Como implementar rotinas de gerenciamento de obras

Gabriel Andrade

Escrito por Gabriel Andrade

26 de janeiro 2022| 6 min. de leitura

Compartilhe
temas para dds uso de maquinários

O ano de 2022 chegou e está na hora de virar a chave no que diz respeito a tudo que você conhece até hoje sobre gestão de obras. Apesar do trabalho na construção civil não parecer nem um pouco com uma receita de bolo – afinal, existem diversas variantes que podem influenciar nesse processo de construção -, gostaríamos de te apresentar uma receita secreta.

Já vimos que fatores como prazo, custo, segurança e qualidade, que são os 4 pilares da gestão de obras, são importantes e possuem impacto direto na sua gestão. Mas você sabe quais etapas seguir para que você consiga alcançar uma gestão de alta performance através de rotinas de gerenciamento?

Como implementar rotinas de gerenciamento de obras

Essa receita vai te ajudar a alcançar um crescimento profissional estruturado, e consequentemente te permitir expandir o seu negócio lucrando muito mais. Para isso, vamos te ensinar dois passos fundamentais. Confira!

1º etapa: Faça um fluxo de obra monitorada

Como o próprio nome já diz, é nessa etapa, chamada de fluxo de obra monitorada (FOM), que você deve buscar compreender qual o fluxo das ações, da comunicação e das informações presentes na sua obra, monitorando-as. 

Ou seja, não sabe por onde começar? Comece por aqui!

Faça o monitoramento das suas obras, e para isso você pode utilizar dois fatores extremamente importantes: a descentralização planejada (DP) e a liderança efetiva (LE).

A descentralização planejada nada mais é do que a habilidade que o gestor tem em delegar funções, quando necessário, tornando a sua equipe motivada através da responsabilização. Afinal, uma pessoa só não dá conta de tudo sozinha. 

Sendo assim, delegue! Você pode dividir a equipe em mestres, técnicos e encarregados, de acordo com cada tipo de serviço específico.

Esse primeiro fator, somado a uma liderança efetiva e compartilhada é capaz de revigorar os membros da obra para fornecer resultados diferenciados, através de um bom trabalho em equipe.

Afinal, ao contrário do que muitos pensam, um líder não é necessariamente o “chefe”. Liderar é saber motivar e engajar o grupo, ser proativo e independente, contribuindo para a eficiência do projeto como um todo.

Sendo assim, o fluxo de obra monitorada é: descentralização planejada + liderança efetiva. E através desse primeiro passo já é possível perceber mudanças no seu processo de gerenciamento e consequentemente nos seus resultados.

2º etapa: Saiba aplicar uma metodologia de gestão implementada

A segunda etapa diz respeito a metodologia de gestão implementada (MGI), e o seu sucesso depende de outros dois pontos importantes: as rotinas de gerenciamento (RG) somadas aos indicadores de gestão (IG).

Na prática, você sabe o que são as rotinas de gerenciamento?

Na rotina de trabalho, existe uma série de tarefas e demandas que surgem ao longo do dia. Sendo assim, se você, gestor, vai para o seu trabalho todos os dias e executa somente aquilo que aparece para fazer, você consequentemente possui uma rotina de tarefas e está sempre buscando resolver problemas e demandas diárias.

Por outro lado, existe também as rotinas de gerenciamento, que são aquelas demandas que já estão previamente marcadas na sua agenda, e alinhadas juntamente com a sua equipe, com o objetivo de analisar o que está sendo feito, as restrições e as soluções para a obra. Um exemplo disso são reuniões semanais, por exemplo.  

Ou seja, as rotinas de tarefas e de gerenciamento se diferem, pois a primeira diz respeito a demandas que vão surgindo ao longo do dia, e a segunda é uma rotina periódica marcada previamente com uma pauta específica. 

Parando para analisar as duas, é possível perceber que implementar uma rotina de gerenciamento é extremamente importante. Afinal, por mais que no final do dia você tenha que ter cumprido as demandas e resolvido os problemas, planejar e ter um cronograma assertivo com metas específicas é o que vai garantir o seu sucesso.

O segundo ponto e não menos importante são os indicadores de gestão, compostos por números e dados que dizem respeito ao desempenho da sua obra. Ou seja, é aquele resultado mensurável da sua equipe, obtido através dos índices que serão analisados por você, tendo como base os 4 pilares da gestão de obras: custo, preço, qualidade e segurança. 

Afinal, não podemos delegar a sorte o resultado gerencial da atividade da sua empresa. Sem previsibilidade e sem controle, você pode estar em uma grande enrascada. 

Conclusão

Sendo assim, se você está perdido, sem saber por onde começar, aqui estão as duas primeiras etapas essenciais a serem seguidas para alcançar uma gestão de alta performance, através de rotinas de gerenciamento que podem ser executadas através dessa simples equação: 

fluxo de obra monitorada + metodologia de gestão implementada = a receita secreta para rotinas de gerenciamento 

Agora que você sabe onde você deve concentrar as suas energias, comenta aqui o que você achou sobre esse artigo e não esqueça de enviá-lo para o seu amigo da construção civil!