banner sienge

Acidentes na Construção Civil – Uma infeliz realidade do setor

16 de outubro de 2017

Poucas situações são tão complicadas, como ter acidentes na construção civil, não é mesmo?

Você pode diminuir, consideravelmente esse risco, conhecendo os tipos mais comuns de acidentes.

As notícias em manchetes de jornais não mentem: o número de acidentes na construção civil é duas vezes maior que a média. Isso falando do pior tipo de acidente, o que leva o colaborador ao óbito.

De acordo com as estatísticas da Previdência Social, somente o setor de Transporte Rodoviário de Carga está na frente da Construção Civil em número de acidentes totais. E definitivamente não é uma posição para se orgulhar.

Ao longo deste artigo, nós do Sienge, procuramos mostrar os seguintes pontos sobre acidentes na construção civil:

  • Principais causas;
  • Tipos de acidentes na construção civil mais comuns;
  • Situações onde mais ocorrem;
  • Como evitá-los.

Tudo para a sua construtora, incorporadora ou empresa de reformas evitar o maior dos problemas da construção civil.

Principais causas de acidentes na construção civil

Conhecer onde é originado o problema, é a melhor forma de solucioná-lo. Esse é o princípio por trás da ferramenta de qualidade chamada “Análise de Causa-Efeito” ou “Análise de Espinha de Peixe”. Vamos entender os motivos de acontecer tantos acidentes na construção civil?

Falta de atenção dos colaboradores

Ao ouvir a opinião de 659 trabalhadores da construção no estado de São Paulo, o estudo do SintraconSP concluiu que a falta de atenção é a maior causa de acidentes na construção civil, com surpreendentes 73,39%.

A falta de uma cultura de prevenção de acidentes e negligenciamento da importância dos itens de segurança de trabalho fazem parte desse cenário. Ao todo, 8,35% dos trabalhadores entrevistados já sofreram algum tipo de acidente.

Não usar EPI – Equipamento de Proteção Individual

Mesmo sendo distribuído gratuitamente na grande maioria das obras, ainda há construtoras que não disponibilizam o EPI para seus colaboradores. E olha que elas são obrigadas, de acordo com o artigo 166 da CLT.

Mas a culpa não recai apenas nas empresas. Muitos trabalhadores optam por não utilizá-lo, seja por desconforto, maus hábitos ou falta de consciência sobre sua importância. E de acordo com a consolidação das leis do trabalho, o colaborador pode ser desligado por justa causa se não estiver usando os EPIs no intuito de reduzir os riscos de acidentes de trabalho na construção civil.

banner do ebook sobre produtividade na construção

Falta de fiscalização no ambiente de trabalho evitando acidentes de trabalho na construção civil

A responsabilidade da empresa não termina ao entregar as EPIs. Ela precisa fiscalizar rotineiramente se as pessoas estão usando corretamente, se têm alguma dúvida ou se o equipamento está inapropriado.

E pode gerar um grande problema financeiro para construtoras que negligenciaram a fiscalização no canteiro de obras. Uma construtora foi condenada por não fiscalizar corretamente o uso dos EPI’s. No acidente o operário teve três dedos amputados. Essa decisão foi da 11ª Região (AM) e confirmada pela Quinta Turma do TST..

Equipamentos obsoletos

Acidentes na construção civil que levam à amputação de partes do corpo não são incomuns. E uma das principais causas é o fato dos colaboradores usarem máquinas que os expõem à um maior risco.

Por isso a NR 12, entre outras normas, foi implementada em 2010, determinando a troca por equipamentos mais seguros. Mesmo tendo muitas empresas contrárias, visando apenas o aspecto financeiro, a NR 12 contribuiu para reduzir o número de acidentes de 4.272 (em 2014) para 3.294 (em 2015).

Tipos mais comuns de acidentes

Acidentes podem ocorrer de diferentes formas, ainda mais num ambiente tão complexo quanto um canteiro de obras. Nós listamos os 5 tipos mais frequentes de acidentes na construção civil:

Quedas em altura

De acordo com a pesquisa sobre acidentes de trabalho realizada pela Sintrivel, essa foi a maior causa de acidentes, responsável por 21 acidentes em 2015. Até outubro deste ano, já foram mais 21 acidentes desse tipo.

Por isso há importância de usar equipamentos de proteção, como ganchos que evitem consequências ainda maiores. Outros incentivadores da segurança são o talabarte e o cinto de segurança.

Há mais de 9.900 resultados quando buscam-se “Queda em obra de construção civil” no Jusbrasil, mostrando o quanto esse problema afeta:

  1. Colaboradores que podem até perder sua vida nesses acidentes na construção civil;
  2. Empresas da Construção, que podem ter que pagar indenizações de milhares de reais.

Cortes e Lacerações

Serras e canivetes são alguns dos itens afiados que causam acidentes sérios. Em geral acontecem, mais uma vez, pela falta de uso das EPIs. Afinal uma luva de proteção aumenta o tempo de resposta, numa situação onde a mão entra em contato com uma serrilha, por exemplo.

A falta de treinamentos, explicando as potenciais consequências de manipular de forma incorreta equipamentos afiados, também contribuem para o número de acidentes na construção civil desse tipo não diminuir.

L.E.R. (lesões por esforços repetitivos)

Doença que normalmente afeta trabalhadores que fazem atividades muito rotineiras e operacionais. Normalmente acabam virando bursites, tendinites e mialgias. E a queda da potência do braço, o que pode incapacitar um trabalhador.

A L.E.R. é comum na construção civil em profissões como furadores de pedra, por controlarem o perfurador por um tempo longo. Uma das formas de reduzir seu risco, é fazer alongamentos ao longo do dia e mudanças de atividades na rotina.

Exposição aos sons altos

A falta de protetores intra-auriculares expõe a audição a barulhos nocivos, que podem afetar negativamente a vida do operário por toda a sua vida. De acordo com especialistas, não é aconselhado ouvir sons acima de 85 decibéis de forma contínua por 8 horas.

E cuide: não é aconselhado ficar exposto por mais de duas horas, em ambientes com sons acima de 95 decibéis.

Esse tipo de acidentes na construção civil, podem causar perda de audição, zumbidos, transtornos de atenção e até mesmo, a depressão. Lembre-se disso quando esquecer de usar os abafadores de sons.

Picadas de insetos e bichos peçonhentos

Pelas características de obras, principalmente na etapa de preparação do terreno, há muitos animais peçonhentos (escorpiões, cobras, aranhas e outros). A principal preocupação nesses casos é com os pés, onde normalmente se é atacado.

O uso de botas específicas, com sistema de absorção de impacto e por ser normalmente de couro, protege das picadas e consequentemente, inoculação de veneno no trabalhador da construção civil.

Isso traz um efeito grande para a empresa da construção também. Além de uma possível indenização por danos físicos, também diminui a força produtiva, por ter um colaborador parado em casa. Dois prejuízos decorrentes de, muitas vezes, não dar importância devida à segurança do trabalho nas obras.

Situações onde mais ocorrem acidentes na construção civil

Uma obra é composta por etapas, então é normal que haja um risco maior em umas que em outras. Para começarmos, aproveitando o ganho com os “bicho peçonhentos”, vamos falar de limpar terreno.

Nessa etapa não há quase nenhuma infraestrutura, ou quando há, é muito precária. Na montagem do barracão, que é feito com madeiras e lonas. Já imaginou se as madeiras pesadas caem sobre alguém? Ou furar um pé em um prego no meio do terreno?

A segunda situação é em deslocamentos. Levar meia tonelada de cimento, três andares acima, favorece o aparecimento de acidentes. Desde, objetos que podem desabar, até problemas com substâncias químicas, que podem provocar alergias. E é comum prensar dedos, mãos e pés, entre um objeto e a parede, durante o trajeto, provocando muitas vezes, uma invalidez.

Como evitar acidentes de trabalho na construção civil

Ao longo do artigo, você foi tendo ideias e dicas do que fazer (e principalmente não fazer), certo? Agora vamos te falar das 5 pistas incríveis para evitar ao máximo, acidentes na sua obra:

  1. Dê importância para as NRs
    Cada norma foi elaborada para um dos pontos críticos da construção. Veja mais sobre a NR 4, NR 12, NR 18 e a NR 35.

  2. Veja se todos estão usando EPIs
    A importância da segurança de trabalho na construção civil é notória. Não se preocupar realmente com o uso diário das EPIs é ir contra isso.

  3. Faça o DDS – Diálogo Diário de Segurança
    Conheça essa ferramenta que tem busca a prevenção de acidentes, mostrando as melhores práticas para empresas da construção.

  4. Capacite toda sua mão de obra. Evite acidentes na construção civil
    Invista em treinar seus colaboradores, mostrando para eles a importância da própria segurança. Infelizmente, só se vê o quanto é ruim ser inválido, quando a pessoa fica inválida.

  5. Crie a CIPA
    Ter uma comissão interna de prevenção de acidentes, é ter um time focado num dos problemas críticos para sua construtora: segurança dos seus colaboradores. Regulamentada na NR 5, ela foca na prevenção de acidentes decorrentes do ambiente de trabalho.

Gostou do nosso artigo? Compartilhe essa lista com seus colegas, através do Facebook, Linkedin e Twitter.

Dayvson Carvalho

  • Analista de Marketing
  • Graduado em Administração pela ESAG
  • Apaixonado por números, dados e estatística
 

Receba Novidades do Blog
Coloque o seu email acima para receber gratuitamente as atualizações do blog!
Saiba como o Sienge pode ajudar a sua empresa