Veja dicas sobre como otimizar o revestimento das paredes internas

24 de maio de 2019

O acabamento é uma das partes mais caras de uma obra. Isso se deve não só por conta de os materiais serem mais caros. Outro fator que onera é o tempo levado para execução dos acabamentos, dentre eles, o revestimento das paredes internas.  Regularizá-las, pintá-las e deixá-las com um bom acabamento é trabalhoso.

Para você otimizar os processos de revestimento das paredes internas, vou apresentar neste artigo as melhores opções de revestimentos, quando e como utilizar. Além disso, você conhecerá as boas práticas e custos envolvidos através de exemplos práticos. Com isso você poderá identificar as melhores opções e como implantá-las.

Começarei apresentando as principais opções de revestimentos para paredes internas como porcelanatos, papéis de parede, OSB, dentre outros. Em seguida, você aprenderá critérios para decidir que tipo será o ideal para cada ambiente da sua obra, as vantagens e desvantagens de cada material. Por fim, falo das boas práticas essenciais.

revestimento interno

Que opções de revestimento existem?

Dentre as inúmeras opções de revestimento apresentarei a você os principais tipos, com o objetivo de explicar as situações onde cada um é conveniente.

Observação: A chapa OSB é um material feito de pequenas lâminas de pinus picotadas e coladas sob pressão. Devido a essa pressão e a distribuição aleatória das direções das fibras, as chapas tem uma resistência mecânica muito boa. Isso possibilita a sua utilização não só como revestimento, mas também como vedação de paredes drywall.

Desta forma, ao invés de se utilizar gesso e um revestimento por cima, é possível utilizar somente placas OSB cruas ou com algum verniz, dando um aspecto moderno e rústico ao mesmo tempo. Cada placa tem em torno de 2,5×1,8m. As espessuras podem variar de 8 a 25mm. O seu custo de material é em torno de R$ 30/m2.

revestimento osb

Tinta de uretano: o mesmo material utilizado em pisos indústrias alimentícias, hospitais e outros tipos de edificações, pode também ser aplicado em paredes. A vantagem desse tipo de revestimento é a alta resistência a abrasão e a facilidade de manutenção.

Arquitetonicamente pode ser usado para acompanhar o mesmo padrão do piso ou dar um acabamento diferenciado. A aplicação desse revestimento necessita de uma superfície lisa e sua aplicação leva de 4 a 12 horas para secagem. O seu custo já aplicado sairá em torno de R$ 80/m2.

Massa acrílica: a massa acrílica é o material utilizado para uniformizar e corrigir a superfície. No entanto, a sua aplicação vai além da corretiva. Ao adicionar pigmentação cinza, por exemplo, é possível utilizá-la para fazer o revestimento que imita cimento queimado. Você pode definir o tom de acordo com a pigmentação.

Porcelanato: o uso do porcelanato para revestimento de paredes transcende as áreas molhadas. Esse revestimento pode ser usado também para fazer detalhes semelhantes a ladrilhos hidráulicos e para dar textura a paredes, dentre outros usos.

A principal vantagem é a baixa manutenção necessária, pois o porcelanato absorve menos sujeiras e manchas que uma parede pintada e não perde a pigmentação. Além disso, a mão de obra para se colocar esse revestimento é fácil de se encontrar. O valor por metro quadrado do material varia muito.

Grama sintética: a grama sintética é uma solução para ambientes internos onde é necessário inserir algum elemento verde que simule uma vegetação. De acordo com estudos, o simples fato de existir uma parede verde faz as pessoas que usam o ambiente relaxarem.

Esse tipo de revestimento pode ser usado em paredes não tão regulares pois, devido à sua textura e volume, disfarça as imperfeições. A sua manutenção é baixa, cabendo uma limpeza para tirar a poeira. O material pode ser aplicado tanto com cola, quanto com grampos, dependendo da superfície.

Papel de parede: esse revestimento é simples de se aplicar e de se remover também. A sua instalação pode ser feita utilizando cola branca aplicada na parede por meio de um rolo. Esse revestimento é utilizado para aplicar estampas ou texturas em paredes.

ACM: esse material pode ser aplicado para dar acabamentos arredondados lisos. Devido ao material ser um compósito com as superfícies de alumínio, a sua pintura e acabamento podem dar um aspecto de pintura automotiva, com alto brilho. Existem também chapas de ACM que vem com acabamento fosco, imitando madeira.

A sua instalação deve ser feita por mão de obra capacitada, por conta de alguns detalhes de fixação e corte. Não há necessidade de se pintar ou retocar. Se houver um arranhão na superfície, o reparo não é simples de ser feito para se deixar na mesma tonalidade.

revestimento parede

Vantagens e desvantagens: como escolher?

Critérios e exemplos

Para você definir qual o melhor revestimento para cada parede e cada ambiente, você pode seguir alguns critérios básicos:

  •         Custo da matéria prima
  •         Custo da mão de obra
  •         Disponibilidade de mão de obra
  •         Manutenção
  •         Possibilidade de mudança
  •         Resistência à umidade

De acordo com a sua aplicação, prazo e orçamento, há opções melhores. Por exemplo: em um ambiente onde há a circulação de muitas pessoas ou atrito de objetos como mesas e cadeiras na parede, deve-se optar por materiais resistentes à abrasão. Alguns desses materiais são: porcelanato, grama sintética e tinta de uretano.

Caso a área a ser revestida seja uma cozinha industrial ou uma área molhada, os materiais indicados para revestir as paredes são: porcelanato e tinta de uretano. Já para o caso de a parede ser provisória e necessitar de uma textura diferenciada, pode ser usado o próprio porcelanato, como também um papel de parede.

Mão de obra

Outro fator decisivo na utilização de um revestimento é a mão de obra necessária. Para alguns revestimentos tais como ACM, massa acrílica e tinta de uretano é necessária uma mão de obra mais especializada para conseguir qualidade.

Essa mão de obra especializada pode custar mais, mas compensará em qualidade e produtividade. Em nossa fábrica contamos com a mão de obra terceirizada para diversos tipos de acabamentos. Fico, muitas vezes, impressionado com a velocidade de produção dessas equipes especializadas.

Boas práticas

Para você conseguir um bom resultado nos seus revestimentos de paredes internas, aqui vão algumas dicas:

  •   Consulte o fabricante ou leia as instruções de aplicação antes de começar o serviço. Desta forma você saberá que materiais, produtos e ferramentas são necessários para a aplicação, além dos procedimentos, tempo de cura, condições da superfície, etc;
  •   Utilize mão de obra autorizada e capacitada, pois alguns produtos perdem a garantia de fábrica se não forem aplicados por uma mão de obra autorizada. Isso garante a qualidade e transfere essa responsabilidade para a fabricante, como no caso das tintas de uretano;
  •   Atente-se para o uso dos EPI’s necessários para cada aplicação. No caso de materiais como ACM, OSB e outros tipos de chapas, é necessário o uso de luva, óculos e protetor auricular. Em casos onde são utilizadas tintas e colas é necessário também máscaras com proteção química.
  •   Em planta baixa e nos cortes é possível definir o acabamento de cada parede ou ambiente. Isso facilitará a execução, pois evita dúvidas e questionamentos.

Espero que os tipos de materiais apresentados tenham sido relevantes e que os exemplos de aplicações tragam novas ideias. As opções de revestimento são inúmeras, mas os cuidados e critérios de escolha são basicamente esses apresentados.

Compartilhe nos comentários quais os tipos de revestimento que você geralmente usa e porquê.

 

Eng. Jonathan Degani

  • CTO da Brasil ao Cubo
  • Criando inovação na Construção Civil
 

Receba Novidades do Blog
Coloque o seu email acima para receber gratuitamente as atualizações do blog!
Saiba como o Sienge pode ajudar a sua empresa