência o formato exato em que o empreendimento foi projetado e atualizado. Diferentemente de calcular quantitativos com base em estimativas, correndo o risco de fazer interpretações e comparações erradas, ter erros de digitação e deixar algum cálculo importante de lado.

Ferramentas como essas são capazes de aproveitar ao máximo as informações já registradas, e esse é justamente o objetivo do BIM. Isso casa perfeitamente com as etapas de projeto, planejamento e orçamento, as quais estão completamente ligadas e quanto maior sua sintonia, maior a capacidade de traçar um plano de ação mais detalhado, próximo à realidade e efetivo.

No próximo post o papo sobre BIM continua, apresentando uma tecnologia capaz de tornar os orçamentos de obra muito mais assertivos. Não perca!

banner do podcast sobre o que é bim e como aplicar na sua empresa

Brenda Bressan Thomé

  • Editora do blog Sienge
  • Especialista em comunicação em mídias digitais
  • Jornalista formada pela UFSC
  • Filha de Engenheiro Civil e apaixonada por Construção

Leave a comment

Receba Novidades do Blog
Coloque o seu email acima para receber gratuitamente as atualizações do blog!
Saiba como o Sienge pode ajudar a sua empresa