banner sienge

O mundo das Construtechs, as startups da cadeia da construção

14 de Maio de 2018

A cadeia de construção é responsável por 10% do PIB global. Ela é fundamental para a construção de moradia e infraestrutura urbana, bem como elementar para a geração de emprego e renda. Ao mesmo tempo, é marcada pela ineficiência, desperdício e baixa produtividade.

A razão disso passa pelo baixo nível de adoção de tecnologia no setor.

De acordo com estudo divulgado na Harvard Business Review, o setor de construção é o segundo pior em adoção de tecnologias digitais em seus processos de negócio. Um cenário que começa a ser desafiado pelo surgimento das Construtechs, startups que resolvem problemas reais do setor por meio de negócios de base tecnológica.

Ainda que o propósito pareça nobre, muita vezes entender o que exatamente é isso não é tão simples para quem não tem tanta familiaridade com o setor tecnológico. Por isso, neste post vamos explicar tudo o que você saber sobre as Construtechs.

As startups

O mundo de tecnologia é repleto de jargões que de um dia para o outro começam a fazer parte de nossas vidas, um vocabulário que só aumenta. Foi assim com a internet, o e-mail, o smartphone, o app, a computação nas nuvens, o SaaS e muitas outras soluções.

Nos últimos anos, as startups se tornaram um símbolo de inovação e são consideradas o motor da transformação digital. Assim, representam mais uma nova palavra que tivemos que nos acostumar a escutar e a entender.

Mas o que é uma startup?

A definição clássica de startup é um bem genérica: “é uma instituição temporária em busca de um modelo de negócio escalável e repetível.”

Mas deixe-me explicar melhor:

  1. Instituição temporária: implica que deve durar um determinado período de tempo; uma startup não nasce para durar para sempre.
  2. Em busca de um modelo de negócio: envolve encontrar um problema relevante, uma solução eficaz e identificar quem é o cliente interessado em pagar por isso, entendendo o que a empresa precisa ter para conseguir entregar resultado para o cliente e ainda ter lucro.
  3. Escalável: não basta ter um cliente que pague por isso, tem de ser um mercado grande o suficiente e uma solução que seja capaz de resolver o problema de muita gente ao mesmo tempo, de forma que sustente um crescimento acelerado.
  4. Repetível: Todos clientes conseguem usar a mesma solução sem grandes adaptações, diferente de um serviço ou produto que precisa ser customizado para cada cliente.

construtechs

O melhor exemplo é…

Há alguns anos, em um dia de chuva, um cidadão ficou incomodado com a demora em conseguir um táxi para ir a sua casa. Ao mesmo tempo, ele viu vários carros com apenas uma pessoa passando a sua frente. Ele então pensou: por que não poderia, por meio do celular, avisar que precisava de um motorista para levá-lo até seu destino e pagar por isso?

Havia várias incertezas nessa ideia: será que as pessoas aceitariam entrar no carro de um estranho? Como iriam pagar? Quanto custaria a corrida? Como garantir que não venha qualquer carro, mas sim um com boa higiene e qualidade? Esse foi o cenário perfeito para se propor uma startup. Um problema real, mas muitas incertezas.

Assim nasceu o Uber, uma startup com o desafio de melhorar a mobilidade urbana, buscando validar um modelo de negócio que resolvesse o problema do cliente, ao mesmo tempo que gerava dinheiro o suficiente para sustentar uma empresa com alto crescimento, de forma que pudesse replicar o negócio em várias cidades de todo o mundo, com um mesmo produto.

Hoje o Uber não é mais uma startup, mas sim uma empresa avaliada em 72 bilhões de dólares.

Por sua velocidade e capacidade de inovação, as startups vem transformando indústrias como o setor financeiro através da FinTechs, a educação por meio da EdTechs, a área de saúde por meio das HealthTechs.

E as Construtechs?

São startups que olham para os problemas do setor e buscam, por meio da tecnologia, gerar soluções inovadoras e negócios com alta capacidade de crescimento.

Assim como o Uber, o Sienge também foi, no início de sua jornada, uma startup ConstruTech.

Há 27 anos, três empreendedores se juntaram para resolver como integrar os diferentes departamentos de uma construtora e permitir uma gestão completa da empresa. Muito anos se passaram, e hoje mais de 3 mil construtoras usufruem da solução em todos os estados do País.

Apostando na capacidade de transformação das startups, entendendo a necessidade da cadeia da construção e imobiliário em se transformar e acreditando no propósito de fazer a diferença na vida das pessoas por meio do empreendedorismo e tecnologia, há dois anos criamos o Construtech Ventures, uma iniciativa da Softplan para investir em Construtechs pelo mundo.

Um cenário fértil

Como um gigante adormecido, o universo das Construtechs começa a ganhar uma força cada vez maior. No último ano, mais de 1 bilhão de dólares foram investidos em startups do setor ao redor do mundo.

No Brasil, mais de 250 startups buscam desenvolver soluções inovadoras que tornem esse segmento mais digital e eficiente.

Empresas de toda a cadeia começam a buscar nas startups uma forma de gerar mais inovação, melhorar seus processos de negócio e torná-los mais mais rentáveis por meio da tecnologia.

As grandes empresas apoiam as Construtechs

Uma vez por mês, a Tecnisa organiza o FastDating. Os executivos da empresa param durante uma manhã para assistir a apresentações de diferentes startups, com 10 minutos cada uma. O objetivo é conhecer novas tecnologias e encontrar novas soluções para seus problemas.

No ano passado, a Alphavile Urbanismo criou o Alpha Inova, um programa de inovação aberta, que permite às startups se inscreverem. As selecionadas ganham a oportunidade de desenvolver um projeto piloto com uma das maiores empresas do País.

Empresas centenárias, como a Gerdau, vêm investindo em iniciativas de inovação e buscando se reinventar. Fazem isso contratando startups, apoiando ações que fomentam o empreendedorismo e incentivando mais profissionais a aderirem à tecnologia.

Há poucos meses, Construtech Ventures, Cyrela, VivaReal, Athie Wonrath e Astela Investimentos se uniram para formar a Abramit, associação criada com o intuito de fomentar a aproximação entre as empresas do segmento e as startups do setor de construção civil.

Trata-se de uma amostra de que o movimento das Construtechs vem para ficar e a transformação está só no começo.

As iniciativas do Construtech Ventures

  • Bider: Utiliza inteligência artificial para qualificação de leads no mercado imobiliário, buscando, por meio da tecnologia, ajudar incorporadoras e imobiliárias a achar o imóvel perfeito para o cliente perfeito.
  • Zero Distrato: Por meio da tecnologia de machine learning, consegue indicar clientes com alto risco de distrato e permitir à incorporadora adotar ações preventivas, antes que o pior aconteça.
  • Buildin: Uma plataforma tecnológica que ajuda a encontrar bons conteúdos para profissionais do setor de construção.
  • Vendo Meu Terreno: Primeiro marketplace de terrenos do Brasil, conecta proprietários de grandes áreas com incorporadores interessados em desenvolver novos empreendimentos.
  • Urbank: Solução que ajuda na gestão do relacionamento com o cliente da venda até o momento do repasse, garantindo que o processo ocorra sem gerar insatisfação para o cliente e sem atrasos no repasse junto ao banco.
  • Kassa: Plataforma que ajuda imobiliárias e proprietários a atenderem às demandas de manutenção e reparos encontradas por seus inquilinos.
  • Reforma Feita: Solução para ajudar síndicos e administradoras a orçar, planejar e acompanhar as complexas reformas condominiais.
  • Coteaqui: Plataforma de cotação que encontra fornecedores qualificados, preços melhores e velocidade de respostas para construtoras em processo de compra.

Como conhecer mais soluções inovadoras e tecnologias emergentes que podem ajudar sua empresa e ter melhores resultados? Acompanhe o blog do Sienge e os conteúdos exclusivos que a parceria com o Construtech Ventures traz a vocês.

Bruno Loreto

  • Head of Operations
 

Receba Novidades do Blog
Coloque o seu email acima para receber gratuitamente as atualizações do blog!
Saiba como o Sienge pode ajudar a sua empresa