COMO ESCOLHER A MELHOR SOLUÇÃO PARA AJUDAR A SUA CONSTRUTORA A REDUZIR CUSTOS


Ter o controle total dos custos das obras da sua construtora é o primeiro passo para atingir a rentabilidade esperada nos projetos. Por esta razão o tema é pauta de todas as reuniões de acompanhamento de projetos e de resultados na sua construtora. O tema fica mais prioritário ainda em tempos de incertezas econômicas, como foi abordado no nosso blog no post "Como driblar o mau desempenho da economia e obter bons resultados para o seu negócio”. Neste cenário, não basta controlar os custos; é preciso reduzí-los de forma consciente e assertiva.

Levando em conta a quantidade de materiais, pessoas e máquinas envolvidas para levantar um edifício, você pode imaginar o quanto complexo é ter o controle efetivo de tudo que foi consumido numa obra deste porte. Agora, pense neste mesmo esforço multiplicado pelo número de obras em andamento da sua construtora. Difícil? Sim, mas necessário e factível. Fazendo uso de um bom sistema de gestão de obras, sua construtora terá os custos na ponta do lápis - ou melhor, na tela do computador - de forma ágil e precisa. Veja aqui como escolher a melhor solução de gestão de obras para ajudá-lo a reduzir custos nas suas obras e manter sua construtora competitiva:

#1 Orçamento preciso: a solução que você adotar deve prover recursos que permitam fazer um orçamento baseado em históricos de obras anteriores e valores de insumos padrão de mercado, de forma muito ágil, prática e com acuracidade. Assim você acerta a mão nas quantidades e valores orçados, evitando custos extras em compras de materiais em excesso, por exemplo.

#2 Planejamento e execução da obra integrados: não basta orçar com precisão, é necessário que as premissas do orçamento sejam respeitadas durante a execução da obra. Por meio de uma solução tecnológica é possível fazer o planejamento e o controle de mão-de-obra e dos insumos aplicados de forma integrada ao orçamento. Este recurso é fundamental em um sistema de gestão de obras, para que você possa gerir orçado X realizado, acompanhar a evolução do cronograma físico-financeiro e tomar ações que impeçam que os custos sejam extrapolados.

#3 Planejamento de compras integrado ao orçamento e canteiro de obras: com as especificações de mão-de-obra, máquinas e materiais corretos e com antecedência, o comprador tem melhores condições e tempo hábil para negociar valores e prazos de entrega junto aos fornecedores. A partir do orçamento e planejamento do cronograma da obra, o sistema deve nutrir a área de compras com as solicitações de cotação de forma integrada. Um bom sistema também deve permitir agrupar as solicitações de itens semelhantes das diversas obras em andamento, aumentando o poder de barganha por conta do volume a ser comprado.

#4 Gestão eficiente do estoque: os materiais representam 50% do custo de uma obra. Por isso é fundamental que seus estoques sejam bem geridos, para evitar compras em duplicidade ou compras emergenciais desnecessárias. A gestão do almoxarifado também deve ser feita minuciosamente, para que o transporte dos insumos seja feito no tempo e forma adequada, evitando avarias e desperdícios.

#5 Gestão de alocação de pessoas e máquinas: dar condições para que a equipe seja mais produtiva é mais um passo na direção da redução de custos. Para facilitar, conte com um sistema que permita um controle eficiente de alocação de pessoas e máquinas: estes recursos devem estar disponíveis no canteiro na hora certa, sincronizado com o cronograma de execução da obra e entrega de materiais. Ter pessoas e máquinas paradas na obra por falta de matéria prima, por exemplo, é dinheiro jogado fora.

#6 Apontamento de horas e insumos facilitado: uma boa solução tecnológica deve possibilitar o apontamento de horas e insumos alocados em cada atividade da obra de forma prática e automatizada. Aqui, existem recursos de tecnologia móvel que permitem estes lançamentos de forma online e sem muito esforço por parte dos profissionais no canteiro de obras. O resultado é que o gestor da obra tem o cronograma físico e financeiro atualizado sempre e em tempo hábil para que ele tome ações de impeçam gastos fora do que foi orçado.

#7 Fluxo de caixa atualizadíssimo: tomar uma decisão de investimento ou tomada de recursos só pode ser feita se você tiver o fluxo de caixa em mãos e com informações confiáveis. Um bom sistema integrado de gestão de obras deve dar ao gestor financeiro da sua construtora condições de analisar o impacto do andamento das obras no fluxo de caixa, com base em informações reais e atualizadas. Assim o gestor financeiro tem mais tempo para tomar decisões de caixa, optando por operações que gerem o menor custo financeiro para a construtora.

#8 Gestão e manutenção dos máquinas integrada às obras: fazer a manutenção preventiva dos veículos e equipamentos da sua construtora é uma forma de reduzir custos. Uma máquina em bom funcionamento é mais produtiva e executa suas tarefas com mais qualidade. Já as manutenções corretivas geram custos de última hora com compra de peças e contratação de serviços de forma emergencial, além de comprometer o andamento da obra e por vezes, a segurança dos funcionários. Por isso, uma boa solução de gestão de obras deve prover recursos para que você planeje as manutenções preventivas de acordo com os cronogramas de todas as obras e gere menos custo de oficina para a sua construtora.

Fique atento na hora de escolher uma solução de gestão de obras! Seguindo as dicas deste material, você terá muito mais que um sistema de gestão, contará com uma ferramenta aliada no controle e redução dos custos.