GESTÃO DE EQUIPAMENTOS


COMO APROPRIAR A DEPRECIAÇÃO NO CUSTO DE UTILIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

A gestão de equipamentos compreende uma série de demandas além do controle de alocação. Em sua empresa você já deve ter observado a depreciação de alguns bens, mas já parou para pensar como essa desvalorização deve ser distribuída nos custos? Há algumas semanas, lançamos nosso sistema de Locação de Equipamentos, ele permite que nossos clientes consigam distribuir o custo do uso dos equipamentos entre as obras onde os equipamentos estão sendo utilizados. Entre as respostas que recebemos, algumas continham dúvidas em relação com a distribuição da depreciação dos equipamentos nos custos.

Devido a importância do tema para nossos clientes aprofundamos nossa pesquisa e encontramos um post do Aldo Dórea Mattos, autor do Blog Engenharia de Custos da Editora Pini, que aborda esse tema de forma bem completa. Abaixo apresentamos uma versão reduzida do post, mas caso você queira se aprofundar no tema, sugerimos que leiam o post citado acima.

Então, vamos ao principal, como distribuímos a depreciação das máquinas e equipamentos? O primeiro passo é definir qual forma de depreciação será aplicada, a linear ou a acelerada. Como a linear é a mais usada pela Indústria da Construção, abordaremos somente está forma de depreciação. Na depreciação linear a taxa de depreciação é distribuída igualitariamente ao longo do tempo, por exemplo; ao assumirmos que um compactador de percussão custa R$ 10.000, 00, que ele será utilizado por 2000 horas e depois será vendido por 30% do valor de compra, teremos que distribuir R$ 7.000,00 de depreciação por 2000 horas, um total de R$ 3,50 por hora deve ser adicionado ao cálculo.

Assim o custo da hora do equipamento não contempla somente a operação e a manutenção, mas também a depreciação, dessa forma de cálculo garante que o construtor consiga recuperar o valor investido para que posso futuramente repor esse equipamento.

Caso você queira aprender mais sobre o tema, entender sobre depreciação acelerada ou sobre como inserir o valor dos juros horários para remuneração do capital investido no equipamento, acesse o post Depreciação de equipamentos, mas se quiser saber mais sobre nosso sistema de Locação de equipamentos do Sienge e como calcular o custo real da sua obra clique aqui.