Como Fazer Um Aproveitamento Eficiente De Resíduos Na Construção Civil

Giseli Barbosa Anversa

Engenheira Civil, é Product Manager do Sienge, atuando no desenvolvimento de ações para impulsionar o desempenho de empresas da Indústria da Construção.

14 de agosto

Reduzir o Impacto Ambiental de nossa sociedade é uma das maiores preocupações da sociedade moderna, ainda mais quando se trata de operações comerciais. Na construção civil não poderia ser diferente.

Além da preocupação ecológica, é preciso ficar atento às leis e normas que regulam esse impacto, sendo que um de seus principais aspectos têm a ver com o gerenciamento de resíduos.

Isso levanta a pergunta:

A sua construtora está preparada para lidar com os resíduos e fazer um controle adequado deles? 

Neste artigo, vou mostrar tudo que você precisa saber sobre resíduos na construção civil, incluindo seus impactos, quais iniciativas já existem e como aplicá-las.

Impactos dos resíduos no setor

A primeira coisa que precisa ficar evidente é quanto os resíduos gerados pela construção civil causam impacto na sociedade. Isso pode ser medido tanto em termos ambientais quanto comerciais.

resíduos na construção civil

E sobre isso, os dados são incríveis:

Segundo estimativas, cerca de 33 mil toneladas de resíduos são recolhidos todos os anos no Brasil. O mais espantoso é que se trata de uma noção conservadora. De acordo com o Ministério das Cidades, aproximadamente metade dos resíduos sólidos gerados em meios urbanos no país vêm da construção civil.

Em outras palavras, a quantidade de resíduo gerada no Brasil é gigantesca, o que afeta o meio ambiente de forma profunda em, pelo menos, 3 áreas:

  • mudança da paisagem: qualquer obra modifica o ambiente ao seu redor. Quanto maior a geração de resíduos, mais prejuízo natural para o ambiente ao redor e para a vida natural do local;
  • exploração de recursos naturais: calcula-se que cerca de 50% dos recursos naturais, renováveis ou não, sejam gastos com todos os processos da cadeia construtiva atual;
  • reservas de resíduos: todo o resíduo gerado precisa ser armazenado em algum lugar, o que causa necessidade de mais locais preparados para contê-los.

resíduos na construção civil

Entenda como é feita a classificação dos resíduos na construção civil

Já faz tempo que o governo monitora a situação dos resíduos, tanto na construção civil quanto em outras áreas da sociedade. Isso motivou os órgãos reguladores a criar um sistema de classificação de resíduos.

Se você quer implementar um sistema adequado de controle, o primeiro passo é começar entendendo o que cada classe representa. 

A lista abaixo está de acordo com a resolução N°307 do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente). Ao vê-la, note como é grande o leque de materiais e agentes que são incluídos na classificação, o que prova o quanto este problema é amplo e merece atenção:

Classe A

Fazem parte da classe A todos os resíduos reutilizáveis ou recicláveis, de construção, demolição, reformas e reparos de pavimentação ou outras obras de infraestrutura. 

Também fazem parte descartes de terraplenagem de solo, componentes cerâmicos (como tijolos, blocos, telhas e peças de revestimento), argamassa, concreto e peças pré-moldadas em concreto.

Classe B

Na classe B também há materiais recicláveis. A diferença da classe A é que estes que não são produzidos no canteiro de obras ou são usados para outros fins na obra. A lista inclui plásticos, papel, papelão, metais, vidros, madeiras e outros elementos.

Classe C

Alguns resíduos na construção civil ainda não contam com tecnologia suficiente para realizar o processo de reciclagem, ou com soluções que tornem esse procedimento economicamente inviável. São eles que se encaixam na classe C. 

Dois exemplos de produtos assim são a lã de vidro, muito usada como isolante térmico e acústico em paredes de steel frame, e os descartes oriundos de trabalhos com gesso.

Classe D

Se você sentiu falta de uma classe com os resíduos na construção civil que representam algum tipo de perigo para as pessoas, estava esperando pela classe D da lista. Todo tipo de materiais perigosos, em mais variados níveis, são colocados aqui.

Isso engloba produtos como:

  • tintas de vários tipos;
  • solventes, óleos e vernizes;
  • materiais contaminados ou prejudiciais à saúde, com compostos de equipamentos industriais perigosos, radiação, amianto, etc.

4 iniciativas que podem ajudar de forma prática a controlar os resíduos na construção civil

Como um dos grandes geradores de resíduos da atualidade, é vital que o setor da construção civil tome para si o papel de controlar esse problema. Para isso, é fundamental tomar medidas para garantir a sustentabilidade

Veja abaixo alguns exemplos de ações que você pode tomar desde já para reduzir o impacto ambiental e comercial dos resíduos nas suas obras:

1. Uso de materiais de construção sustentáveis

A primeira solução inteligente para controlar a geração de resíduos é por reduzi-la desde o início da obra. Como? Por usar materiais de construção sustentáveis, que causam impacto muito menor (se é que causam algum).

Além de melhores para o meio ambiente, vários materiais sustentáveis foram desenvolvidos para gerar pouco desperdício nas obras, o que pode significar uma boa redução de custo com matéria prima.

Muitos destes materiais possuem preço similar aos convencionais, ou reduzem muito o desperdício, sem contar suas vantagens técnicas. Por tudo isso, fica mais fácil vender os projetos para o comprador final, o que pode ser também uma vantagem comercial.

2. Reutilização de matéria prima de demolição 

Outra possibilidade é reutilizar parte da matéria prima de demolição em outras facetas das obras, sem perder qualidade. 

Enquanto muita coisa pode ser usada para propósitos diferentes dos quais foram feitos originalmente, algumas não servem mais para a construção civil, nem mesmo para reuso. 

O que fazer com estes materiais?

Que tal vender para empresas de outros segmentos que talvez possam fazer bom uso deles? O que para a sua obra não passa de resíduo pode ganhar vida em outro setor. Além de controlar os resíduos gerados, isso pode ser uma fonte de receita alternativa para a empresa.  Se não tiver quem compre, até doar pode ser uma ótima medida de controle.

3. Reciclagem de materiais

Outra opção, além das alternativas acima, é reciclar os materiais que não podem ser mais usados ou reaproveitados em suas formas originais, mas que podem ser reciclados

Eles podem ser transformados tanto em materiais sustentáveis, que citamos acima, ou em matéria prima para outras indústrias. O mais importante é que os resíduos gerados sejam transformados de lixo em algo que pode ser usado de novo. 

Um bom exemplo de reciclagem de material são os tijolos de isopet, feitos com plástico de garrafas pet prensadas. Neste caso, os restos de um produto da indústria alimentícia se torna útil para a construção civil. 

4. Sistemas de contenção de resíduos no canteiro de obras

É importante destacar o perigo na armazenagem de resíduos tóxicos ou de manuseio cuidadoso. Neste caso, estes resíduos representam perigo à população e a ameaça pode extrapolar os limites do canteiro de obras.

Pense no seguinte:

Um produto líquido é utilizado nas atividades desenvolvidas no canteiro, trazendo assim riscos para os trabalhadores da obra. Como ele é líquido, a falta de contenção apropriada poderia facilmente gerar vazamentos e contaminação da população, fauna e flora no entorno da construção.

O ideal, para evitar isso, é construir sempre que necessário, trincheiras de contenção e capelas para gases tóxicos, a fim de minimizar possíveis riscos à saúde.

A importância do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS)

O CONAMA exige a elaboração de um documento técnico que comprove a capacidade das empresas geradores de resíduos para controlá-los. Esse documento é o PGRS, ou Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

resíduos na construção civil

Este documento deve conter indicações de como a empresa vai lidar com resíduos de maneira correta. Ele é crítico para empresas de construção civil, que se enquadram na categoria de organizações que devem elaborar e apresentar esse documento ao órgão ambiental municipal da cidade.

É fundamental que o profissional contratado para fazer o PGRS tenha registro de classe (como CREA ou CRBio) e formação superior relacionada à gestão ambiental.

Como deu para perceber, é essencial dar atenção máxima ao controle de resíduos na construção civil. Além de ser uma questão ambiental de maior importância, existe também o valor comercial de lidar com os resíduos da forma certa. Por isso, não perca tempo em aplicar iniciativas de controle na sua construtora.

Ficou na dúvida sobre o que envolve os resíduos sólidos que se encaixam no PGRS? Veja tudo que você precisa saber sobre eles!