PDRI e Performance bonds: qualidade na contratação e desempenho de obras públicas

Alonso Mazini Soler

Alonso Mazini Soler

Doutor em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da USP

19 de setembro 2017

Compartilhe

Nesse post falarei sobre soluções como o PDRI (Project Definition Rating Index) e as Performance Bonds. Esses instrumentos fortalecem o desempenho eficiente das obras públicas.

Sobrepreços e atrasos em obras públicas

O sobrepreço e os atrasos na conclusão das obras públicas nacionais são velhos conhecidos dos brasileiros. Obras públicas estruturantes de infraestrutura – água, saneamento, energia e transporte – são exemplos rotineiros dessa situação lastimável.
O Brasil precisa e deve conferir maior agilidade e racionalidade às suas obras públicas de infraestrutura. É preciso minimizar atrasos e sobrecustos durante a execução de obras. Em não o fazendo, o risco é comprometer o futuro do País. As ações de combate à corrupção em curso confirmam esta avaliação. Mostram a dimensão dos danos causados pela prática de atos de corrupção pelos agentes públicos e privados. Os fatos apurados ressaltam os limites dos instrumentos de governança contratual disponíveis. Mais que isso, fragilidades normativa e procedimental para garantir execução de obra regular.

A baixa qualidade dos projetos de engenharia conceitual e básica

Identifica-se na baixa qualidade dos projetos de engenharia conceitual e básica elaborados no âmbito das contratações de obras públicas um grande filão para o cometimento de atos de corrupção. O modus operandi dos atos lesivos se aproveita da má qualidade de projetos.
Assim, abre espaço para celebrar contratos superfaturados, forçar a celebração de aditamentos contratuais, durante a execução. Sempre com o objetivo de aumentar o valor contratado, ao sabor de interesses espúrios. Tais aditamentos são, muitas vezes, justificados pela mudança no objeto e nos quantitativos contratuais pactuados, respaldados na imprecisão dos projetos de engenharia que compõem os editais de licitação.

Exemplos práticos

Um exemplo dessa situação é o da Refinaria Abreu e Lima, em Ipojuca (PE). Entre as auditorias constantes no relatório final da CPI da Petrobras, identifica-se a análise do contrato nº 0800.0055153.09-2[1]. O objeto de tal contrato foi a prestação de serviços e fornecimentos necessários à implantação dos dutos de recebimento e expedição de produtos da refinaria.
A auditoria constatou “haver incertezas explícitas no projeto básico relativo ao contrato de dutos, configurando sua inadequação”. O relatório conclui que o “projeto básico deficiente somado à especificação inadequada do objeto pode ter ocasionado a frustração da licitação, cujo edital não permitiu ao mercado o perfeito entendimento dos trabalhos a realizar”.
Esta última assertiva se confirmou em seguida. No referido certame, foram convidadas 16 empresas a participar da licitação, sendo que apenas quatro apresentaram propostas com preços variando entre R$ 649 e R$ 1,287 bilhão. O resultado foi uma contratação com valor inicial de aproximadamente R$ 650 milhões, quando a Petrobras, segundo apurou a CPI, esperava uma contratação de aproximadamente R$ 550 milhões.
Há outro exemplo significativo do prejuízo causado pela baixa qualidade de projetos. Ele vem da notícia de que o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP/RJ) pediu o bloqueio de R$ 200 milhões das empresas responsáveis pelas obras de reforma do Estádio do Maracanã. O projeto básico de engenharia do novo Maraca, elaborado pelo Governo do Rio de Janeiro, tinha apenas 37 plantas. É um número extremamente pequeno de projeções ante a complexidade da obra. Comparativamente, o MP/RJ identificou que o estádio do Mineirão, em Belo Horizonte/MG, igualmente reformado, teve 1.309 plantas elaboradas. Ou seja, número 35 vezes maior ao número de plantas contratadas para a reforma do Maracanã.

Fortalecimento da governança contratual

Os exemplos da Petrobras e do Maracanã mostram a importância da revisão dos procedimentos e da conduta atualmente adotados pela Administração Pública na condução de suas contratações, assim como no posterior controle do desempenho das obras contratadas. Ferramentas como o PDRI (Project Definition Rating Index) e as Performance Bonds fortalecem a governança contratual. Fazem isso por meio da ampliação do aparato de gestão disponibilizado às obras, proporcionando avanços na capacidade do Estado de contratar com maior eficiência, eficácia e transparência.

Project Definition Rating Index (PDRI)

O Project Definition Rating Index é uma solução formulada originalmente nos EUA. Identificada sob o acrônimo de PDRI, quantifica, por meio de checklist ponderado, o grau de preparação prévia do projeto de infraestrutura que se pretende licitar. Faz isso em termos de seus fundamentos, requisitos e condicionantes. O PDRI aborda questões conhecidas, que se estendem desde a avaliação da concepção estratégica do projeto:

  • A disposição de recursos orçamentários e financiamentos;
  • A qualidade dos projetos de engenharia conceitual e básicos;
  • A abordagem de questões legais (desapropriações e a obtenção de licenças e alvarás, por exemplo);
  • O planejamento da estrutura e os procedimentos adotados no controle e na fiscalização da execução da obra.

O PDRI realiza uma radiografia transparente de como o projeto foi concebido no instante imediatamente anterior à sua licitação. A partir da avaliação proporcionada pelo PDRI, é possível inferir o risco potencial daquele projeto. Logo, antever os problemas (atrasos e sobrecustos) relacionados à sua execução.
O PDRI poderia facilmente ser incorporado à Administração Pública, em qualquer uma de suas instâncias (federal, estadual e municipal). Afinal, trata-se de uma ferramenta simples e objetiva de avaliação de projetos. Sua utilização representaria avanço substantivo no atendimento das expectativas e interesses da sociedade. Bancos de fomento e agentes privados de financiamento poderiam recorrer ao PDRI para avaliar riscos técnicos e de gestão. Isso garantiria a disposição de recursos e taxas condizentes às obras públicas bem definidas em sua origem. Assim como, os órgãos de fiscalização (TCEs e TCU), agindo preventivamente, teriam no PDRI um indicador do provável grau de assertividade dos prazos e custos estimados de uma determinada obra pública.

Performance bonds

As performance bonds são uma modalidade de seguro contratado no âmbito de uma obra ou prestação de serviço. Têm o intuito de garantir ao beneficiário da apólice a regular execução do objeto do contrato. Assim, a parte obrigada a realizar a obra, prestar ou fornecer o serviço contrata a apólice em benefício de terceiro – que pode ser a Administração Pública. Trata-se de um contrato formal e bilateral entre a (i) a seguradora e (ii) o contratante (tomador). O objetivo é resguardar os interesses de um terceiro (beneficiário) – o Poder Público – na regular execução do contrato objeto da garantia.
A apólice de seguro-garantia é peculiar e diversa da apólice de seguros tradicional. Enquanto na apólice de seguros tradicional há a expectativa de sinistros, na apólice de performance bond a sinistralidade perseguida como condição à emissão da apólice é zero. A seguradora elabora criteriosa verificação da capacidade de performance do particular com base no projeto específico que deseja executar. Quando emite a apólice, a seguradora sinaliza à parte segurada – no caso a Administração Pública – a sua avaliação positiva da capacidade de realização do contrato por aquele tomador.
As performance bonds inserem a seguradora na qualidade de terceira interessada na regular execução do contrato. Isto gera impactos positivos na qualidade dos projetos básico e executivo. O detalhamento e qualidade dos projetos, assim como demais aspectos relacionados aos fundamentos e às condicionantes da obra tornam-se requisitos exigidos para subscrição da apólice e assunção de riscos pela seguradora. Com efeito, o regime de performance bond força a melhoria da preparação prévia da contratação. Além disso, proporciona a quebra da interlocução direta entre agentes públicos e privados na execução de contratos de obra com a Administração Pública. Isso diminui os riscos de inadimplemento contratual e restringe a celebração de aditivos de valor.

Performance bons nos EUA e no Brasil

O regime americano de performance bonds existe há mais de 120 anos e se ampara em três elementos fundamentais. Estes podem servir de fonte de inspiração aos legisladores e reguladores brasileiros:

  1. A obrigatória contratação de apólice de performance em todos os contratos de obras públicas;
  2. A prática da importância segurada em 100% (cem por cento) do valor do contrato e;
  3. A atribuição de poder de fiscalização permanente à seguradora.

O desenho do regime brasileiro de performance bonds está em debate no Congresso Nacional. Iniciativas como o PLS nº 274, de 2016, e o PL nº 6784/17 (antigo PLS nº 559/13) aproximam o regime brasileiro do americano. Afinal, atribui poder de fiscalizar a execução do contrato às seguradoras. Esse aspecto torna o IDP, mencionado anteriormente, relevante também na perspectiva das seguradoras. Estas poderão utilizá-lo para compreender o grau de exposição aos riscos técnicos e de gestão pretendidos pelos contratantes. As informações obtidas com o IDP enriqueceriam a avaliação da subscrição das apólices pelas seguradoras. Com consequentes impactos na aferição de riscos e, consequentemente, na cotação do valor das apólices.

Caminho para a superação do atual paradigma de ineficiência das contratações públicas

O PDRI e as performance bonds apontam o caminho para a superação do atual paradigma de ineficiência das contratações públicas. A ineficiência facilita a profusão de atos lesivos à Administração. Um novo paradigma, centralizado na prevenção e baseado na avaliação prévia da maturidade dos projetos, potencializa a execução eficiente e eficaz. Embora não devam ser consideradas panaceias, essas soluções complementam a oferta de alternativas disponíveis para garantir a execução das obras públicas conforme o seu planejamento e a atenuação dos atrasos e sobrecustos nas obras públicas de infraestrutura do Pais.
Alonso Mazini Soler, Doutor em Engenharia de Produção POLI/USP e Professor da Pós Graduação do Insper – alonso.soler@schedio.com.br
Vitor Boaventura Xavier, Graduado em Direito pela Universidade de Brasília (UnB), é membro do Instituto Brasileiro de Direito do Seguro (IBDS) – vitorboaventura5@gmail.com

Compartilhe