Gerenciamento de obra: dos macro aos micro processos

Yan Bedin

Yan Bedin

Founder & COO na Prevision.

29 de setembro 2020

Acompanhar o andamento da obra e como as tarefas estão sendo realizadas é um processo contínuo: só acaba quando a obra chega ao fim. Então, embora seja um procedimento constante, esse não é o maior desafio para o gestor. O desafio está em suas minúcias. O gerenciamento de obra possui processos macro e micro.

Na prática, isso quer dizer que é preciso acompanhar o todo e também as particularidades de cada tarefa, pois perder uma informação é muito fácil. As etapas devem estar conectadas para garantir que não sairá do radar do gestor. 

Portanto, meu objetivo com este conteúdo é ressaltar para você a importância e a complexidade de se gerenciar uma obra. Farei isso destacando alguns pontos importantes e frisando a relevância de se contar com um gestor equipado com boas ferramentas e uma equipe qualificada. Vamos lá?

Por que o gerenciamento de obras é importante?

O gerenciamento de obra é o procedimento que acompanha todas as etapas do projeto, a execução da obra e as entregas. O objetivo é garantir que tudo está caminhando conforme o planejado. E caso haja algum imprevisto, é preciso resolvê-lo sem prejudicar prazos e orçamento.

Um elemento que se destaca nesse olhar macro do gerenciamento de obra é a de se ter uma visão de antecipação de gargalos. Isso significa tomar as melhores decisões diante dos cenários apresentados e aproveitar as melhores oportunidades para estar alinhado com a estratégia geral da empresa. 

Além disso, também faz parte do processo de planejamento e gerenciamento de obra assegurar a qualidade da construção, a segurança dos profissionais da obra, a redução de desperdícios etc.

Tudo isso é responsabilidade do gestor, que deve gerenciar o tempo, os recursos e a equipe da obra.

Algumas práticas são fundamentais para que o gestor consiga fazer bem o seu trabalho. A primeira delas é entender como o processo funciona e quais são as suas atividades. 

Processos macro e micro do gerenciamento de obra

A gestão de obras é um processo extremamente complexo, que envolve uma série de etapas e profissionais. Em linhas gerais, para que você entenda de forma macro todos os possíveis campos a serem trabalhados, saiba que ela pode ser dividida em quatro grandes processos, considerados como macro.

São eles: gestão do projeto; gestão de custos; gestão de pessoas; e gestão de documentos.

Cada um deles é dividido em centenas de tarefas micro, que são acompanhadas de perto por diferentes equipes para garantir que nada saia do controle.

Gestor de obra deve acompanhar todos os detalhes das tarefas

Na gestão de pessoas, por exemplo, é fundamental ter controle sobre a documentação dos profissionais que estão trabalhando na obra. A regulamentação é bastante rígida neste sentido, e uma falha causa multas e penalidades para a empresa. 

Para você entender melhor, vou explicar a seguir o que é cada um desses processos macro e quais são algumas das micro atividades relacionadas a eles. 

Gestão do projeto

Um projeto macro de construção reúne outros micro projetos que envolvem arquitetura, estrutura, elétrica etc. Em grandes empreendimentos, por exemplo, é bastante comum a contratação de diversos profissionais para atender a cada um desses pequenos projetos.

Então, o gestor deve acompanhar essa fase de definição para garantir que a contratação desses profissionais atenda aos requisitos e características da obra. 

O gestor tem uma visão geral de todas as ações que serão realizadas e como elas se conectam. Assim, consegue orientar sobre as influências que uma etapa pode ter sobre outras e, principalmente, a dependência entre elas. 

Mas, mesmo que seja de conhecimento dos profissionais que atuam no setor, não cabe a eles acompanharem se os processos do projeto estão seguindo uma ordem. Por isso, a atuação do gestor é fundamental desde o início. 

Após a definição dessa fase tem início a execução da obra. Esse momento exige a total atenção do gestor no acompanhamento de diferentes tarefas. Por isso, listo abaixo exemplos de algumas mais críticas:

  • atividades de almoxarifado, como entrada e saída de insumos;
  • uso correto e devolução dos equipamentos e ferramentas no canteiro de obras;
  • definição de profissionais para execução de tarefas e área da construção;
  • desenvolvimento de relatórios de controle e acompanhamento;
  • entre outras atividades relacionadas com o projeto.

O objetivo macro da gestão do projeto é garantir a entrega com qualidade, dentro dos prazos e do orçamento.

Gestão de custos

O custo da obra é uma questão crítica. Pois a construção civil é um dos setores que mais desperdiça matéria-prima. Além dos custos com insumos, esse setor está entre os que apresentam os piores índices de produtividade. Ou seja, perde-se material, tempo e dinheiro

Então, a gestão de custos é um processo macro do gerenciamento de obra que visa reduzir esses impactos, tornando a obra produtiva e rentável. Como isso é feito? Tendo controle de todos os processos que vão gerar custos para a empresa. 

O gestor deve ter controle sobre as compras de materiais, contratação de profissionais e locação de equipamentos para garantir que nada está fugindo do orçamento.

Um exemplo prático é a contratação de mão de obra ou locação de equipamentos para etapas que dependem de matéria-prima que ainda não está no local. O resultado disso será o custo da diária de um profissional e do aluguel de um equipamento que vão ficar parados.

Outro exemplo é o desperdício de material. Ao descarregar cimento ou areia, por exemplo, você precisa fazer o armazenamento em local adequado. Do contrário, a chuva ou o vento podem causar a perda do insumo. 

Portanto, o gestor deve acompanhar e garantir que as despesas, o recebimento, armazenamento, o planejamento de compras e outros aspectos estão respeitando o orçamento planejado.

É preciso acompanhar e garantir que despesas e planejamento de compras estejam respeitando o orçamento planejado

Gestão de pessoas

A gestão de pessoas é um ponto que requer bastante atenção, pois envolve diferentes aspectos. Além de gerenciar o trabalho dos profissionais em si, o gestor deve garantir que as contratações estão dentro da legalidade. 

A contratação deve seguir a legislação. Para isso, a construtora solicita uma série de documentos aos profissionais. Caso um documento específico não seja entregue, o profissional não poderá trabalhar ou fará outra atividade. 

O gestor deve ser rígido com a gestão de pessoas deste ponto de vista, pois deixar de cumprir com as exigências de órgãos regulamentadores pode causar danos para a empresa. Fora a questão legal, o gestor também deve se atentar para outros aspectos, como:

  • capacitação e treinamentos das equipes; 
  • divisão de funções de acordo com as necessidades da obra;
  • supervisão e avaliação das atividades realizadas por cada profissional;
  • acompanhamento e análise da necessidade de novas contratações;
  • garantir o uso dos equipamentos de segurança;
  • impedir a execução de atividades extras ou que não estão relacionadas com o profissional.

Ter uma gestão próxima do colaborador, incentivando e motivando as equipes é fundamental para a produtividade e o sucesso na obra. A gestão deve se manter próxima de todos os envolvidos no projeto, isso pode ser um diferencial para colher bons resultados.

Incentivar e motivar as equipes é fundamental para a produtividade da obra

Gestão de documentos

Por fim, temos a gestão de documentos, considerada como uma das atividades mais burocráticas da obra. O gestor deve ter um vasto conhecimento sobre leis, normas, regulamentações e outros aspectos legais que exigem documentos específicos. 

A obra deve estar sempre em dia com o cumprimento de suas obrigações fiscais, trabalhistas, tributárias e ambientais. E o gestor é responsável por garantir isso. Esse controle vai evitar multas, paralisações, embargos e outros tipos de penalidades. 

A gestão de documentos caminha junto com os outros tipos de gestão que listei anteriormente. Na gestão de pessoas, por exemplo, é necessário garantir que os documentos dos profissionais atendam aos critérios necessários. Na gestão de custos, é preciso ter controle sobre as notas fiscais de compra dos insumos e contratação de equipamentos. E assim por diante. 

O gerenciamento de obra é um processo extremamente complexo pela sua própria natureza e quantidade de elementos envolvidos. Por isso, o gestor precisa de boas pessoas para auxiliá-lo em cada processo, com alinhamento de propósitos, para conseguir fazer a gestão de todas as etapas e resultados.

Conclusão

A comunicação entre todos os profissionais e equipes do projeto é essencial para que todo o planejamento e acompanhamento seja bem conduzido. Por isso, nós na Prevision e no Sienge valorizamos a integração de soluções. 

Com a nossa integração, que visa a melhoria da conexão físico-financeira da obra, o seu projeto terá registro de todas as ações planejadas, orçadas e efetivamente executadas.

Assim, você terá um acompanhamento sempre atualizado do avanço físico da sua obra em relação ao planejado, podendo dimensionar e projetar necessidades e custos futuros de acordo com o seu orçamento.

O que discutimos aqui hoje foram alguns aspectos de uma visão geral que busca ressaltar essa importância e complexidade. Se você tiver dúvidas sobre pontos mais específicos ou quiser saber mais sobre como a integração da Prevision com o Sienge auxilia a sua construtora no gerenciamento de obra, fale com a gente!