banner sienge

Casas pré-moldadas e drywall agilizam obras e reduzem custos

9 de maio de 2018

Você sabe que o déficit habitacional continua muito grande em nosso País e a casa própria ainda é o maior sonho de muita gente. Neste sentido, as casas pré-moldadas ou pré-fabricadas e com o uso do drywall são boas alternativas disponíveis no mercado.

Essas tecnologias têm como principais atrativos agilizar e diminuir os custos das obras. Por isso, são ideais para quem tem pressa e quer gastar menos em uma residência.

No entanto, ainda são de aplicação relativamente pequena no Brasil. Talvez isso ocorra porque ainda pairem dúvidas sobre a viabilidade e qualidade desses métodos construtivos.

Você vai gostar de saber mais sobre isso.

Construção em seções ou módulos para montagem na obra

casas pré-moldadas e drywall

Casa pré-moldada em concreto (Crédito: Contempla/SC/Divulgação)

Nas casas pré-moldadas ou pré-fabricados, os módulos ou seções da edificação são fabricados sob medida e em um lugar afastado da obra.

Depois, esses módulos são montados no local da obra, como peças de um quebra-cabeças.

Uma parte ou até toda a casa pode ser feita em uma fábrica, em concreto, madeira ou aço, e depois transportada para o endereço da construção. Ou, então, uma parte é trazida pronta da fábrica, enquanto as outras peças são moldadas no próprio canteiro de obras.

Isso não se aplica apenas a residências, que é o foco deste artigo. Também prédios de obras públicas, edifícios ou mesmo indústrias podem usar o modelo construtivo do pré-moldado.

Tecnologia cresceu após Segunda Guerra

Uma curiosidade histórica: a tecnologia do pré-moldado é antiga, mas ganhou impulso na Europa após a Segunda Guerra Mundial.

O esforço de reconstrução dos países em ruínas exigia rapidez e foi aí que o pré-moldado mostrou que é muito mais ágil do que a obra tradicional.

casas pré-moldadas e drywall

Arquiteto João da Gama Filgueiras Lima, o Lelé, em frente ao Hospital Sarah Kubitshek de Brasília, obra dele (Créditos: IAB-SC/Divulgação)

No Brasil, tornou-se célebre o arquiteto João da Gama Filgueiras Lima (1931-2014), o Lelé, que participou da construção de Brasília, com Oscar Niemeyer e Lúcio Costa. Ele é considerado o “pai do pré-fabricado de concreto” no Brasil e deixou inúmeras obras País afora com essa técnica.

Lelé acreditava que só o pré-fabricado teria agilidade para suprir, rapidamente, as tantas deficiências do País em termos de equipamentos públicos essenciais à população.

Em Salvador, Bahia, criou uma fábrica de onde saíam semiprontos hospitais, escolas, passarelas e outras estruturas para serem montadas no local de destino.

Diferença entre casa pré-moldada e pré-fabricada

À primeira vista, a diferença entre pré-moldado e pré-fabricado não é muito clara. Costuma-se até usar as duas expressões como sinônimas.

O mais importante é que, em ambos os casos, as estruturas são produzidas fora do lugar da instalação definitiva. Porém, na casa pré-fabricada as estruturas vêm de uma indústria especializada, de uma linha de montagem.

Na pré-moldada, as peças, ou parte delas, são feitas no canteiro da obra, mas fora do local onde serão instaladas.

Além disso, no pré-moldado, o controle de qualidade é menos rigoroso, o que requer uma supervisão e fiscalização maior da obra.

Quando o material é pré-fabricado, a produção é feita de forma industrial, numa fábrica mesmo. Com isso, o controle de qualidade é mais exigente.

Por exemplo, cada peça pré-fabricada precisa vir com data da fabricação, tipo de material usado e identificação dos técnicos responsáveis.

Norma Regulamentadora da ABNT

Mas os especialistas garantem: qualquer uma das duas formas, se for utilizada conforme as recomendações técnicas, pode atender adequadamente às necessidades do comprador.

Para saber mais sobre essa diferença, recomendo consultar a ABNT NBR 90622017.

Agora, o mais importante:

Quais as vantagens dessas técnicas?

O tempo menor de duração da obra é um diferencial enorme. Enquanto uma casa convencional, normalmente, leva mais de 90 dias para ser construída, uma casa pré-moldada pode ser construída em 30 a 45 dias. Ou até menos.

Mesmo no caso de projetos maiores, mais complicados, o processo é sempre mais rápido que na construção convencional. Essa é a sua principal diferença.

Em relação ao custo, especialistas do setor afirmam que entre duas casas de características semelhantes, a pré-moldada ou pré-fabricada terá uma despesa cerca de 30% menor que a construída de forma tradicional.

As casas podem ser tanto de alvenaria como de madeira. Em ambos os casos, existem financiamentos nos bancos públicos e privados para contratação.

Existe também oferta de variedade de projetos. Já não cabe aquela antiga ideia de que pré-fabricado é tudo igual.

As empresas desse ramo costumam oferecer catálogos de projetos prontos para os clientes. Mas existe flexibilidade: é possível produzir alterações nas plantas e materiais usados.

O método também torna a obra mais sustentável, uma vez que as peças são produzidas em moldes, com menos desperdício de materiais e sem a enorme produção de entulho das construções tradicionais.

Há um emprego menor de mão de obra, o que contribui para a diminuição acentuada do preço final.

Porém, há um outro sistema de casas pré-fabricadas que você precisa conhecer. É o que utiliza o drywall, também conhecido como “parede seca”.

Veja que interessante.

Material é muito utilizado na Europa e Estados Unidos

A casa em drywall é largamente usada na Europa e Estados Unidos. O termo significa tanto o método de construção como o material em si, que é extremamente versátil.

As chapas ou placas de drywall são fabricadas industrialmente, com miolo de gesso, água e aditivos. Por fora, os painéis assemelham-se às paredes de alvenaria, podendo ser usados em paredes, forros, divisórias, móveis e outras inúmeras aplicações.

Numa parede, por exemplo, as chapas são duplas, parafusadas nas peças metálicas de sustentação e com um enchimento no meio delas, que pode ser de lã de vidro. Depois de montadas, são recobertas com massa, para então receber a pintura.

Os principais tipos de drywall

Existem três tipos básicos de drywall, que se diferenciam pela cor usada para definir a sua aplicação:

  • Branco (ST): é o modelo mais simples (standard), usado em forros e paredes dos ambientes secos.
  • Verde:  incorpora silicone e aditivos fungicidas misturados no gesso, para aplicação nas áreas úmidas, como banheiro, cozinha e lavanderia.
  • Rosa (RF): utiliza fibra de vidro na sua composição, sendo empregado nos ambientes com lareira e bancada do cooktop.
casas pré-moldadas e drywall

Placas de drywall nas suas três versões básicas (Foto: Sulmódulos/Divulgação)

Há diversos outros tipos, para empregos mais específicos. Veja no link alguns exemplos de paredes e divisórias com o material.

Em resumo:

  • A espessura das paredes é menor, representando ganho considerável de espaço no ambiente interno da residência.
  • É um material leve e bastante versátil, fácil de montar, o que aumenta a flexibilidade e adaptação dos projetos às demandas da clientela.
  • Redução de mão-de-obra em relação às edificações convencionais.
  • Por ser bem mais leve que a alvenaria, tem menos custos com fundações e estruturas, o que diminui sensivelmente o preço final da obra.
  • O gesso é bom regulador de temperatura e umidade.
  • Isolamento acústico maior que a alvenaria, com o uso de lã mineral ou de vidro. O material confere boa resistência ao fogo também.

Também é considerado mais sustentável que a construção convencional, pois é um sistema de construção a seco, onde não é utilizada água durante a sua construção.

Construção rápida e limpa, com pouco descarte de produtos, pouco resíduo e materiais totalmente recicláveis.

Você vai gostar deste vídeo sobre o assunto:

Mas atenção, cabem duas ressalvas:

– É preciso o uso de profissionais treinados para efetuar as instalações, pois o trabalho mal realizado pode movimentar, tirar a estabilidade e resistência das placas.

– A instalação de equipamentos muito pesados nessas paredes deve ser cuidadosa. Objetos com mais de 10 quilos devem ser fixados nas estruturas metálicas.

Maior fábrica da América Latina está no Rio de Janeiro

O drywall chegou ao Brasil nos anos de 1990 e sua utilização cresceu nos últimos anos, com a instalação no país de alguns fabricantes mundiais do sistema. A maior fábrica do produto na América Latina está instalada no Rio de Janeiro.

Havia alguma resistência pela aparente fragilidade do produto, mas com o uso e os resultados práticos essa objeção vem se desfazendo rapidamente. Ainda assim, o consumo do material no país é pequeno.

Veja isso no gráfico comparativo da Associação Brasileira do Drywall, que reúne empresas e faz a divulgação do método construtivo no país.

Déficit habitacional e financiamento apontam boa perspectivas

Agora, vou mostrar a você porque as perspectivas do mercado na construção civil são boas para as obras pré-moldadas, pré-fabricadas e de drywall.

Primeiro, as restrições a essas tecnologias que existiam, por desinformação, diminuíram sensivelmente, conforme se tornaram mais conhecidas.

Segundo, a demanda por moradias não diminuiu e continua muito grande no país.

Terceiro, existem programas de financiamento para a casa própria, públicos e privados, acessíveis a todas as faixas de renda.

Veja agora o que diz uma pesquisa do Sinduscon de São Paulo, divulgado ano passado.

Apesar do programa Minha Casa Minha Vida, do governo federal, o déficit habitacional cresceu no Brasil nos últimos anos. Em 2015, esse dado registrou crescimento de 2,7% em relação a 2014, uma carência de mais 202 mil domicílios.

Foi o terceiro ano de piora nas carências habitacionais do país, alcançando 7,7 milhões de domicílios, no total.

O estudo do déficit habitacional do Brasil foi realizado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), sob encomenda do SindusCon-SP. Tem como base as Pesquisas Nacionais de Amostra Domiciliar (PNAD) do IBGE, realizadas anualmente.

Ele mostra também o seguinte:

  • 3,3 milhões de moradias com famílias que comprometem uma alta porcentagem de suas rendas com aluguel;
  • 3,2 milhões com famílias vivendo em coabitação;
  • 942,6 mil moradias precárias;
  • 317,6 mil domicílios alugados para um número excessivo de pessoas;
  • 42% coabitam e 42% sofrem de ônus de aluguel excessivo (comprometem mais de 30% com aluguel);
  • 91% do déficit está entre as famílias que ganham até 3 salários mínimos;
  • Houve aumento de 9% de habitações precárias no país.

Concluindo: ainda há muita casa para ser construída

Como se vê, a falta de moradia ainda é um problema grave e uma prioridade, para muitos milhões de brasileiros e brasileiras.

Ainda há muita casa para ser construída, com agilidade, redução de custos, para uma população que, em sua maioria, tem poder aquisitivo restrito.

Então, temos aí um campo muito amplo para o crescimento de tecnologias eficientes e mais acessíveis na Construção Civil, como as que eu apresentei a você.

Obrigado pela sua leitura. Espero que tenha sido útil para você. Se gotsou, deixe sua opinião e compartilhe com seus amigos e amigas.

E mãos à obra!

Tomás Lima

  • Gestor de Conteúdo
  • Graduado em Administração pela UFMG
  • Apaixonado por Construção Civil
 

Receba Novidades do Blog
Coloque o seu email acima para receber gratuitamente as atualizações do blog!
banner sobre ebook gerenciamento de obra do inicio ao fim
Saiba como o Sienge pode ajudar a sua empresa