Conheça os 7 maiores erros que você deve evitar ao calcular o BDI

Giseli Barbosa Anversa

Giseli Barbosa Anversa

Engenheira Civil, é Product Manager do Sienge, atuando no desenvolvimento de ações para impulsionar o desempenho de empresas da Indústria da Construção.

24 de junho 2020

BDI: Calcular os custos é um das primeiras coisas que você precisa fazer para ter um empreendimento lucrativo. Não adianta nada fechar contratos, executar o serviço perfeitamente e entregar no prazo se isso não gerar lucro no fim das contas.

E a melhor forma de calcular os custos de uma obra com eficiência é usando o BDI (Benefícios e Despesas Indiretas, em português). Como esse método avalia também os custos indiretos, a chance de erro é muito menor.

Mas ainda existem riscos e erros comuns, mesmo quando você resolve usar o BDI como padrão de cálculo. Neste artigo vou te mostrar os 7 erros mais comuns que você deve evitar, e como fazer isso.

Conheça os 7 piores erros que você deve evitar ao calcular o BDI

Esta lista de erros deve servir como um importante alerta não só relacionado ao BDI, mas a qualquer tipo de ferramenta ou processo que você decida adotar: mesmo que o método seja muito bom, você precisa aplicá-lo corretamente.

Com isso em mente, aqui está a lista dos 7 principais erros que você deve evitar ao usar o BDI para definir seus orçamentos de obras:

1. Ignorar (ou não conhecer) os custos diretos e indiretos envolvidos na obra

Esse erro parece impossível de cometer, mas é justamente isso que o torna tão perigoso. Nunca ignore a possibilidade de deixar o óbvio escapar do planejamento e causar problemas. Ignorar os custos diretos e indiretos é o erro mais grave, porque é também o mais simples de resolver.

BDI:

E isso acontece por um motivo bem simples:

Uma lista de custos diretos e indiretos pode ter tantos elementos que os profissionais responsáveis esquecem de itens relevantes no processo. A pressa é inimiga número 1 nesse momento, então tome cuidado especial com orçamentos urgentes.

2. Não ter o devido controle sobre o orçamento da obra

O segundo grande erro do qual você precisa fugir é a falta de controle sobre o orçamento da obra. Uma vez que você perde o controle do que já foi incluído na conta ou ainda precisa ser considerado, todo o seu trabalho está comprometido.

E depois de terminar o orçamento, garanta que ele foi feito da maneira correta, e continue a acompanhar se ele está sendo respeitado e se concretizando na obra real. Além de ajudar a corrigir excessos imediatos, isso pode servir de lição para futuros projetos.

3. Não saber como precificar corretamente os serviços que vai prestar

Muitas empresas se concentram tanto em conseguir clientes e projetos que acabam se esquecendo de avaliar quanto devem cobrar por seus serviços. Mas cobrar um valor baixo demais pode tirar todo lucro que você conseguiria com a obra.

Por isso, concentre-se em descobrir:

  • quanto cobrar pelos serviços comuns;
  • quanto cobrar por serviços em que a sua empresa se especializa, mas são raros no mercado.

Algo que pode ajudar nisso é descobrir quanto o mercado cobra, em média, pelos serviços que a sua empresa realiza e pensar em que posicionamento você quer adotar: cobrar mais barato para ganhar mercado ou mais caro para se destacar na qualidade.

4. Desconsiderar o custo de possíveis atrasos na hora de fazer o orçamento

Digamos que a construção civil não é famosa por sua incrível pontualidade na entrega dos serviços. Sendo assim, é muito perigoso fazer um orçamento que não conte com a possibilidade de que a obra se arraste por mais tempo do que o previsto.

Afinal, este é o imprevisto mais previsto que pode existir na construção civil, e cada dia de atraso pode significar milhares de reais de prejuízo. Por isso, leve em conta o quanto pode ser que a obra atrase e inclua o preço extra no cálculo, como uma espécie de taxa de segurança.

5. Usar índices de preço desatualizados

Os índices de preço são ótimas ferramentas para determinar quais são os custos diretos de matéria prima e até mão de obra para qualquer tipo de projeto construtivo. Mas se você usar índices desatualizados vai sair no prejuízo.

Uma forma simples de evitar esse erro, que também é comum, especialmente para quem tem pressa, é sempre ter a tabela SINAPI atualizada. Assim, sempre terá os preços certos para o momento e evitará erros de iniciante em seus orçamentos.

6. Não coletar informações suficientes para elaborar o orçamento

Antes de começar a calcular os custos diretos e indiretos, você precisa garantir que tem todos os dados necessários sobre a obra em questão. Caso contrário, vai calcular os quantitativos de forma errada e, mesmo que tenha a tabela SINAPI atualizada, o preço não vai condizer com o projeto final.

E tem outro detalhe:

Quando você não tem todos os detalhes sobre o projeto, pode ser que desconsidere a necessidade de contar com:

  • profissionais especialistas em certo tipo de trabalho;
  • materiais especiais;
  • ferramentas mais difíceis de conseguir.

BDI:

Tudo isso representa custos maiores, que se não forem previstos, podem arruinar rapidamente qualquer orçamento. Nunca cometa o erro de deixar para descobrir os detalhes depois, ou considerar todo custo de mão de obra como padrão.

7. Calcular tudo com ferramentas manuais

O último erro é cair na ideia de que você pode realizar seus orçamentos usando qualquer ferramenta, e que isso não terá impacto algum sobre o resultado final. Em teoria, é verdade. Mas na prática, usar papel e caneta, ou um simples documento de texto no computador, pode tornar seu trabalho um verdadeiro pesadelo. Por quê?

Quando se trata de números, basta um erro para que toda a conta se perca. Imagine o estrago que poderia acontecer se você apenas colocar um zero a menos no resultado. Além disso, se errar pequenas somas várias vezes durante o cálculo manual, talvez não ache o erro facilmente mesmo depois de descobrir que o orçamento está errado.

Com uma ferramenta eletrônica mais avançada, como uma planilha ou um sistema de gestão, é mais difícil acontecer esse tipo de problema. Também é mais fácil perceber e corrigir, caso aconteça.

Resumo rápido de como criar bons orçamentos sem os 8 erros de BDI

Lembrar-se dos 7 erros pode ser difícil se a lista não estiver próxima de você na hora de realizar cada orçamento. Para facilitar seu trabalho, aqui está um breve resumo do que você precisa fazer para fugir desses erros. Mantenha essa pequena lista sempre acessível e não terá mais problemas com nenhum desses erros:

  1. Use uma planilha ou, de preferência, uma Plataforma de Gestão para calcular e controlar os orçamentos.
  2. Mantenha os indicadores de preço sempre atualizados.
  3. Crie um checklist de custos diretos e indiretos presentes em qualquer obra.
  4. Saiba exatamente quanto os seus serviços custam, principalmente os mais complicados de realizar.
  5. Colete todas as informações do projeto antes de elaborar o orçamento.

BDI:

Fazer um cálculo correto do BDI é muito importante para que os seus orçamentos sejam à prova de problemas e estabeleçam a base de serviços lucrativos.

Com essa lista de erros, você está mais bem equipado para fugir das armadilhas e realizar orçamentos justos, sem dor de cabeça ou confusão. Não esqueça de seguir o breve resumo acima toda vez que for realizar um novo cálculo.

Como eu disse, o apoio da tecnologia é fundamental no cálculo de um orçamento, mas também é importante em todo o processo de gestão. Você sabe o que uma Plataforma de Gestão faz? Veja como esse tipo de sistema pode ajudar no processo de melhoria contínua da sua construtora!