Entulho na construção civil: dicas e boas práticas

Gustavo Prata

Escrito por Gustavo Prata

18 de abril 2022| 13 min. de leitura

Compartilhe
temas para dds uso de maquinários

Você sabia que mais da metade dos resíduos sólidos gerados pelas atividades humanas tem origem na construção? O volume não traduz apenas a força produtiva e econômica desta indústria, mas também o desafio do seu desenvolvimento sustentável. Esta atenção ao uso dos recursos e aos aspectos ambientais deve começar pelo aproveitamento do entulho na construção do seu empreendimento. Além de contribuir com o equilíbrio ecológico, a gestão correta dos resíduos pode ser um ótimo negócio! 

Aprovado em 2022, o Plano Nacional de Resíduos Sólidos (Planares) traz dados que mostram como há espaço para soluções neste cenário: a maioria das unidades de reciclagem de resíduos da construção opera abaixo da capacidade.

E o plano também revela que o descarte irregular de resíduos de construção civil em locais inadequados ainda é prática comum no país.

Até o fim deste artigo, você vai entender como a boa gestão do entulho na construção do seu empreendimento pode otimizar o potencial econômico e dar mais sustentabilidade ao negócio.

Entulho na construção, resíduo, rejeito e lixo são a mesma coisa?

Em um canteiro de obras, quase todo o material que sobra na construção é chamado de entulho. É a definição mais comum para o conjunto de resíduos gerados no processo construtivo. Esses resíduos da construção civil têm uma descrição técnica definida pela Resolução Conama n. 307:

“São os provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil, e os resultantes da preparação e da escavação de terrenos.”

Exemplos:

  • tijolos, telhas e blocos cerâmicos
  • concreto em geral
  • solos e rochas
  • metais
  • plásticos, resinas, colas e  tintas
  • madeiras e compensados
  • forros
  • argamassa e gesso
  • pavimento asfáltico
  • vidros
  • tubulações e fiação elétrica

Você também pode se deparar com a definição de rejeitos, descrita pela Política Nacional de Resíduos Sólidos. É como são chamados os resíduos sólidos que, depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperação, não apresentem outra opção além da disposição final ambientalmente adequada.

Na prática, isto significa que os rejeitos têm como único destino o aterro sanitário. Já os resíduos podem ser reciclados e reutilizados. E o lixo? Nesse caso, a palavra é uma expressão popular para o que não tem mais serventia, sem representação técnica na construção civil.

O tipo e o destino de cada resíduo na construção civil

Agora que você já sabe tudo o que forma o entulho, é importante entender a classificação dos resíduos na construção civil. Isto porque cada tipo de resíduo deve receber uma destinação própria na sua obra, conforme determinado pelo Conama.   

Classe A

Resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados:

  • de construção, demolição, reformas e reparos de pavimentação e de outras obras de infraestrutura, inclusive solos provenientes de terraplanagem
  • de construção, demolição, reformas e reparos de edificações: componentes cerâmicos (tijolos, blocos, telhas, placas de revestimento etc.), argamassa e concreto
  • de processo de fabricação e/ou demolição de peças pré-moldadas em concreto (blocos, tubos, meio-fios etc.) produzidas nos canteiros de obras

Destino: após triagem, deverão ser reutilizados ou reciclados na forma de agregados ou encaminhados a aterro de resíduos classe A de preservação de material para usos futuros.

Classe B

Resíduos recicláveis para outras destinações, como plásticos, papel, papelão, metais, vidros, madeiras, embalagens vazias de tintas imobiliárias e gesso.

Destino: deverão ser reutilizados, reciclados ou encaminhados a áreas de armazenamento temporário, sendo dispostos de modo a permitir a sua utilização ou reciclagem futura.

Classe C

Resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem ou recuperação, como lixas e estopas.

Destino: deverão ser armazenados, transportados e destinados em conformidade com as normas técnicas específicas.

Classe D

Resíduos perigosos oriundos do processo de construção, como tintas, solventes, óleos ou aqueles contaminados ou prejudiciais à saúde oriundos de demolições, reformas e reparos de clínicas radiológicas, instalações industriais. A lista também inclui telhas e demais materiais que contenham amianto ou outros produtos nocivos à saúde.

Destino: deverão ser armazenados, transportados e destinados em conformidade com as normas técnicas específicas.

Reutilização x reciclagem

É comum haver confusão entre reutilização e reciclagem, mas cada palavra tem um significado diferente na gestão de resíduos:

  • Reutilização é o processo de reaplicação de um resíduo, sem transformação do mesmo
  • Reciclagem é o processo de reaproveitamento de um resíduo, após ter sido submetido à transformação

7 dicas para evitar e melhor aproveitar o entulho na construção

As diretrizes nacionais de gestão e gerenciamento de resíduos sólidos na construção civil orientam que seja observada a seguinte ordem de prioridade:

  • Não geração 
  • Redução
  • Reutilização
  • Reciclagem 
  • Tratamento dos resíduos sólidos
  • Disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos

Com base nessa lista, você pode projetar e executar seu empreendimento de forma mais sustentável

1. Não compre mais do que o necessário

Não pode faltar matéria-prima no seu canteiro de obras, mas as compras acima do previsto no projeto implicam em custos desnecessários e aumentam o risco de desperdício. Ou seja, os excessos geram mais entulho no seu empreendimento.

A solução passa pela gestão adequada de suprimentos, o que inclui práticas como controle de estoque e atenção ao layout do canteiro de obras. Neste artigo você vai conhecer dez formas de evitar esse problema.

2. Avalie o método construtivo

A escolha do método construtivo adequado pode aumentar a sustentabilidade da obra e facilitar a não geração de resíduos.

Projetos executados a partir de modelos pré-fabricados e pré-moldados têm peças produzidas com menos desperdício de materiais e sem a mesma produção de entulho das construções convencionais. 

3. Invista na qualificação da equipe

As duas primeiras dicas priorizam a não geração de resíduos antes da execução da obra. Agora, a prioridade é garantir que as demais etapas do empreendimento produzam o mínimo possível de resíduos. Ter uma equipe qualificada vai fazer toda a diferença no volume final de entulho na construção.

Invista em educação ambiental e treinamento da mão de obra. A capacitação vai ajudar os profissionais a ter mais cuidado no manejo dos materiais e a providenciar a destinação mais adequada.

4. Faça uma triagem adequada das sobras

Organize as sobras dos materiais de modo planejado no canteiro de obras. A conservação de alguns elementos pode ser comprometida quando armazenada em local impróprio ou misturada a outros resíduos.

A atenção ao processo de separação também evita quebras e outras formas de deterioração indesejadas. Por isso, providencie locais de descarte para cada tipo de resíduo com identificação por categoria e especificação. 

5. Reutilize materiais na própria obra

Sabia que parte do entulho na construção pode ser aproveitada em benefício da mesma obra? Antes de serem transportados para pontos de coleta e reciclagem, alguns materiais ganham nova serventia quando transformados no próprio canteiro. Esta opção vale para o resíduos da Classe A, apresentados anteriormente.

  • Sobras de concreto costumam ser reaproveitadas na forma de matéria-prima do concreto não estrutural, como em calçadas.
  • A madeira reciclada tem reúso garantido na forma de compensado e de mobiliário. Bobinas de fiação podem ser usadas como mesa, por exemplo.

6. Aposte na gestão de reciclagem do entulho na construção

Uma vez que você já organizou e reutilizou parte do entulho na construção, é hora providenciar o descarte adequado do material restante. Mas atenção: muitos resíduos ainda carregam valor comercial! É o caso de sucatas de papel, plástico, cobre, alumínio e aço.

Identifique empresas e cooperativas legalizadas e aptas a fazer o trabalho de coleta e reciclagem na sua região. Esse mapa interativo da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon) pode te ajudar!

Quando os resíduos não despertam interesse de venda, você pode considerar doá-los para abater o custo do frete.

Materiais produzidos pelas unidades de reciclagem:

  • 38% Bica corrida ou brita corrida recicladas
  • 18% Areia reciclada
  • 13% Pedras 1, 2 e 3 recicladas
  • 11% Rachão reciclado
  • 10% Pedrisco reciclado
  • 4% Pó de pedra reciclado
  • 4% Cavaco de madeira reciclado
  • 2% Artefatos de concreto

Fonte: ABRECON, 2015

Principais compradores dos materiais produzidos pelas unidades de reciclagem:

  • 28% Construtoras
  • 24% Órgãos públicos
  • 20% Pessoa física
  • 14% Pavimentadoras
  • 14% Outros

Fonte: ABRECON, 2015

7. Atenção ao Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (PGRCC)

A ordem de prioridades na gestão dos resíduos sólidos ainda depende do seu tratamento e da disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos. Se ignoradas, estas etapas podem resultar na contaminação do solo e prejudicar a fauna e a flora. Além do impacto ambiental, isto coloca em risco as certificações e a credibilidade da sua empresa!

Por isso, dê atenção ao Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (PGRCC). Mais do que uma obrigação perante os órgãos fiscalizadores, as diretrizes do PGRCC vão diminuir o impacto gerado pelo entulho na construção. Neste artigo você vai encontrar tudo sobre o PGRCC.

Atenção, é proibido!

O Conama determina que os resíduos da construção civil não poderão ser dispostos em aterros de resíduos sólidos urbanos, em áreas de “bota fora”, em encostas, corpos d’água, lotes vagos e em áreas protegidas por lei.

Também é proibido pela Política Nacional o descarte de resíduos sólidos ou rejeitos:

  • Lançados em praias, no mar ou em quaisquer corpos hídricos
  • Lançados in natura a céu aberto (exceto os resíduos de mineração)
  • Queimados a céu aberto ou em recipientes, instalações e equipamentos não licenciados para essa finalidade
  • Outras formas vedadas pelo poder público.

Conclusão

Você viu que a gestão dos resíduos responsáveis pela formação de entulho na construção requer a atenção da sua empresa antes, durante e após a conclusão da obra. Tudo começa pela observação aos materiais necessários à execução do projeto, passando pela organização e armazenamento dos resíduos até as medidas de reutilização, reciclagem e destinação.

Gostou do artigo? Compartilhe nas redes sociais! Informe outras pessoas sobre como as boas práticas na gestão do entulho na construção podem ajudar o meio ambiente e o seu próprio negócio.