Escrituração Contábil Fiscal (ECF) – Tudo que você precisa saber para não ser notificado e multado por divergências na entrega

Os assuntos ligados ao fisco e a tributação de modo geral tem ganhado cada vez mais destaque com o recente debate sobre a Reforma Tributária. Apesar de necessária para colocar o Brasil nos eixos, tal medida deve impactar muitas empresas, principalmente as de pequeno e médio porte.

Se já não bastasse tal preocupação, existe outra questão tributária que é um ponto de atenção para muitos empresários desde 2014: A Escrituração Contábil Fiscal, ou simplesmente ECF.

O que é ECF?

A ECF é uma das obrigações fiscais integrantes do projeto SPED e está prevista pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013.

A entrega dessa declaração fiscal vem em substituição à DIPJ e é obrigatória desde 2014.

A ECF deve ser apresentada de forma centralizada pela matriz de todas as pessoas jurídicas tributadas pelo lucro real, lucro presumido e lucro arbitrado.

Estão dispensadas da apresentação desta obrigação fiscal:

    • As empresas optantes pelo Regime Simples Nacional;
    • Os órgãos públicos, autarquias e fundações públicas;
    • As pessoas jurídicas inativas;

 

Para o caso das Sociedades em Conta de Participação (SCP), modalidade societária comum na construção civil, a ECF deverá ser transmitida separadamente pela sócia ostensiva.

O Prazo inicial para entrega do ECF 2021 era dia 30 de julho, porém, houve adiamento e a nova data final da entrega é 30/09/2021, conforme Instrução Normativa RFB 2.039/2021.

Notificações por Divergências

Algumas construtoras já estão sendo notificados por problemas relacionado a entrega da ECF e essa comunicação é feita pelo domicilio tributário do contribuinte. Hoje em dia, a grande maioria é optante pelo meio eletrônico, conhecido também como DTE (Domicílio Tributário Eletrônico) e as interações com o fisco ocorrem através do ECAC (Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte).

Através do portal ECAC é possível ter mais celeridade nos trâmites tributários, acessar intimações, notificações, autos de infrações, entre outros. O contribuinte (ou seu contador), através de um certificado digital para acesso ao ECAC, precisam estar atentos, pois a receita federal considera que sua empresa está ciente da notificação assim que o registro é feito no sistema.

Em um primeiro momento, o fisco tem buscado apenas intimar o contribuinte para que justifique as divergências detectadas em relação ao que foi informado na E-Financeira.

As empresas que se enquadrarem nessa situação tem o prazo de 15 dias para justificar as diferenças apontadas, ou o que seria mais grave, retificar a sua escrituração pagando as diferenças dos impostos e contribuições com os acréscimos legais.

Atenção: Um problema recorrente é a entrega em branco da ECF, justamente por falta de conhecimento de algumas construtoras (ou de seu contador) sobre o tema.

→ Quer automatizar a entrega da ECF? Conheça o Sistema Contábil do Sienge

Como a Receita Federal encontra divergências?

A Receita Federal possui um sistema parametrizado que cruza informações através de convênios de colaborações em instituições, seja no âmbito estadual ou federal, e tem acesso aos seguintes dados do contribuinte:

    • Movimentações informadas no E-Financeira
    • Cartão de crédito e débito, tanto da pessoa física quanto da jurídica;
    • Compra e venda de imóveis, DOI (declaração de operações imobiliárias);
    • Aquisição de veículos novos;
    • Declaração de fontes pagadoras através das DIRFs;
    • Declarações de serviços de saúde;
    • Informações de imobiliárias (Aluguéis);
    • Imposto sobre transmissão causa mortis e doação (ITCMD);
    • Notas fiscais eletrônicas;
    • Lucro na venda de ações na bolsa de valores;

Multa

Caso não haja o cumprimento dos prazos, o contribuinte estará sujeito às penas cominadas no artigo 8º-A, caput do Decreto-Lei nº 1.598/1977:

Art. 8º-A. O sujeito passivo que deixar de apresentar o livro de que trata o inciso I do caput do art. 8º, nos prazos fixados no ato normativo a que se refere o seu § 3º, ou que o apresentar com inexatidões, incorreções ou omissões, fica sujeito às seguintes multas:

I – equivalente a 0,25% (vinte e cinco centésimos por cento), por mês-calendário ou fração, do lucro líquido antes do Imposto de Renda da pessoa jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, no período a que se refere a apuração, limitada a 10% (dez por cento) relativamente às pessoas jurídicas que deixarem de apresentar ou apresentarem em atraso o livro; e

II – 3% (três por cento), não inferior a R$ 100,00 (cem reais), do valor omitido, inexato ou incorreto.

(…)

§ 4º Quando não houver lucro líquido, antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social, no período de apuração a que se refere a escrituração, deverá ser utilizado o lucro líquido, antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social do último período de apuração informado, atualizado pela taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia – Selic, até o termo final de encerramento do período a que se refere a escrituração.

 

A multa que trata o 8º-A, caput, I do Decreto-Lei nº 1.598/1977 será limitada em:

R$ 100.000,00 (cem mil reais) para as pessoas jurídicas que no ano-calendário anterior tiverem auferido receita bruta total, igual ou inferior a R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais);

R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais) para as pessoas jurídicas que não se enquadrarem na hipótese de que trata o inciso I deste parágrafo.

Ainda referente a multa por falta de apresentação da ECF, temos que ela será reduzida:
em 90% (noventa por cento), quando o livro for apresentado em até 30 (trinta) dias após o prazo;

em 75% (setenta e cinco por cento), quando o livro for apresentado em até 60 (sessenta) dias após o prazo;
à metade, quando o livro for apresentado depois do prazo, mas antes de qualquer procedimento de ofício; e
em 25% (vinte e cinco por cento), se houver a apresentação do livro no prazo fixado em intimação.


O Sienge Conteúdo promoveu recentemente a palestra “Dicas para a entrega da ECF 2021 por construtoras e incorporadoras “, sanando dúvidas e instruindo as empresas do setor a como se preparar para essa entrega, confira abaixo:

Processo automatizado para entrega da ECF

Sistema de integração Contábil Sienge

O Sienge possui um sistema de integração contábil, que transforma os dados do financeiro em lançamentos contábeis, facilitando muito o trabalho do contador.

Utilizando o sistema de integração contábil, com o módulo de contabilidade, a empresa / contador, consegue ter maior confiabilidade das informações, automatização na geração dos lançamentos e baixo risco de dados incorretos.

Outro benefício é a possibilidade de ter a contabilidade e a entrega da ECF por centro de custo, com demonstrações contábeis para cada área da empresa.

É a segurança que você precisa na entrega da ECF.

Peça uma demonstração agora mesmo →

 

 

 

Compartilhe