Tecnologia e eficiência na construção

Alonso Mazini Soler

Alonso Mazini Soler

Doutor em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da USP

30 de maio 2018

Compartilhe

Apostar no embarque da tecnologia no segmento da construção é apostar no aprimoramento da eficiência – assertividade de custos, prazos e qualidade em prol da relação contratual acordada e justa entre as partes e em benefício do cidadão. Mas não se enganem. Não é apenas a tecnologia, por si, que virá alterar o curso atual do desempenho questionável da construção.
Se por um lado, a tecnologia permite integrar de modo digital e imediato a comunicação e os dados e informações relevantes de todo o ciclo de vida do projeto que, até então, eram elaborados, capturados, manuseados, compatibilizados, processados e analisados através de papel e por meio da subjetividade humana, por outro lado, ela ainda não prescinde da criatividade e competência na concepção do projeto e de planejamento e gestão adequados durante a execução.

Um dia na construção

A Hexagon PPM®, principal empresa de software de Engenharia do mundo saiu na frente e nos convida para “Um Dia na Construção”, onde apresenta a sua visão de futuro das soluções de tecnologia da informação que alavancam a eficiência durante as fases de design, aquisição, construção e operação de instalações industriais e projetos de construção de grande escala. Trata-se de um mergulho nas disposições e nas potencialidades da tecnologia aplicadas à construção que possibilita prever redução significativa nos desperdícios e custos atuais.

… tecnologia que começa no projeto de Engenharia

Em um projeto EPC (Engineering, Procurement & Construction) tudo começa com o design da Engenharia (FEED e detalhamento) que passa a ser realizado através de tecnologias de modelagem 3D que permitem a integração, compatibilização e simulação de todas as disciplinas simultâneas (civil, elétrica, hidráulica, instrumentação, etc.), proporcionando ganhos significativos no que tange a visualização prévia de possíveis interferências que não seriam transparentes na simples sobreposição de folhas e plantas, permitindo a elaboração de ajustes e a tomada de ações corretivas de modo preventivo.

Extensão e integração das visões 3D, 4D e 5D

A partir da modelagem macro (3D) do projeto de Engenharia, a tecnologia visual e integrada dos novos sistemas permite ampliar o planejamento à visão do tempo, através do cronograma (4D), e à visão dos recursos e custos, através do orçamento (5D). Sistemas especialistas e bases de dados integrados possibilitam o compartilhamento das informações precisas e em tempo real, resultando em transparência e precisão das avaliações de acompanhamento e controle.

Pacotes de Trabalho e Folhas Tarefa em campo  

O uso da tecnologia permite ainda integrar o planejamento macro ao planejamento de campo, desdobrando volumes, áreas ou blocos do modelo de Engenharia (3D) em Pacotes de Trabalho que passam a ser programados periodicamente e distribuídos através de Folhas Tarefa às equipes de campo, integrando informações sobre as atividades a serem realizadas, as orientações aos DDOs (Diálogos Diários de Obra) e os EPIs necessários, bem como, garantindo a disponibilidade de equipamentos, ferramentas, materiais e recursos necessários para sua realização. Tudo isso passa a ser realizado com certa antecedência de algumas semanas de modo a garantir que os recursos estarão disponíveis para a execução do trabalho na data programada.
Desse modo, supervisores e suas equipes passam a dispor, diariamente e em seus aparatos mobile, da programação de suas atividades, dos staffs requeridos para realizá-las, da produtividade esperada e dos requisitos de qualidade e de medição para a sua conclusão e entrega, facilitando ganhos de produtividade das equipes e atestando de modo integrado as entregas realizadas.

Controles por dispositivos móveis e realidade aumentada

Nesse momento, a tecnologia vai além e permite a incorporação de dispositivos móveis de laser scanning, posicionados em pontos previamente planejados da obra, que avaliam de modo autônomo o avanço do trabalho e alimentam e atualizam o cronograma e o modelo 3D, de onde decorrem as ações gerenciais de controle de prazos, de custos e as liberações de medições próprias e de terceiros. Em paralelo, tecnologias de realidade aumentada, através de dispositivos móveis, permitem sobrepor a realidade da construção com o modelo 3D visando entender o avanço da obra e suas complexidades, além de comparar o já foi feito com o que ainda precisa ser.

O embarque da tecnologia na construção

Enfim, a tecnologia já antecipou o seu embarque na construção e tudo isso já pode ser considerado realidade e não um mero exercício de futurologia – tudo parece ser mais simples, mais fácil, mais intuitivo, mais produtivo, mais eficiente e com potencial de ser também mais ético. Some-se a isso os avanços em curso na adoção de SmartContracts sob plataformas da Blockchain e temos um retrato otimista do que se espera do novo trabalho no segmento da construção, do ganho de eficiência promovido e das novas competências profissionais requeridas dos trabalhadores dessa nova era.

 … sim, mas vale uma ressalva

Entretanto, vale ressaltar que apesar do futuro estar fadado ao embarque definitivo da tecnologia na construção e marcado pelo encolhimento do espaço que antes estava reservado às atividades humanas operacionais que, agora, passa a ser ocupado pela tecnologia, esse movimento, per si, não deixará nunca de demandar a criatividade e a excelência da Engenharia e a competência na gestão das obras. Por melhor que seja a tecnologia utilizada na obra, ela não prescinde da inteligência humana para alcançar seus resultados promissores.
Por:
Alonso Mazini Soler, Doutor em Engenharia de Produção POLI/USP, Professor da Pós Graduação do Insper e da Plataforma LIT Saint Paul. Sócio da Schédio Engenharia Consultiva – alonso.soler@schedio.com.br

Compartilhe