banner sienge

Como fazer a composição de custo unitário de sua obra

31 de agosto de 2018

Sempre que falamos em orçamento de obra ou qualquer outra tarefa que inclua calcular valores de insumos e equipamentos, é muito comum associar o tema a dor de cabeça, gastos e imprevistos, não é mesmo? Mas saiba que é possível facilitar esta atividade por meio da composição de custo unitário, o que garante mais eficiência e assertividade.

Mas, talvez, você esteja se perguntando: como aplicar isso no dia a dia da minha construtora?

É exatamente por isso que estamos aqui, para responder essa e outras questões neste post. O objetivo é ajudá-lo a compreender melhor como essa prática funciona e as vantagens que ela pode oferecer para você.

Vamos começar?

O que é um cálculo de custo unitário

composição de custos unitários

Conhecido também como Composição de Preços Unitários (CPU) essa técnica está relacionada à engenharia de custos. Ela é utilizada na elaboração de orçamentos de obras e serviços.

Em geral, são calculados os índices de produtividade da mão de obra e consumo de materiais e equipamentos para execução de uma unidade.

Ao aplicar o método de CPU em seus empreendimentos, é possível prever as necessidades de insumos e estimar os custos diretos e indiretos de cada serviço.

Basicamente, a prática se resume à atividade de relacionar todos os custos praticados durante a obra ou após a sua execução.

A composição de custo unitário oferece esses valores com qualidade e um controle mais preciso, que permite negociações mais vantajosas. Com isso, é possível reduzir o custo final da obra e ampliar a margem de lucro.

Veja abaixo como aplicar isso no dia a dia:

6 passos para fazer uma boa composição de custo unitário

Os passos que vamos apresentar a seguir são importantes para que você evite erros durante a composição de custos. Com isso, você pode garantir mais assertividade em relação aos valores e ter mais chances para negociações. E tudo isso se resume em aumento na produtividade e lucro.

Mas antes de mais nada, é importante que você entenda qual a função de cada componente que aparece durante a composição de custos:

  • Insumos: representam cada um dos elementos necessários para a realização de um serviço. Os insumos podem ser referentes à mão de obra, materiais ou equipamentos;
  • Unidade: trata-se da unidade de medida de compra de cada insumo, por exemplo: metro, m², m³, quilograma, tonelada, etc;
  • Índice: refere-se ao coeficiente de utilização de cada insumo aplicado no projeto. Ou seja, é a quantidade necessária para obter uma unidade de serviço;
  • Custo Unitário: é o valor representativo do custo de cada unidade de insumo;
  • Custo Total: nada mais é do que a fórmula: Índice x Custo Unitário. Este é o valor total do insumo necessário para a realização de uma unidade de serviço.

1º Passo: Conheça o serviço

É extremamente importante conhecer e identificar o nome de cada serviço que ocorrerá durante a obra, bem como sua unidade de execução. Por isso, faça uma descrição detalhada, onde será possível compreender o método e os processos de execução.

2º Passo: Saiba identificar os insumos

Parece muito óbvio, mas é comum que algumas pessoas não saibam diferenciar insumos e serviços. E você irá precisar identificar cada um deles para sua execução.

Os insumos são definidos em três aspectos:

  • Material: envolve todos os tipos de materiais que serão utilizados em todas as etapas da obra. Por exemplo: areia, pedra, cimento, barras de aço, etc;
  • Mão de Obra: são os custos relacionados a contratação de todo o tipo de serviço especializado. Trata-se dos pedreiros, pintores, serventes, carpinteiros, entre outros;
  • Equipamento: todo o valor que se relaciona à aquisição ou aluguel dos mais diversos equipamentos ou máquinas. Dentre eles, lixadeira, furadeiras, lixeira, etc.

3º Passo: Faça o levantamento dos custos dos insumos

Para desenvolver a composição de custo unitário é necessário levantar os custos diretos dos insumos. Tais como: salários e encargos de mão de obra e o valor da compra dos materiais.

Deve ser algo semelhante ao item abaixo:

  • Custos de Mão de Obra (salário+encargos): Pedreiro: R$ 19,81/hora; Servente: R$14,01/hora;
  • Custos de Materiais: Tijolo cerâmico maciço: R$0,31/unidade.

4º Passo: Calcule o consumo dos insumos

Ao aplicar a composição de custo unitário você consegue calcular a produtividade da mão de obra. Mas para isso é preciso acompanhar a equipe na execução do serviço. Além disso é preciso anotar as horas trabalhadas por cada profissional e a quantidade de material consumido.

Seguindo o exemplo acima:

  • Produtividade da Mão de Obra: 1 Pedreiro e 1 Servente gastaram 24 horas para fazer 3 m³ do serviço;
  • Rendimento dos Materiais: Foram gastos 3.285 Tijolos cerâmicos maciços de 5 x 10 x 20 cm e 0,855 m³ de argamassa traço 1:2:8 (cimento, cal e areia média) para a execução de três m³ do serviço.

5º Passo: Encontre os índices

Com todas as informações acima em mãos, já é possível calcular os índices de consumo de cada insumo para a execução de uma unidade de serviço.

Observe:

tabela composição de custos unitários

6º Passo: Obtenha o preço unitário do serviço

Após encontrar o índice de consumo dos insumos, basta multiplicar pelo seu custo unitário para encontrar o custo total de cada um.

Desta maneira ao somar o custo total de cada insumo, você obterá o custo total de uma unidade de serviço.

Neste ponto, talvez você esteja se perguntando:

Como a composição de custos unitários pode ser vantajosa para a minha construtora?

A composição de custo unitário permite um panorama mais controlado e planejado para que a sua equipe possa prever situações que tornem o cronograma mais fácil a ser seguido.

Dentre os principais benefícios que a utilização do CPU pode garantir a sua construtora, são:

  • Agilidade nos cálculos;
  • Mais assertividade na elaboração do orçamento;
  • Auxílio no dimensionamento da equipe;
  • Auxílio na estimativa de quantitativos de materiais e equipamentos;
  • Redução de desperdícios;
  • Aumento na produtividade.

Os serviços referem-se a todos os insumos utilizados para o desenvolvimento de uma etapa de produção que seja mensurável no projeto.

Dessa maneira, sua construtora passa a se organizar com muito mais assertividade, menos imprevistos e um controle exato do tempo necessário para concluir cada etapa.

Conte com a ajuda da tecnologia

tecnologia composição de preços unitários

Cada vez mais presente na indústria da construção civil, a tecnologia pode ser uma grande aliada para desenvolver o orçamento de seus empreendimentos. Além das planilhas, existem softwares de gestão que integram os dados de toda a sua produção. O que garante mais praticidade e agilidade.

Mas fique atento a nossa dica:

Ao adquirir um ERP para auxiliar nessa etapa, é importante que verifique se essa ferramenta vem acompanhada de um banco de dados com as composições de custos.

Pode ser que você já tenhas suas próprias composições e índices. Mas muitas vezes, pode ser vantajoso comparar os seus custos com os do órgão solicitante. Inclusive para analisar a viabilidade da obra.

Os bons sistemas de orçamento de obras já vêm com as composições de diversos órgãos e revistas especializadas, com facilidade para atualização dos preços dos insumos. E ainda oferecem a importação, exportação e integração com outros bancos.

Além da possibilidade das planilhas e dos ERPs, você também pode encontrar na internet índices com os preços atualizados dos insumos.

O DNIT, por exemplo, divulga mensalmente suas composições e custos de equipamentos, inclusive com preços diferenciados por região do país. O EMOP e a FGV também compartilham periodicamente seus preços.

Para concluir

Como você pode ver, a CPU pode ser um diferencial competitivo para a sua construtora. Graças as suas vantagens, você consegue alinhar as suas soluções com base no que o mercado pratica.

Por isso, não deixe de atualizar os processos da sua construtora e descubra quais ferramentas podem ser úteis para você. Isso pode garantir o sucesso de seus empreendimentos.

Caso o post tenha esclarecido suas dúvidas, curta e compartilhe em suas redes sociais. E não deixe de comentar sua opinião sobre o tema.

Tomás Lima

  • Gestor de Conteúdo
  • Graduado em Administração pela UFMG
  • Apaixonado por Construção Civil
 

Receba Novidades do Blog
Coloque o seu email acima para receber gratuitamente as atualizações do blog!
Saiba como o Sienge pode ajudar a sua empresa