Gestor de obras: como se diferenciar no mercado

Vagner Cunha

Escrito por Vagner Cunha

4 de agosto 2022| 6 min. de leitura

Compartilhe
Gestor de obras: como se diferenciar no mercado

A cadeia da construção civil é formada por um grande fluxo de serviços e pessoas de diferentes níveis e especialidades, que se conectam com um objetivo em comum: fazer a obra acontecer.  Tudo isso exige, do gestor de obras e sua equipe, um dinamismo diário e uma grande capacidade de execução

Dessa forma, você, como gestor de obras, precisa ter consciência da importância de assumir um papel de líder. E um bom líder traz um direcionamento comum para obra, determinando as principais atividades que precisam ser feitas e, consequentemente, o ritmo a ser seguido dentro do canteiro. 

Para te ajudar a alcançar essa liderança nas obras, trouxemos algumas dicas valiosas. Confira!

Liderança: a importância de um planejamento e uma comunicação efetiva

A figura de um líder vai muito além do “simples” papel de liderar. Conduzir uma equipe, nesse caso, deve estar associado, principalmente, com o objetivo de evitar um dos problemas que ainda persistem dentro do canteiro: a falta de uma comunicação efetiva, que acaba atrapalhando o curso da obra.

Se não houver planejamento e comunicação efetiva, por mais que exista uma equipe enorme e qualificada, o risco desse planejamento não sair do papel e dos resultados não serem alcançados da forma esperada é alto. 

Sendo assim, um dos principais pontos aqui é buscar elevar a produtividade dentro da gestão, por meio de: planejamento, comunicação e liderança efetiva, determinando o ritmo do planejamento, analisando a obra por meio de uma linha do tempo, com início, meio e fim.

Além disso, é preciso fazer a integração de todos os componentes desse ecossistema, desde os engenheiros, carpinteiros, pedreiros, ou seja, toda a equipe. 

Saber explorar o relacionamento interpessoal com a equipe

Uma coisa é fato: se você não se comporta como líder, a sua obra acabará sendo improdutiva, e você acabará perdendo performance, tornando-se um simples tocador de obras. 

Mas, então, o que fazer para evitar isso? O segredo está em direcionar as atividades de campo, lidar com seus fornecedores, projetistas, clientes, ou seja, liderar. Tudo isso influencia na produtividade da obra e, para isso, você precisa desenvolver algumas habilidades comportamentais. 

Dentre elas, saber explorar o relacionamento interpessoal com a equipe é importante e tudo isso pode ser feito com rotinas de gerenciamento, por meio de encontro semanais com a equipe para estabelecer metas, prazos, analisar restrições, capacitar a equipe e o mais importante: fazer com que ela se sinta parte do processo!   

fim segundo lote meio conteudo

Bom gerenciamento das equipes através da disponibilidade

A grande chave para o resultado do gestor de obras é o monitoramento efetivo das atividades, além do bom uso das técnicas no gerenciamento de equipes.

Quando você é contratado para realizar uma obra, você já se questionou qual o seu papel dentro daquela obra? Qual a sua função quanto gestor? 

Saber a sua função é extremamente importante para delimitar também aonde você quer chegar! Afinal, todas as suas ações diárias devem ser pautadas no alcance desses resultados, baseados no custo, no prazo, na qualidade e na segurança. 

Por isso, seja um bom motivador da equipe, mostre-se acessível e disponível para tirar dúvidas, seja de forma online ou presencial. Pois, assim, você estará garantindo a produtividade, o ritmo de trabalho e um ambiente de confiabilidade não apenas para aqueles que trabalham com você, mas para os clientes que te escolheram. 

Minimizando restrições e imprevistos

Falando em disponibilidade, é importante também estar disponível na busca pela solução de problemas que venham a surgir. Ou seja, é importante que você saiba como minimizar os riscos, imprevistos e restrições que possam prejudicar o andamento do trabalho.

Lembrando que essas restrições não se limitam apenas às questões técnicas, mas também aos fatores que já falamos aqui, como a comunicação e uma boa liderança.

Dito isso, a eliminação dos obstáculos está diretamente ligado com um desempenho máximo dentro da sua obra. Daí vem a importância de se identificar o que está acontecendo, e o que precisa ser feito para que essa restrição seja eliminada.

Pessoas não são máquinas, logo, vão existir imprevistos e elementos fora do planejado que devem ser gerenciados da melhor forma possível. Afinal, quando você identifica o que não está dando certo e quais os causadores desse imprevisto é muita mais fácil mudar de estratégia e alcançar melhores resultados.

Conclusão

Diante de um mercado extremamente competitivo e cada vez mais pautado no diferencial de cada profissional, é normal nos questionarmos: como eu posso me diferenciar? Será que estou sendo apenas um tocador de obras ou de fato tenho implementado uma gestão de alta performance?

Para responder a esses questionamentos tenha em mente que: a liderança não é apenas uma filosofia, mas é uma verdadeira estratégia de execução capaz de mudar o rumo da sua gestão, e te diferenciar no mercado de trabalho.

Para se aprofundar no assunto, leia também: Habilidades comportamentais: 4 dicas para uma gestão de obras eficiente.