Calhas possibilitam o reaproveitamento de água da chuva e podem promover economia

29 de abril de 2019

Quando se pensa em construir são muitos os detalhes a serem levados em conta. Um deles é o uso de calhas.

Você já sabe que essas estruturas não são um mero detalhe numa construção, mas que elas garantem, por exemplo, uma maior durabilidade do imóvel e diminuem o risco de alagamentos no terreno. Porém, o melhor de tudo é que elas possibilitam o reaproveitamento da água pluvial e promovem a economia.

Venha comigo nesta leitura e saiba como o uso de calhas pode trazer soluções sustentáveis para o seu empreendimento.

calhas chuva

Conceito

Uma calha nada mais é do que um canal ou duto, que pode ser feito de alumínio, ferro galvanizado, cobre, PVC, latão, fibrocimento ou concreto. Esse canal recebe a água da chuva e a leva aos condutores verticais.  

A importância de seu uso é ressaltada pela engenheira civil e coordenadora de Vendas do Sienge, Gabriela Torres. Ela explica que a calha protege a estrutura, tendo em vista o fato de a água poder ser prejudicial para a construção, como por exemplo, causando infiltrações. “A calha direciona a água para um local adequado e possibilita que se faça o recolhimento da água da chuva, podendo ser reutilizada”. A engenheira acrescenta que, o uso desse canal também evita alagamento, protege a estrutura de possíveis corrosões e de ser danificada por impacto de água.

Impermeabilização

calhas telhadoOs coletores de água da chuva são considerados materiais de construção sustentáveis. Esse sistema de coleta aproveita a estrutura da edificação e direciona a água de calhas e rufos para um reservatório, também chamado de cisterna, que pode ser ligado a torneiras, vasos sanitários e estruturas que não precisam de água potável. Com a captação da água da chuva, é possível economizar esse insumo e diminuir o número de áreas impermeabilizadas.

De acordo com a Associação das Empresas de Impermeabilização do Rio de Janeiro, a impermeabilização é o menor custo de uma obra. Para a Associação, “apesar de sua importância, a impermeabilização é deixada de lado em muitas obras. Os principais motivos da não adoção do processo são a desinformação e a ideia de que assim, é possível conter gastos”.

Legislação

Para utilizar as calhas em uma obra é recomendável fazer um projeto e ficar atento para cumprir os requisitos da legislação para daí então, reusar a água pluvial. As normas ABNT NBR 10844:1989 e ABNT NBR 5626:1998 são exemplos de documentos nacionais que regem a regulamentação do reuso de água da chuva.

Veja o objetivo dessas normas:

ABNT NBR 10844:1989

Esta Norma fixa as exigências necessárias aos projetos das instalações de drenagem de águas pluviais, visando a garantir níveis aceitáveis de funcionabilidade, segurança, higiene, conforto, durabilidade e economia.

ABNT NBR 5626:1998

Esta Norma estabelece exigências e recomendações relativas ao projeto, execução e manutenção da instalação predial de água fria. As exigências e recomendações aqui estabelecidas emanam fundamentalmente do respeito aos princípios de bom desempenho da instalação e da garantia de potabilidade da água no caso de instalação de água potável.

Limpeza

É importante lembrar que, não basta instalar as calhas e esquecer que elas existem. Como praticamente tudo, é necessário fazer a manutenção e a limpeza regulares, para que suas funções sejam desempenhadas a contento.

É indicado, por exemplo, o uso de filtros para não permitir que a sujeira entre em contato com a água que será armazenada, até mesmo para evitar entupimento. Essas proteções bloqueiam a entrada de folhas e dejetos dentro da calha. Outra forma alternativa eficiente é aumentar diâmetro do tubo de escoamento.

Reuso

calhas casaUtilizando as calhas em sua casa ou empreendimento é possível  fazer a captação da água provinda da chuva, o armazenamento e o tratamento, tendo em vista seu reuso. O intuito é criar um sistema de tratamento da água para reutilizá-la e abastecer a residência.

Para isso, deve-se levar em conta que é necessário:

  • ter uma caixa coletora e fazer com que a água pluvial passe pelo processo de filtragem e de desinfecção;
  • calcular quanto de água cada edificação poderia utilizar através de um sistema de aproveitamento de água através de calhas.

Ainda assim, essa água não será considerada potável, ou seja, não estará apta para ingestão, higienização de alimentos e de utensílios, e nem para banho. No entanto, poderá ser usada para, por exemplo: lavar roupa, limpeza doméstica, bem de como de carros e calçadas, assim como para uso na jardinagem.

Aplicação

Quando se for colocar na prática a aplicação de calhas em seu empreendimento, é necessário contar com a ajuda de um profissional especializado pelos seguintes motivos:

  • na hora da execução precisa se calcular a angulação das calhas, tendo em vista o fato de elas serem feitas com base na inclinação do telhado;
  • deve-se se levar em consideração a área total do telhado para se fazer a medição;
  • considerar que essas calhas precisam suportar o peso da água, até mesmo para os dias com chuva forte e prolongada;
  • escolher o material mais apropriado para fabricar a calha, com base na necessidade específica de cada empreendimento.

Depois desse processo é que as calhas devem ser produzidas e, em seguida, instaladas. Deve-se ponderar também que são materiais grandes e que o processo de transporte e instalação deve ser feito por uma prestadora de serviços qualificada para esse tipo de trabalho (geralmente de empresas de acabamento, com empreiteiros).

Sustentabilidade

calhas reuseTer em vista o fato de água ser um recurso finito, e que, cada vez mais se torna caro, pode mudar o jeito de se encarar o consumo desse bem tão importante e raro para a humanidade. O conceito de sustentabilidade nunca esteve tão em alta e fazer um bom uso da água se encaixa nesse pensamento. Não se trata de modismo, mas sim, de uma mudança de paradigma e de se ter consciência que, se não passarmos a reduzir o consumo, e também, adotar a prática do reaproveitamento, cada vez mais nossos recursos ambientais serão escassos.

No âmbito da construção civil, sabe-se que a área é responsável por grande parte dos resíduos sólidos gerados. O próprio Conselho Internacional da Construção (CIB) considera a indústria da construção como o setor de atividades humanas que mais consome recursos naturais e utiliza energia de forma intensiva, gerando consideráveis impactos ambientais.

O Ministério do Meio Ambiente corrobora com a afirmação e alerta: “além dos impactos relacionados ao consumo de energia, há aqueles associados à geração de resíduos sólidos, líquidos e gasosos. Estima-se que mais de 50% dos resíduos sólidos gerados pelo conjunto das atividades humanas sejam provenientes da construção”.

Segundo o órgão federal, algumas atitudes podem ajudar na redução e na otimização do consumo de materiais e energia, na redução dos resíduos gerados, na preservação do ambiente natural e na melhoria da qualidade do ambiente construído, são elas:

  • mudança dos conceitos da arquitetura convencional na direção de projetos flexíveis com possibilidade de readequação para futuras mudanças de uso e atendimento de novas necessidades, reduzindo as demolições;
  • busca de soluções que potencializem o uso racional de energia ou de energias renováveis;
  • gestão ecológica da água;
  • redução do uso de materiais com alto impacto ambiental;
  • redução dos resíduos da construção com modulação de componentes para diminuir perdas e especificações que permitam a reutilização de materiais.

Vimos que o uso de calhas pode ser considerado um detalhe imprescindível para as obras de maneira geral. Além de evitar diversos problemas com o escoamento da água, a prática tem um diferencial: fazer com que a construção seja sustentável! Partindo-se do princípio dos 3R’s: reduzir, reutilizar e reciclar, tem-se indicativos de boas práticas a serem tomadas na indústria da construção.

Tendo em vista que, 60% do lixo sólido das cidades vêm da construção civil e que, 70% desse total poderiam ser reutilizados, começar pelo reuso da água pluvial é uma excelente alternativa. Essa é uma boa opção tanto pelo fato de se pensar no meio ambiente, quanto pela economia gerada com a prática, pelo fortalecimento da imagem de sua empresa e pelo valor agregado que a prática pode trazer para a sua marca. Se esse conteúdo foi interessante para você, curta e compartilhe, pois ele pode ser útil para outras pessoas também!

Martha Ramos

  • Jornalista, Especialista em Marketing
  • Redatora do Sienge
 

Saiba como o Sienge pode ajudar a sua empresa