Posts Tagged / planejamento de obra

Levando conhecimento para a Indústria da Construção




planejamento da construção civil
Planejamento da construção civil com técnicas de business intelligence
Postado dia 28 de novembro de 2016 | Nenhum Comentário
Categorias: Construção, Gestão, Indústria da Construção

Em um cenário de muita concorrência e clientes exigentes, buscar resultados positivos, conquistando mais eficiência e eficácia, é o principal desafio das empresas. É por isso que o gestor e a sua equipe devem trabalhar focados em diferentes estratégias, para se manter, se destacar e conquistar mercado. É preciso investir na elaboração de um planejamento da construção civil coerente e viável para pautar o andamento dos trabalhos. E para saber como agir, antes é preciso entender o cenário e suas variáveis, tais como investimento, horas-trabalhadas, produtividade e lucro líquido. Um conjunto de dados pode clarear muito as ideias, facilitar a compreensão do cenário e embasar a construção de estratégias.

Aos gestores é lançado o desafio de pesquisar ferramentas e metodologias que possam auxiliar no gerenciamento dos processos e respectivos dados, e impulsionar o crescimento da construtora. Atualmente, o Business Intelligence (BI), em português, Inteligência Empresarial é uma das técnicas empregadas para o aperfeiçoamento das atividades empresariais. O recurso permite gerenciar, mapear, modelar e automatizar, em alguns casos, os processos de negócios otimizando, assim, o cumprimento das atividades e tarefas.

Business Intelligence no mercado brasileiro

Ao usar a solução de BI, os gestores da empresa passam a ter condições de tomar decisões respaldadas nos fatos e não apenas em intuições. Com as tecnologias de BI na construtora grandes volumes de dados, oriundos de diversas fontes de informação sejam internas, sejam externas à empresa, são processados indicando o momento que a construtora vive e os seus desafios. Assim, o empresário visualiza como as coisas estão acontecendo e tem condições de identificar as falhas e inconsistências, despercebidas até então, para refletir sobre os processos e fazer diferente no planejamento da construção civil.

Segundo pesquisa feita em fevereiro de 2016 pela Resultados Digitais, empresa referência em marketing digital no país, apenas 28% das empresas de tecnologia, por exemplo, já utilizam ferramentas BI. Os responsáveis pelo estudo consideraram o índice baixo e destacaram que o uso dessa tecnologia é realmente uma grande oportunidade para as empresas se destacarem no mercado em que atuam – inclusive para as construtoras! É preciso explorar mais o recursos e, para tanto, é necessário conhecê-lo muito bem.

BI: transformando o planejamento da construção civil com dados

O planejamento da construção civil pode ganhar muito com a estrutura e os recursos da inteligência empresarial. As informações, extraídas do dia a dia da construtora, constantes no sistema, se bem analisadas e interpretadas indicam aos gestores as possibilidades e estratégias que podem ser adotadas, desenhando o caminho a ser seguido.

Imagine as possibilidades! Já pensou em poder combinar dados do seu cronograma de obras com a previsão do tempo? E agilizar sua pesquisa de mercado descobrindo necessidades e desejos de potenciais clientes de forma muito mais rápida? Ou, ainda, ao saber que a produtividade de uma das obras está baixa, identificar rapidamente onde está o problema e agir de forma certeira sobre ele?

Tudo isso é possível com o uso dos conceitos e ferramentas de BI. Agora que você já conhece as tecnologias de BI e sabe a importância de usá-las para gerenciar os negócios, apresentamos os exemplos práticos dos conceitos que podem ajudá-lo a fortalecer o gerenciamento de processos de negócios e embasar o planejamento da construção civil.

  • Para começar: organize os processos antes da implantação de um sistema de Business Intelligence (BI). É muito mais interessante mapear e reestruturar os processos, quando necessário, para torná-los mais confiáveis. Assim, o conjunto de informações extraídas será, de fato, um retrato fiel do cenário da empresa.

  • Elaborar um planejamento da construção civil mais efetivo: se você tem baseado o planejamento da construção civil em intuições e impressões está na hora de repensá-lo. A inteligência de negócios inova a gestão da empresa, de modo que o planejamento passa a ser feito com base nos dados de sólidas pesquisas e análises estatísticas, resultantes da avaliação com centenas de variáveis.

  • Tomar decisões bem embasadas: o BI usa ferramentas matemáticas como, por exemplo, algoritmos, análise combinatória, relações de causa e efeito e série histórica para fornecer indicativos aos gestores. Os dados internos e as variáveis externas, como dados macroeconômicos, informações do mercado ou da concorrência, são conjugados de modo que o BI entrega um cenário completo, oportunizando ao gestor mais embasamento e segurança no processo de tomada de decisões.

  • ŸConhecer melhor os processos: os dados permitem a análise dos processos internos de todas as áreas da empresa: do operacional ao estratégico. Assim, o gestor tem mais domínio sobre os processos, podendo conhecê-los e revisá-los, tendo noção de como funcionam todas as etapas, mudá-los ou eliminá-los, se necessário, e, ainda, identificar possíveis falhas como erros de fabricação e sobreposição de atividades. Essa visão completa fornece subsídios para a atuação do gestor e da empresa.

  • ŸControlar receitas e despesas: visualizar todos os processos e atividades da empresa em uma única plataforma, a partir de uma perspectiva holística, eleva o nível de gestão da empresa. Na análise de dados financeiros e contábeis, é possível, por exemplo, integrar as despesas com as informações do estoque, as receitas com o fluxo de caixa e o planejamento de investimentos e as alterações patrimoniais com balancetes da empresas. Desta forma, o gestor tem uma visão mais completa sobre a saúde financeira da construtora, e, sobretudo, tem condições de administrar os recursos da melhor forma possível.

  • ŸSistematizar informações e criar relatórios: para facilitar a análise com os dados do BI é possível usar rankings ou, ainda, dados em forma de percentuais. Com os relatórios padronizados, as avaliações e análises são baseadas em documentos com uma linguagem simplificada e acessível, de modo que o fluxo de decisão e dos processos fica muito mais fácil.

  • ŸAvaliar o desempenho dos profissionais: o uso de soluções de BI pode permitir uma avaliação precisa do desempenho de cada colaborador. A aplicação da ferramenta de Balanced Scorecard (BSC) permite integrar as quatro perspectivas: processos internos, clientes, financeiro, e aprendizagem e crescimento, de modo que tais dados são mesclados e comparados indicando os cenários. O BI permite, por exemplo, que o gestor tenha noção exata da performance e da produtividade da área comercial. Ao gerar e interpretar gráficos específicos de vendas por equipes e por volume de vendas, de acordo com a meta, o gestor tem condições de avaliar a equipe e os resultados alcançados.

  • ŸTecnologia e agilidade para a análise de dados: com alta tecnologia e grande capacidade de armazenamento e de tratamento de dados, o BI gera informações em alta velocidade garantindo que todos os dados sejam arquivados. A agilidade deste processo fornece as informações necessárias, na maioria das vezes captadas em tempo real, para que o gestor tenha condições de tomar decisões rápidas e bem embasadas.

 

 

 

O correto gerenciamento das atividades da empresa, o fortalecimento do espírito de equipe e o aumento do desempenho da construtora exigem total dedicação dos gestores.

 

 

 

Para garantir uma gestão eficaz e eficiente, manter o time engajado e o ritmo constante de crescimento é fundamental ter uma visão holística dos processos da construtora, e é por isso que o BI é indispensável. No planejamento da construção civil e na condução dos negócios, os dados do BI norteiam a atuação da equipe visando garantir alto desempenho. Além de simplificar e facilitar o trabalho, a ferramenta confere muito mais embasamento e segurança ao gestor e à equipe. Com o armazenamento e a interpretação dos dados, aos poucos, constrói-se o cenário da construtora, em um processo contínuo de melhoria de análise do BI, que pauta o trabalho, o planejamento da Construção Civil e o crescimento de todos.

planejamento de obra
Planejamento de obra passo a passo
Postado dia 18 de novembro de 2016 | Nenhum Comentário
Categorias: Construção, Gestão, Indústria da Construção, Sienge

O planejamento de obra é uma etapa essencial para garantir o sucesso de um empreendimento – e de uma empresa! No Brasil nós temos o costume de planejar os projetos até um certo ponto e depois improvisar conforme o que aparece, e é aí que costumam ocorrer as perdas, desperdícios e atrasos. Um planejamento de obra cuidadoso auxilia a manter os imprevistos e o caos das obras sob controle, prevendo as entregas e mantendo as atividades dentro do prazo.

Uma matéria da Revista Exame em 2015, chamada “O Custo da Burrice”, demonstra como a falta de planejamento de obra prejudica a construção no Brasil. De acordo com a reportagem, o costume brasileiro é dedicar pouco tempo da obra para o planejamento, ⅕ do total. Em países mais desenvolvidos, a elaboração de projetos, montagem dos cronogramas e as projeções de custos consomem muito mais tempo: cerca de 40% do tempo previsto para uma obra no Japão; na Alemanha, 50%.

A falta de organização se reflete diretamente na qualidade da infraestrutura do país, inclusive quando se trata de obras públicas. O metrô de São Paulo, por exemplo, entrou em operação em 1974 e tem 78 km de trilhos. O metrô de Seul, na Coreia do Sul, foi inaugurado no mesmo ano e já tem 386 km.

 

Fonte: Mobilize

Fonte: Mobilize


As linhas de metrô do Rio de Janeiro, que começaram a operar em 1993, hoje são praticamente as mesmas. O trem de superfície apenas melhorou com as obras das Olimpíadas – outro exemplo de como somos ruins em planejar e executar dentro dos prazos.

metro-rio-x-xangai

Problemas de projeto? Falta de investimento? Nem sempre este é o problema! Um bom planejamento de obra é crucial para conseguir sucesso nos empreendimentos – e uma evolução constante. Basta dedicar-se com mais afinco à esta tarefa e munir-se das informações e ferramentas adequadas.

E então, vamos detalhar passo a passo como fazer um bom planejamento de obra?

1º passo: Estudo de viabilidade de obra

Antes de mais nada, é preciso saber se a empresa tem dinheiro em caixa suficiente para cobrir os custos operacionais. Caso haja, é preciso avaliar se o novo projeto vai trazer lucro ou não. Ou seja, é preciso fazer um estudo de viabilidade financeira da obra!

Se você já faz um controle bem organizado dos custos das suas obras, prever o desembolso e o lucro para a próxima não deve ser grande problema. Caso o seu controle de custos ainda não esteja bom ou confiável o suficiente, você pode começar utilizando a nossa planilha gratuita de Gestão de Custo de Obras.

Para obter o máximo de confiabilidade no seu estudo de viabilidade econômica o mais recomendado é munir-se do máximo de informações possíveis. Projetos e memoriais descritivos do empreendimento são bons pontos de partida para um estudo de viabilidade econômica. Além disso, é importante ter dados que permitam prever o que esperar deste empreendimento.

Algumas informações que podem ajudar no seu planejamento de obra e estudo de viabilidade:

  • Equipamentos e ferramentas que serão utilizados
  • Custo para execução da fundação
  • Custos e orçamentos para preparação do terreno
  • Custos de terceirização e/ou contratação de mão de obra
  • Prazos para cada etapa da obra
  • Taxa de remuneração da construtora
  • Custo dos projetos arquitetônico, estrutural, elétrico, hidrossanitário, prevenção de incêndio, ambiental, etc.
  • Custos da regularização e licenciamento de obra
  • Possibilidades de financiamento e condições de pagamento
  • Cálculo de Orçamento de Obra
  • Cronograma de Obra organizado
  • Cálculo de Retorno de Investimento (ROI)
  • Cálculo de BDI
  • Planejamento de vendas

Nesta etapa de estudo de viabilidade, o orçamentista é de fundamental importância. Esse profissional em conjunto com os decisores – diretores, sócios, acionistas – é quem vai fornecer as bases para uma definição do projeto.

Business Intelligence

A tecnologia pode auxiliar – e muito – na tomada de decisão! Ferramentas de Business Intelligence voltadas para a construção oferecem uma visão gerencial dos custos das suas obras e da sua empresa, o que pode fazer a diferença na sua análise de viabilidade e evitar investimentos equivocados.

2º passo – Orçamento de obra

O projeto é viável, você e sua empresa tomaram a decisão de construir: é hora de detalhar o orçamento de obra! Essa etapa de orçamento é crucial para o planejamento de obra!

Você pode utilizar de planilhas para fazer este controle ou então automatizar o processo com um ERP. O Sienge, por exemplo, permite utilizar informações do projeto desenvolvido em BIM para gerar orçamentos automáticos.

BDI: calculando Benefícios e Despesas Indiretas

O índice BDI na Construção Civil – do Inglês Budget Difference Income ou Benefícios e Despesas Indiretas em Português  – é um elemento orçamentário específico para cada obra e que ajuda a conseguir um preço de venda final melhor levando em conta os custos indiretos. Estes custos indiretos são geralmente tributos municipais, estaduais, margem de incerteza, etc. Para saber mais sobre como calcular o BDI no orçamento da sua obra, leia nosso post completo sobre o assunto.

 

ROI – Return on Investment ou Retorno do Investimento

O Retorno do Investimento é um cálculo simples e que muitas vezes é neglicenciado. Trata-se de saber, efetivamente, qual foi o lucro do seu empreendimento.

Segundo a Endeavor, uma das maiores organizações de apoio ao empreendedorismo, a seguinte fórmula é suficiente para este cálculo:

ROI = (GANHO OBTIDO – INVESTIMENTO INICIAL) / INVESTIMENTO INICIAL

Neste exemplo, supondo que o ganho no seu empreendimento tenha sido 500 mil reais e o investimento inicial tenha sido de 100 mil reais, temos:

ROI = (500.000 – 100.000) / 100.000

ROI = 4


O resultado significa que o retorno foi de quatro vezes o investimento inicial. Para você obter o ROI em forma de porcentagem,é só multiplicar o resultado por 100. Nesse caso, seria de 400%.

3 º passo –  Cronograma físico-financeiro

Com o orçamento detalhado e definido, o Cronograma Físico-Financeiro é o próximo passo: com ele você consegue distribuir os custos por data e etapa da obra.

A importância de um Cronograma Físico-Financeiro na sua obra, é saber com boa previsibilidade quanto tempo os serviços irão durar e quanto irão custar.

Com um Cronograma Físico-Financeiro você pode:

  1. Mapear todas as atividades e custos relacionados desde o começo até o fim da obra

  2. Identificar custos mensais acumulados

  3. Ter um planejamento de obra mais realista

  4. Melhorar o controle do fluxo de caixa

  5. Melhorar a previsibilidade da obra

4 º passo –  Regularização da obra

Ainda durante a fase de projeto já é importante se preocupar com a regularização da sua obra! A burocracia para conseguir todas as permissões e licenças de um empreendimento pode empurrar os prazos para frente e causar alterações no projeto. Ou seja, custos extra!

Uma obra sem os requisitos necessários pode receber multas e notificações!  Fique atento para ter tudo que é preciso no seu planejamento de obra! Verifique se o seu canteiro tem tudo que é exigido, como por exemplo a placa indicando o responsável técnico, espaço dedicado para armazenamento de materiais, cercamento com tapumes e passagem para pedestres.

Preste atenção aos requisitos necessários para a regularização e licenciamento da obra, como:

  • Matrícula do imóvel
  • Contratação de Profissional Habilitado
  • Projeto Arquitetônico
  • Alvará de Construção
  • Anotação de Responsabilidade Técnica (ART)
  • Placa, plantas e ART na Obra
  • Certidão Negativa de Débito (CND) INSS
  • Atestado das concessionárias de água e esgoto
  • Atestado de conformidade da instalação de energia elétrica
  • Auto de vistoria do corpo de bombeiros
  • Habite-se
  • Registro do imóvel

4º passo –  Acompanhamento de atividades da obra

A execução da obra precisa ser acompanhada e avaliada constantemente. Esse é o ponto nervoso que garante o sucesso de um planejamento de obra ou não!

Para garantir uma equipe de execução eficiente e organizada, é essencial ter ou contratar um time excelente.

Avalie o que é mais vantajoso para sua empresa: aumentar o time de execução ou terceirizar a empreitada.

Se a mão de obra for terceirizada, é preciso ter ainda mais cuidado – especialmente com o contrato de empreitada/prestação de serviços. A terceirização da mão de obra é uma boa saída, mas está mais propensa à processos trabalhistas.

Caso queira contratar uma equipe para prestar serviços na sua obra, nós temos um Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Construção que pode ajudar. O documento foi revisado por nosso assessor jurídico e está disponível gratuitamente.

>> Aproveite o nosso checklist para elaboração de um contrato de prestação de serviços de construção

  • Segurança do trabalho

A integridade dos trabalhadores do canteiro de obra deve ser sempre uma prioridade! Acidentes instalam um clima de incerteza, prejudicam o trabalhador, a empresa e a equipe. Para prevenir ocorrências no canteiro de obra é bom garantir:

– Um bom planejamento do canteiro de obra

– Fiscalizar o uso de EPIs e EPCs

– Cercar a obra com tapumes, andaimes e telas de segurança para evitar acidentes com pedestres

– Seguir as normas de segurança

– Armazenar os materiais nos locais adequados

  • Diário de Obra

 

O diário de obras é um documento muito importante para o planejamento de obra porque dá uma visão real do que está acontecendo na construção. Preenchê-lo e manter um histórico proporciona uma visão da evolução da obra dia a dia e facilita quando há alguma dúvida ou impasse sobre atrasos ou medições.

Por exemplo, se uma concretagem estava agendada para um dia em que choveu e teve que ser adiada, esse fato deve constar no diário de obras.

Aproveite o nosso Modelo gratuito de Diário de Obras para o seu Planejamento de obra!

5º passo – Ajustando os prazos

A verdade é que um bom planejamento de obra não vai exigir muitas mudanças ou revisões. Porém, quando se verifica que o previsto está longe do realizado, é preciso reformular e adaptar. Estes ajustes são essenciais para ter um método cada vez mais afinado e preciso.  

Se formos nos basear nas práticas mais eficientes, podemos adotar métodos como Lean Construction e o Método Tempo-Caminho, por exemplo.

  • Lean Construction

    O método de Lean Construction é baseado em uma linha japonesa de pensamento que procura trabalhar com construções enxutas. Ou seja, o foco é comprar e armazenar apenas a quantidade de material necessária para cada etapa, evitando o desperdício. Essa prática baseia-se muito na corrente do toyotismo.

  • Planejamento de Obras com o Método Tempo-Caminho

    O planejamento de obras Tempo-Caminho ajuda a definir diferentes prazos de execução para cada tarefa. Por exemplo o tempo dedicado à Estrutura em uma obra deve ser maior do que o tempo dedicado à Alvenaria. O responsável pelo planejamento de obra pode controlar e prever esses tempos diferentes através de gráficos. Saiba mais sobre o assunto lendo o nosso post.

banner do ebook sobre desperdicio

6º passo – Acabamento e licenciamento

Quando a obra chega ao momento de acabamento, é hora de conferir se o licenciamento e a entrega do imóvel estão encaminhados e bem planejados.

– Verifique se o Habite-se, Alvarás sanitários, vistorias e outros documentos estão em dia
– Planeje a entrega do imóvel para o cliente

O momento de entregar as chaves com o imóvel pronto para ser usado costuma ser especial para quem vai ocupá-lo. Planeje este ato e garanta que tudo está em ordem para que seu cliente possa aproveitar ao máximo o novo empreendimento!

Um documento que ajuda bastante a conservar a integridade do trabalho da sua equipe e evita o desgaste dos imóveis é o Manual do Proprietário de Imóveis. Nós preparamos um modelo gratuito que você pode usar com os seus clientes!

Veja alguns materiais que ajudam a melhorar a Entrega do Imóvel:

A tecnologia ajuda a fazer Planejamento de Obra

O planejamento de obras tem vários fatores que o alteram e precisa ser muito bem feito e monitorado. É preciso tomar cuidado para não se perder no meio de tantas informações e prazos. É nessa hora que a tecnologia se torna uma grande aliada!

Ao invés de usar várias planilhas que não são integradas e precisam ser preenchidas à mão, linha a linha, você pode usar um software de gestão, como o Sienge. O Sienge é voltado para empresas de construção e leva em conta todos os passos sobre os quais falamos neste post!

O melhor é que com as integrações do Sienge, você pode orçar, planejar, acompanhar, cotar com fornecedores, comprar suprimentos, emitir notas, fazer fluxo de caixa e muito mais – tudo no mesmo ambiente!

Ficou curioso?

>>Conheça as nossa solução para Planejamento de Obra!

planejamento de obra
Como a tecnologia ajuda no planejamento de obra?
Postado dia 14 de setembro de 2016 | Nenhum Comentário
Categorias: Construção, Gestão, Indústria da Construção

Construir é uma ação detalhada e complexa, que vai muito além de empilhar tijolos e colocar argamassa. É uma tarefa meticulosa que requer análise de cálculos, detalhamento estrutural, avaliação de riscos e tomada de decisões. Por isso, o planejamento de obra torna-se indispensável para definir custo, tempo e exploração de recursos, na busca dos melhores resultados. O tempo dedicado ao planejamento reflete diretamente na economia, cumprimento de prazos e redução da necessidade de adaptações após a construção do empreendimento.

Que bom que a antiga prancheta ficou pra trás e hoje, pode-se contar com programas de desenho em computador e softwares especializados para controle de cronogramas e execução de obras, por exemplo. Com a ajuda da tecnologia, o engenheiro ganha velocidade no planejamento e execução das obras, flexibilidade no controle de seu desenvolvimento e também um acompanhamento mais assertivo de todas as etapas da construção.

Por meio da utilização de um software especializado na indústria da construção civil, as atividades se tornam mais dinâmicas, com menor incidência de erros nas previsões de tempo e investimento. Uma solução completa permite que a área de engenharia desenvolva seu trabalho de forma organizada, mantendo total controle entre o planejamento de obra e o acompanhamento físico das obras. Considerando todas as etapas que envolvem a construção de uma obra, com gestão adequada das datas de execução, máquinas e equipamentos necessários, custos com mão de obra e demais recursos.

O Sienge é a solução mais usada no Brasil e apoia o trabalho das construtoras em todas as etapas da obra: planejamento, execução, acompanhamento e pós-entrega. Na etapa de projeto propriamente dita, oferece funcionalidades que merecem destaque:

banner sobre a palestra planejando futuro das obras

1) Elaboração do orçamento da obra

Esta etapa define quanto custará a obra efetivamente e assim, permite iniciar seu planejamento financeiro e a captação dos recursos necessários. Na elaboração de um bom orçamento você precisará saber quais serão todos os materiais aplicados para realizar a avaliação do custo da obra, tendo como base preços dos insumos praticados no mercado ou valores de referência e levantamento de quantidades de materiais e serviços obtidos.

É no orçamento que serão detalhadas as etapas e informados os gastos básicos e também os adicionais, como por exemplo, saber quantos sacos de cimentos foram utilizados na construção da parte de alvenaria. Um bom orçamento faz com que cada construção tenha um banco de dados interno, com diretrizes definidas (quantidade de material, mão de obra e produtividade da equipe) para a contabilização do projeto. Para se ter uma ideia, segundo dados coletados em 2010 pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC):

  • Apenas 35,8% das construtoras tinham um sistema de gestão integrado e
  • Somente 18,1% das obras de construção civil contavam com apoio de sistemas informatizados no pátio da obra.

# Como a tecnologia pode ajudar

O módulo de Orçamento do Sienge ajuda o engenheiro a ganhar velocidade na montagem do orçamento, pois viabiliza o reaproveitamento das informações existentes no sistema. Além de poder contar com representações gráficas do desenvolvimento dos serviços a serem executados ao longo do tempo de duração da obra demonstrando em cada período, o percentual físico a ser executado e o respectivo valor financeiro envolvido. Além disso, o software permite:

  • Trabalhar com a configuração de composições, etapas e sub etapas específicas para cada obra, orçando com maior ou menor detalhamento de níveis;
  • Separar o orçamento em unidades construtivas (bloco, fase, entre outros);
  • Criar versões diferentes para cada planilha de orçamento e manter o histórico de alterações;
  • Orçar serviços com composições ou verbas dentro da mesma planilha;
  • Dispor de relatórios de orçamento em mais de 30 formatos, tais como: cálculo de BDI, curva ABC de insumos e de serviços.

Você também pode contar com um estudo de viabilidade econômica muito mais preciso. O sistema permite cadastrar vários estudos para um mesmo empreendimento, simular diferentes cenários econômicos (otimista, pessimista, entre outros) e incluir todas as variáveis do estudo (custo de construção, compra de terreno, impostos, corretagem, publicidade, entre outras).


2) Planejamento de obra

Ao planejar a obra, é possível elaborar uma lista de tarefas, conforme a ordem de execução, de forma independente da estrutura orçamentária, mas mantendo o vinculo entre os custos e os itens orçados. O planejamento de obra é crucial para priorização de atividades e para possibilitar o acompanhamento preciso do andamento dos serviços, além de viabilizar a comparação entre o planejado e o realizado. Dessa forma, será  possível tomar providências em tempo hábil quando algum desvio é detectado.

Uma pesquisa recente, realizada pela consultoria Deloitte junto a diversas construtoras brasileiras, aponta um desvio médio de 21,7% entre o orçado e o custo real de uma obra. O dado demonstra a importância que o planejamento de obra tem, porque mesmo planejando existe a possibilidade de apontar um desvio médio de mais de 20%.

Ainda segundo o estudo:

  • Mais de 55% das empresas concordam com a afirmação de que têm um uso escasso da tecnologia nas suas construtoras;
  • Mais de 70% dessas empresas apontou que só utilizam planilhas eletrônicas para a gestão dos seus projetos de obras.  

# Como a tecnologia pode ajudar

Com a utilização do software Sienge, o planejamento de obra fica mais eficiente e assertivo. O módulo de Planejamento garante eficiência e dinâmica na gestão da obra, pois possui relatórios de cronogramas físicos e financeiros, necessidades de compras e dimensionamento de equipes. Além disso, é possível configurar a forma de pagamento dos insumos representativos do custo da obra e gerar um cronograma de desembolso aderente à realidade. Confira outras características importantes da solução:

  • Permite cadastrar cada obra e registrar informações básicas, como por exemplo, datas de início e fim, leis sociais e metragem;
  • Elabora planilhas de cada projeto, definindo as durações e datas de execução das tarefas, obtendo desta forma um cronograma de execução para o orçamento realizado;
  • Trabalha com a montagem de calendários de obras personalizados, de forma que se possa estabelecer os dias de trabalho e feriado/folga dentro de cada obra;
  • Dispõe de relatórios variados que auxiliam o planejamento de obra, tais como: cronograma físico de Gantt, cronograma de desembolso, de composições de custos por tarefas e levantamento de datas;
  • Possibilita a integração com o MS Project, se necessário, aumentando a produtividade, o detalhamento e a consistência das datas previstas de execução.

3) Execução e acompanhamento da obra

O acompanhamento da execução tem como objetivo levantar e verificar os desvios apresentados com relação ao planejamento de obra e, principalmente, indicando qual a melhor forma para a correção da execução. Para o acompanhamento ficar mais fácil é interessante manter um controle manual ou informatizado que deverão estar inclusos as atividades de levantamento de dados, compilação de dados, comparação com o planejado, análise dos resultados e proposição de ações corretivas.

banner sobre planejamento de obra

# Como a tecnologia pode ajudar

O sistema Acompanhamento facilita o controle da execução da obra por meio de registros de medições físicas e de relatórios comparativos entre o planejado e o realizado, de forma a permitir uma resposta ágil caso haja atrasos ou imprevistos nas obras.

  • É possível informar as quantidades medidas de cada item do orçamento para a referida obra numa determinada data, realizando assim o acompanhamento da execução dela;
  • As medições podem ser registradas no sistema também a partir de dispositivos móveis, como tablets e smartphones, além de planilhas impressas com layout (que facilitam o registro, conferência e autorização manual);
  • Permite a importação dos percentuais executados a partir de arquivos do MS-Project;
  • Disponibiliza relatórios comparativos que permitem avaliar o andamento físico da obra, comparando-o com o planejamento de obra previamente definido.

Todas estas etapas de orçamento, planejamento de obra e acompanhamento da obra fazem total diferença nos projetos dos empreendimentos da sua construtora. Elas se tornam imprescindíveis para reduzir estouros de orçamento, problemas com prazos de entrega e comprometimento da satisfação dos clientes da sua construtora. E para tornar os processos  da sua empresa ainda mais assertivos e preservar seus resultados, a gestão de riscos também se torna uma prática indispensável!

 

#Gestão de riscos é crucial para apoiar as decisões da construção civil

dashboard

Fonte: Sienge

Empreendimentos cada vez maiores e mais complexos, realizados em prazos cada vez mais curtos, têm impulsionado as construtoras a buscarem identificar, ainda na fase de planejamento de obra, todos os riscos possíveis para tomarem ações que possibilitem solucionar os contratempos com o mínimo de impacto possível para o projeto da obra.

Ao tomar decisões proativas, os gestores da construção civil podem utilizar a informação sobre eventuais riscos de forma favorável ao projeto, garantindo seu sucesso e segurança aos acionistas e investidores.

Confira as principais vantagens do módulo Suporte à Decisão do Sienge:

  • Rápido acesso aos dados e relatórios que auxiliam a gestão e decisão sobre várias áreas da empresa, permitindo uma visão macro das áreas e ações preventivas ou corretivas.
  • Com um sistema de Business Intelligence (Inteligência Competitiva), o Sienge BIaaS, consolida dados da operação diária da sua empresa, gerando assim indicadores e dados específicos que auxiliam na tomada de decisões.
  • Apresenta dados das suas obras que resultam em indicadores, trazendo de forma prática e rápida informações e alertas correspondentes ao cenário de seu ERP Sienge, por meio de gráficos, dashboards e tabelas personalizadas de controles específicos de seu negócio.

Todas estas informações podem ser utilizadas para fazer análises e identificar desvios de desempenho na empresa de forma rápida e consistente. Assim você pode evitar atrasos na execução de obras, consegue reduzir custos, desequilíbrios financeiros, verificar a produtividade e fazer outros ajustes estratégicos. E o melhor, esta tecnologia está disponível em plataforma na nuvem, reduzindo drasticamente o custo total do uso das aplicações.

As empresas da indústria da construção civil têm se preocupado constantemente em estratégias que tornem seu planejamento de obra mais rápido, eficiente a um custo reduzido. Investir em Tecnologia de Informação e em um software como o Sienge, que ajude o engenheiro em todos os processos que fazem parte de uma construção de forma mais assertiva e prática é uma opção estratégica!

banner sobre bim
mudanças climáticas e construção civil
Mudanças climáticas e construção civil: é preciso se preparar
Postado dia 22 de julho de 2016 | Nenhum Comentário
Categorias: Construção, Sustentabilidade, Tendências

 

As mudanças climáticas podem trazer a necessidade de lidar com obras em condições especiais, veja como se preparar: 

As mudanças climáticas registradas nos últimos anos têm tido seus efeitos repercutidos em escala global. Estudos norte-americanos, realizados pela Nasa e pela Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos (Noaa), apontaram que 2014 foi o ano mais quente da história. O recorde no entanto durou pouco, e já em 2015 a marca foi superada.

É inegável que nas últimas décadas o mundo tem se transformado pela ação humana e essa instabilidade climática levanta dúvidas quanto ao que se pode esperar de 2016 e também dos anos que virão a seguir. Para o ano de 2016, cientistas da Nasa preveem o fenômeno El Niño em seu auge, e seus impactos mudam de acordo com a localização. Em determinados pontos, são esperados momentos de calor extremo, em outros estiagem brusca, ou vendavais com precipitações acima da média.

De norte a sul do país, seus efeitos também são sentidos pelo setor da construção civil. Chuvas em excesso, temperaturas acima da média, ventos fortes, umidade e raios. É preciso que sua construtora se prepare para obras em condições especiais, de modo a garantir a segurança do empreendimento e a qualidade da entrega. Para isso, alguns cuidados devem ser tomados antes, durante e depois da construção!

Impactos das mudanças climáticas no planejamento da obra: relação entre mudanças climáticas e construção civil

A prevenção de possíveis efeitos de ordem natural deve começar já na primeira etapa do projeto. É fundamental que, ao planejar a obra, tenha-se em mente quais impactos a natureza pode exercer sobre o empreendimento. Por isso, é muito importante evitar construir em zonas de risco, por exemplo, como margens de rios ou manguezais, por serem regiões desniveladas, sujeitas a inundações e encostas de morros, onde a obra corre riscos de deslizamentos de terra.

No entanto, nem sempre isso é uma alternativa, e muitas edificações são construídas em encostas de morros ou zonas vulneráveis a alagamentos. Neste caso, ações que visam antecipar-se a essas eventualidades podem ser postas em prática. Um estudo do solo junto a um topógrafo identificará suas características.

banner sobre o quiz insumos da construção civil

Dessa forma, será possível pensar em ações alternativas que se antecipem a possíveis deslizamentos  e alagamentos. Entre elas, a construção de muros de arrumo e contenção, terraplanagem cuidados e também interferências no solo do empreendimento, como preparar o terreno com brito ou gesso.

Consultar o código de obras do município também pode reduzir as chances de mudanças climáticas interferirem em seu canteiro de obras. O código de obras do município indica quais áreas constituem maior perigo e é provável que o alvará para construção não seja liberado por estas circunstâncias.

Com o canteiro de obras instalado em um local seguro, o empreendimento também deve seguir à risca todas as normas de construção. Desse modo, reduzirá mais ainda as chances de qualquer acidente relacionado às condições naturais ou climáticas da região.

Mudanças climáticas e construção civil: a execução da obra

Os efeitos climáticos gerados pelo El Niño e outros fenômenos diferem de um lugar para o outro. Enquanto na região Sul registra-se um aumento de chuvas, ventanias e umidade, na Norte a seca prevalece, com pequenos períodos de chuva e forte calor. E já durante a execução da obra, os efeitos dessas intempéries são sentidos e trazem impactos diretos no planejamento realizado para entrega do empreendimento.

Um problema enfrentado pelas construtoras devido a estas mudanças climáticas está relacionado à umidade relativa do ar. Em regiões de maior umidade, por exemplo, um fenômeno como o El Niño dificulta a secagem do concreto. Isso afeta a obra em diversos pontos, desde gerar atrasos indesejáveis na entrega, desperdício de material de construção e, consequentemente, elevação dos custos do projeto.

Em contra partida, os mesmos fenômenos agravam as secas das regiões de menor umidade, como é o caso do nordeste brasileiro. Isso provoca dificuldades em se providenciar água e também impulsiona seu preço, sendo que toda obra demanda uma grande quantidade de água em diferentes processos, como a concretagem.

Áreas de maior umidade e que registram maiores períodos de chuvas podem estar mais sujeitas a inundações e enchentes. Dessa forma, é fundamental fazer um levantamento do histórico de inundações do terreno, contando com a orientação de um topógrafo. Além disso, construir edificações mais altas, estruturadas sobre pilares, é uma forma eficaz de proteger sua obra e também os futuros moradores, que estarão resguardados dos alagamentos após a entrega.

Não há muito o que se fazer a respeito das condições climáticas é importantíssimo levar em conta tais características para estar preparado para lidar com elas durante a execução da sua obra.

Mudanças climáticas e construção civil no pós-obra: reduzindo impactos

Contudo, a atenção com estes pontos críticos deve se estender além da conclusão do projeto. Mesmo com a edificação já entregue ao proprietário, a obra deve ser continuamente inspecionada, investigando possíveis fragilidades em sua estrutura que podem ser corrigidas antes de ocasionar maiores danos. Nesse caso, é essencial o acompanhamento de um especialista, que poderá  apontar as medidas mais assertivas para reparar a estrutura, preservando sua sustentação e prolongando sua vida útil.

Por isso, o acompanhamento de um engenheiro civil desde a etapa de planejamento da obra é fundamental para que a construção se torne mais resistente a tempestades e vendavais, uma vez que a forma da estrutura também pode influenciar em sua  vulnerabilidade.

superbanner da planilha do modelo de diário de obras

Em regiões com maior tendência a tempestades e vendavais, é essencial que as telhas sejam fixadas ao telhado. Ventos fortes podem fazer com que se desprendam da estrutura e atinjam grandes velocidades, pondo em risco a vida de trabalhadores e pessoas que circulam próximas ao local. É preciso construir  telhados resistentes, de modo a evitar destelhamentos.

Além disso, é muito importante que a estrutura do telhado seja reforçada. Estruturas de madeira simples não são mais indicadas para regiões que registram ventos mais fortes, uma vez que as massas de ar incidentes sobre a estrutura geram vácuo, resultando no destelhamento. Uma das alternativas é o uso de travamento de vigas bem aglutinadas aos pilares devem manter a estrutura segura o bastante.

Para evitar o aumento da pressão interna do empreendimento, deve-se lacrar muito bem as portas e janelas. Algumas alternativas podem ser empregadas para evitar quebra de materiais devido às ventanias, que podem ser acompanhadas de queda de granizo. Uma delas seria construir janelas menores e mais numerosas, de modo a utilizar a mesma área de janela e reduzir os riscos de acidentes. Ou então, reforçar a estrutura das janelas com malhas de aço.

A responsabilidade não pode e nem deve recair toda sobre o sistema privado. A segurança das edificações também é de responsabilidade do proprietário, em garantir uma manutenção constante do imóvel e também do estado, em inspecionar e fiscalizar com maior rigor. No entanto, com essas medidas, sua empresa certamente estará mais segura e preparada para os efeitos da relação entre mudanças climáticas e construção civil, que marcam nosso tempo.

banner sobre o quiz insumos da construção civil
banner das 7 dicas de ouro de como fazer orçamento de obra
Saiba como o Sienge pode ajudar a sua empresa