BIM no Mundo – Relatório Irlanda CITA BICP

Vemos atualmente o avanço do assunto BIM no mundo através das discussões, palestras e eventos do meio de AECO (Arquitetura, Engenharia, Construção e Operação). Já não há mais dúvidas de que o BIM é uma tecnologia que vem revolucionar e melhorar a qualidade dos processos que envolvem o planejamento e execução de uma obra civil, assim como trazer uma maior economia para sua realização e operação.
Não demorou muito para governos do mundo todo enxergarem estes benefícios e iniciarem seus estudos no assunto. Afinal, em uma época onde o desperdício já não é mais uma opção aceitável, realizar obras públicas de forma mais econômica passa a ser uma meta a ser alcançada.
No entanto, usufruir dos benefícios do BIM não é tarefa fácil, pois demanda uma maturidade elevada no assunto. Maturidade em seus conceitos, processos, tecnologia (ferramentas), formas de colaboração e políticas de utilização. Assim, alguns países que iniciaram seus estudos há mais de uma década já estão colhendo frutos, e hoje possuem a obrigatoriedade de utilização do BIM em obras públicas, e alguns ainda, já possuem metas para ampliar esta obrigatoriedade para toda a cadeia da indústria.
 

Como está o BIM no mundo?

Porém, como está a adoção desta tecnologia no Brasil e no mundo afora? Como os países mais desenvolvidos na indústria de AECO, estão lidando e se utilizando do BIM em seus processos?
 
Para ajudar a responder à estas perguntas, a Irlanda criou seu próprio relatório, o documento intitulado Global BIM Study – Lessons for Ireland’s BIM Programme, promovido pela CitA Construction IT Alliance e escrito por grandes nomes no estudo de BIM no país, que apresenta o que cada país vem promovendo para adoção do BIM nos processos públicos.

Adoção do BIM no Mundo
Visão geral da adoção do BIM no mundo (BICP – BIM Innovation Capabilily Programme)

De acordo com o Dr. Alan Hore, um dos autores deste documento, o objetivo deste relatório é iniciar uma investigação do “estado da arte” e medir a maturidade do BIM no mundo. Promete ainda, uma versão mais abrangente do assunto que deve estar concluída até setembro de 2017.
 

Paralelo entre a adoção do BIM no mundo e na Irlanda

O intuito é traçar um paralelo entre a adoção do BIM pelo mundo e a contribuição da Irlanda, fazendo com que as Empresas Irlandesas possam aprender mais com seus colegas internacionais e assim estar preparadas para um mercado que está crescendo. Uma das justificativas, e que compõe o texto do documento, segundo a Daedal Research (2016), diz que o BIM no mundo deverá atingir quase 8 bilhões de dólares até 2020, com uma taxa composta de crescimento anual de 13% entre 2015 e 2020. Segue trecho original retirado do documento:
 
“A core technology at the forefront of this transformational change is BIM. The recently published report by Daedal Research, Global BIM Market: Size, Trends and Forecasts (2016-2020) reported that the global BIM market is expected to reachalmost $8 billion by 2020, at a compound annual growth rate of 13% between 2015 and 2020 (Daedal Research, 2016).”
(Global BIM Study – Lessons for Ireland’s for Ireland’s BIM Programme, 2017)
 
O relatório apresenta também alguns dos tópicos principais que irão nortear e estruturar as estratégias de implementação do BIM na Irlanda, os quais foram apresentados à recém-criada NBC – National BIM Council da Irlanda (órgão nacional para apoiar o avanço da construção digital no setor de AECO) em junho de 2016.
 

Lançamento oficial do National BIM Council (NBC) da Irlanda
Lançamento oficial do National BIM Council (NBC) da Irlanda

Facilitadores BIM para o programa BIM Irlandês.
Facilitadores BIM para o programa BIM Irlandês.

Resumo

Em resumo, é um ótimo material que contribui sobre este assunto bastante extenso que é o conceito BIM. Aos interessados recomendo muito a sua leitura, pois é mais um termômetro de como as coisas estão caminhando mundo afora, e esperamos que daqui a pouco seja o Brasil a produzir seu BIM Mandate para impulsionar um uso mais estratégico do BIM no apoio a um setor tão carente de uma construção mais enxuta, eficiente e de forma mais inovadora.

Compartilhe